ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, QUINTA  13    CAMPO GRANDE 24º

Capital

Polícia vai atrás de "galo bravo" que atacou mulher em praça

Animal "bicou" vizinha na última segunda-feira (22), no Bairro Arnaldo Estevão de Figueiredo

Por Gustavo Bonotto e Geniffer Valeriano | 25/04/2024 21:26
Antônia Coronel, 68 anos, com o galo amarado em cadarço na praça. (Foto: Geniffer Valeriano)
Antônia Coronel, 68 anos, com o galo amarado em cadarço na praça. (Foto: Geniffer Valeriano)

Após a veiculação da matéria sobre o "galo bravo" que atacou moradora durante passeio em praça nesta semana, a PMA (Polícia Militar Ambiental) buscou pela tutora do animal para investigar o caso. No entanto, as equipes se depararam com as portas fechadas no Bairro Arnaldo Estevão de Figueiredo durante a tarde desta quinta-feira (25).

Para a reportagem, a equipe responsável disse que já esteve duas vezes no local e irá retornar para averiguar o ocorrido quantas vezes precisar. "Não tem previsão do horário, provavelmente na hora que tiver um tempo entre uma captura de animal", explicaram.

O caso tomou repercussão com boletim de ocorrência registrado pela vítima do ataque, Celene Margarida Siqueira, de 80 anos. O galináceo (galo índio) se soltou de um cadarço improvisado de coleira e foi para cima da aposentada. Ela sofreu ferimentos no braço e no dedo mindinho.

Celene conversou com o Campo Grande News e relatou que precisou ir ao postinho para fazer um curativo. "Ainda fui na casa dela [dona do galo] e mostrei: 'aqui o que ele fez' e ela só disse: 'ai, me desculpe'. Eu peguei e falei: 'depois que inventaram a desculpa ninguém mais apanhou", reclamou a idosa.

À época dos fatos, a dona do galo disse que levava o animal para ciscar na praça há um ano, sempre preso por um cadarço junto com uma estaca de madeira para ele não fugir. "Deixo preso porque ele é bravo, mas a galinha eu deixo solta porque é mansa", descreveu Antônia Coronel, 68 de idade. Ela também explica que pediu para Celene não ficar próximo ao galo, mas ela continuou.

A reportagem tentou entrar em contato com Antônia após a tentativa de contato da PMA, mas não obteve retorno até o fechamento desta matéria. O espaço continuará aberto para futuras declarações.

Braço de idosa atacada pelo galo. (Foto: Geniffer Valeriano)
Braço de idosa atacada pelo galo. (Foto: Geniffer Valeriano)

Receba as principais notícias do Estado no WhatsApp. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nas redes sociais: Facebook, Instagram e TikTok

Nos siga no Google Notícias