A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016

16/10/2015 11:41

Assaltantes iniciaram crimes no PR e ameaçaram atear fogo em vítimas

Os dois bandidos que estavam escondidos na mata assaltaram caminhoneiro para tentar fugir de MS e chegar ao Paraná

Helio de Freitas, de Dourados
Quatro assaltantes paranaenses e um paulista foram apresentados nesta sexta-feira em Dourados (Foto: Sidney Bronka/94 FM)Quatro assaltantes paranaenses e um paulista foram apresentados nesta sexta-feira em Dourados (Foto: Sidney Bronka/94 FM)

Os assaltantes que mataram um caseiro e feriram a tiro um sitiante na madrugada de quarta-feira em Dourados, a 233 km de Campo Grande, espalharam terror em dois estados, segundo os policiais que participaram das buscas aos acusados. Eles iniciaram a onda de crimes no Paraná, onde roubaram uma caminhonete S10 numa propriedade rural, apreendida na BR-463, e ameaçaram queimar as vítimas com gasolina.

Veja Mais
Acusados de assalto e assassinato são presos e caçada chega ao fim
Mototaxista contratada por assaltante é localizada e busca em mata é suspensa

A quadrilha foi apresentada na manhã desta sexta-feira (16) na Defron (Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes de Fronteira), em Dourados, onde os cinco estão presos.

Foram apresentados Bruno Barros de Oliveira, 20, morador em Sarandi (PR), Valdeci Ferreira, 44, residente em São Paulo – os dois homens que estavam escondidos na mata –, Evandro Medeiros dos Santos, que fugiu de Dourados após contratar uma mototaxista e foi preso em Nova Esperança (PR), Francisley Peixoto, 31, e Rudson Carlos Passarelli da Silva, 20, moradores em Nova Esperança e que tinham sido presos ainda na madrugada de quarta, no Posto Capeí, em Ponta Porã.

Bruno, Valdeci e Evandro cometeram os assaltos, tanto no Paraná quanto em Mato Grosso do Sul. Já Francisley e Rudson foram contratados para servirem de batedores até o Paraguai, onde entregariam a S10 roubada no PR.

Força-tarefa – As investigações para a prisão dos assaltantes envolveram a Polícia Civil, Polícia Militar, Defron e a PRF (Polícia Rodoviária Federal). Ao contrário do que havia sido informado na quarta, o policial rodoviário que abordou Bruno e Valdeci na BR-163 com a caminhonete F-1000 roubada no sítio em Dourados, não ficou ferido. Os tiros disparados pelos assaltantes acertaram apenas o carro do policial.

Depois que saíram da mata, na manhã desta quinta-feira, Bruno e Valdeci praticaram outro crime. Eles assaltaram um caminhoneiro e o deixaram amarrado no mato, mas foram presos em Juti, quando tentavam chegar ao Paraná. Com eles a PM encontrou dois revólveres calibre 38.

Terror – O delegado do SIG (Sistema de Investigações Gerais), Mateus Zampieri Nogueira, disse que os bandidos são perigosos, principalmente por não terem respeito à vida de suas vítimas. Segundo o policial, o grupo agia com extrema violência e submeteram as vítimas do assalto no Paraná a momentos de terror.

Todos confessaram os crimes, mas afirmam que tanto o caseiro morto quanto o sitiante ferido reagiram ao assalto, por isso atiraram. O grupo foi indiciado por uma série de crimes, entre os quais latrocínio (roubo seguido de morte) e formação de quadrilha.

Vítimas – A quadrilha é acusada pela morte do caseiro Josias Leiva, 34, e pela tentativa de homicídio contra José Ricardo da Silva, 31, em uma casa na mesma região do latrocínio, nas margens da BR-463, entre Dourados e Ponta Porã.

Na casa de José Ricardo os bandidos não conseguiram cometer o assalto, mas do sítio onde mataram Josias eles levaram a caminhonete F-1000, abandonada na BR-163, próximo à mata onde se esconderam.




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions