A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 05 de Dezembro de 2016

03/03/2011 16:22

Sindicato reclama de más condições de estradas vicinais em Corumbá

Fabiano Arruda

Alunos sem aulas e vias intransitáveis fazem parte do cenário

Carro atola em estrada vicinal de Corumbá. (Foto: Adonias Welika)Carro atola em estrada vicinal de Corumbá. (Foto: Adonias Welika)

O Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Corumbá faz queixas da condição das estradas vicinais do município, vias que são utilizadas, como único caminho, pela população que mora em assentamentos, além de pequenos produtores, que precisam transportar produtos.

Adonias Welika, integrante do sindicato, afirma que pelo menos 400 famílias residem nos assentamentos e são diretamente prejudicadas com a precariedade das estradas. Com as chuvas, os assentamentos ficam praticamente isolados, comenta.

Ele explica que a rota é de aproximadamente 45 quilômetros. A principal estrada nasce na região de fronteira com a Bolívia e passa pelos assentamentos Tamarineiro, Tamarineiro II Norte, Paiolzinho, Tamarineiro II Sul e Jacadigo.

Outra rota, nasce no Jacadigo, passa pela região conhecida como Nova Corumbá, além dos assentamentos Taquaral, Paiolzinho, Tamarineiro II Sul e retorna ao Jacadigo.

Estes percursos contam com linhas de ônibus, que fazem o transporte de alunos.

“Não tem jeito de ônibus passar pela estrada. Algumas crianças percorrem o trecho a pé”, comenta Adonias.

O integrante do sindicato lamenta ainda que os prejuízos registrados por alguns produtores dos assentamentos que, durante o transporte, perderam produtos como melão e melancia.

Chuva atrapalha - A justificativa da secretaria de Infra-Estrutura da Prefeitura de Corumbá para o caos enfrentado pelos moradores dos assentamentos é que, desde janeiro, as chuvas têm sido constantes na cidade e inviabilizado obras de reparo.

Segundo o engenheiro Gerson da Costa, que integra a pasta, algumas obras “mínimas” nestas vias foram feitas no final do ano passado, mas, por conta da condição climática, as obras não prosseguiram.

Chuva forma erosão e dificulta transporte em estrada que interliga assentamentos.Chuva forma erosão e dificulta transporte em estrada que interliga assentamentos.

“Embaixo d’água é humanamente impossível fazer qualquer reparo. Já havíamos executado obras de cerca de dois quilômetros, mas a chuva dessa semana destruiu tudo”, explicou.

A prioridade de reparo na área é dar condições, pelo menos, para os ônibus trafegarem e transportarem os alunos, que estão sem aulas.

Gerson garante que, na sexta e sábado da semana passada, antes dos registros de chuva, equipes da secretaria de Infra-Estrutura iniciaram alguns reparos.

Além do barro que impossibilita o tráfego de veículos, os trechos têm problemas estruturais, como erosão.

No assentamento Jacadigo, por exemplo, o problema já era visto desde o início do ano.

Sem aulas - Cerca de 800 estudantes da zona rural em Corumbá estão sem aulas e vão continuar por tempo indeterminado por causa das fortes chuvas que atingem a região.

As aulas começaram no dia 4 de fevereiro, junto com as escolas urbanas, mas foram suspensas, em razão das condições ruins das estradas.

As escolas localizadas nos assentamentos Taquaral, Paiolzinho e Tamarineiro, respectivamente, iniciaram o ano letivo de 2011 no dia 04 de fevereiro junto com as escolas urbanas.

Após uma semana, as aulas tiveram que ser interrompidas por causa dos estragos provocados pela chuva nos trechos das linhas de ônibus que levam os estudantes até as unidades de ensino.




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions