A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016

30/05/2013 10:52

Morre índio ferido em confronto com a Polícia, outros três ficaram feridos

Aline dos Santos e Viviane Oliveira, de Sidrolândia
Família na entrada do hospital onde terena morreu na manhã de hoje. (Foto: João Garrigó)Família na entrada do hospital onde terena morreu na manhã de hoje. (Foto: João Garrigó)

Morreu um dos índios feridos na desocupação da fazenda Buriti, realizada hoje em Sidrolândia pela PF (Polícia Federal) e Cigcoe (Companhia Independente de Gerenciamento de Crises e Operações Especiais). A informação do óbito foi confirmada pelo hospital beneficente Dona Elmira Silvério Barbosa, para onde foram levados 4 terenas.

Veja Mais
Da área do conflito, índios dizem que vão resistir “até morrer” e acusam PF
“Ele levou um tiro no coração”, diz irmão de índio morto em confronto

A vítima é Oziel Gabriel, 35 anos. Ele era da aldeia Córrego de Meio e estava acampado na fazenda desde o dia 15. Segundo amigos, ele era estudante do Ensino Médio e foi até a área para reforçar a luta pela retomada das terras.

A família de Oziel está no hospital, inclusive a mãe, e diz que o índio foi baleado no peito. Quando o corpo foi colocado no carro da funerária, os índios gritaram palavras de ordem, chamando o terena de "guerreiro".

Os terena foram levados ao hospital em carros de terceiro e caminhonete da Sesai (Secretaria Especial de Saúde Indígena).

O avicultor Rodrigo Cunico, de 29 anos, passava de carro pela estrada e encontrou os feridos, inclusive Oziel. “Tinha um caído, com ferimento na barriga. Ele estava inconsciente”, relata.

Bastante nervoso, um indígena, que não quis se identificar, relatou que cerca de 50 policiais federais e da Cigcoe  chegaram às 6h da manhã. Ele relata que foram pegos de surpresa, pois aguardavam serem intimados da decisão por um oficial de justiça. Os índios resistiram e houve confronto.

A fazenda foi invadida pelos terenas em 15 de maio. No mesmo dia, saiu uma decisão para que os índios deixassem o local. Mas a reintegração não foi cumprida no dia 18 e a decisão acabou suspensa até ontem, quando foi realizada audiência na Justiça Federal. Sem acordo entre as partes, o juiz Ronaldo José da Silva determinou o cumprimento da reintegração de posse.

Os índios reivindicam 17 mil hectares da aldeia Buriti que estão na posse de fazendeiros e que foram identificados em 2011 como terra indígena. A imprensa não teve acesso à fazenda Buriti. Um bloqueio com oito policiais armados impediu a entrada dos jornalistas para acompanhar o despejo dos terenas.

 




Já que as terras são dos indios, nós que não somos descendentes de indios , " todas as raças" vamos embora para outros lugares e deixamos as terras para os indios produzirem, comecemos pela nossa presidente, pelo nosso governador de MS, e outros mais,, vamos desocupar o "Brazil" e deixar para os verdadeiros "donos"das terras, e com certeza vão levar quando morrerem.
 
ZEDECHIAS CRUCIOL em 31/05/2013 22:19:08
Só consigo pensar isso:

http://www.youtube.com/watch?v=GVs_SG-1bGM
 
Marcos Serres de Oliveira em 31/05/2013 20:38:22
Até onde as aulas de história do Brasil me ensinaram, o nosso país ao ser descoberto, só era habitado por indígenas, onde estavam os que hoje se consideram donos destas mesmas terras? Será que aprendi tudo errado?
 
Adelaide de paula rocha em 30/05/2013 21:50:18
A polícia fez o seu papel. A Cigcoe sempre esteve preparada e sabe como agir em cada tipo de situação, contando apenas com a sorte e a proteção, sem armas letai
 
Nathalia Watson em 30/05/2013 18:39:28
A polícia fez o seu papel. A Cigcoe sempre esteve preparada e sabe como agir em cada tipo de situação, contando apenas com a sorte e a proteção, sem armas letai
 
Nathalia Watson em 30/05/2013 18:37:51
Lamentamos a perda de um Guerreiro Indígena Terena, lamentamos a atitude dos policiais da esfera federal e CIGCOE. Somos guardiões das florestas, pantanal, preservamos a biodiversidade. Nós Povos Indígenas, defensores da natureza, flora, fauna. O Estado Brasileiro tem uma divida histórica desde a ocupação dos colonizadores nos territórios indígenas. Somos 70 (setenta mil indígenas de 07 etnias), calaram a voz de um guerreiro terena com assassinato. Esses policiais estão despreparados profissionalmente em defesa da sociedade, principalmente os povos indígenas sul- mato-grossense. Clamamos justiça, justiça. Vamos continuar a retomada de nossos territórios. Calaram um guerreiro. Só que eles esqueceram que vão te que calar 70 mil indígenas guerreiros em defesa dos direitos dos povos indígenas
 
Sebastião Terena. Coordenador Regional do PNI-MS, Partido Nacional Indígena em 30/05/2013 15:44:56
qual o metro de terra deste pais que não é dos índios, e qual o metro de terra hoje que estão sobre o controle dos fazendeiros que não foram tomados a custa de sangue, indignando, que o grande espirito de luz esteja com os grandes guerreiros.


 
marcos costa oliveira nukini em 30/05/2013 15:34:10
Hoje morreu um "índio", outro dia foi um "fazendeiro" e assim vai... penso que o governo federal deveria fazer uma "reforma agrária indigenista" e distribuir lotes de terra para esse povo que muitas vezes se diz indígena, mas que na realidade não vive e nunca viveu como tal...e aí aparece alguém pra dizer que as terras são deles - o que não é verdade, pois as terras sempre serão da União... e a polícia está de parabéns por ter cumprido a ordem judicial, se não tivessem os índios reagidos à ordem não teriam saído feridos e um morto!!
 
laercio souza em 30/05/2013 14:53:59
Parabéns a polícia, ordem judicial é para ser cumprida....
 
junior cezar em 30/05/2013 14:15:52
É muito fácil para uma pessoa que não conhece a realidade sair dizendo o que bem quer e criticar a policia por sua atuação.
Se acha que é simples assim "Que chegassem em paz, com um oficial de justiça, ou algo parecido" é porque você não conhece nem de longe a realidade do que está sendo tratado. Acredito que nunca deve ter pisado em uma aldeia, digo mais, não deve ter nem acompanhado noticias nos últimos anos a esse respeito.
Então não diga o que você não sabe.
Tudo isso é muito mais do que a sua caixa de sucrilhos e o seu activia te conta, não é o seu seriado de tv.
 
Mohamad Hangsen em 30/05/2013 13:57:03
Adriane lima r que vc não se voluntaria para mediar uma situação de conflito?? Talvez levando rosas brancas os invasores se comovam e deixem o local pacificamente. Nao se preocupe pois a questão indígena ainda não foi resolvida, outras invasões virão e você terá a chance se testar sua teoria. Alias a tensão no local e grande, vá para la e veja o que ambas as partes estão fazendo.
 
Alex Andre De Souza em 30/05/2013 13:47:08
art.288 "associarem-se mais de três pessoas, em quadrilha ou bando, para cometerem crimes": formação de quadrilha. Os índios invadiram propriedade alheia, destruíram bens alheio, resistiram a reintegração de posse, atiraram na PF...enfim, agora parece que morreu um, e vai aparecer um monte de gente dos "direitos humanos" pra defender praticante de conduta criminosa. Não vai aparecer um só que vai dizer que o índio teve culpa, porque índio é legal, índio é puro, índio é ingênuo, a velha visão estúpida de quem viveu assistindo desenhos tipo Pocahontas. Leiam de Hans Staden: DUAS VIAGENS AO BRASIL. Ali está o real ser do índio, e o melhor estudo antropológico já feito sobre o mesmo, não há mistério nenhum: O HOMEM SEM LIMITES. Basta de mimar índio FUNAI!
 
EMERSON GARCIA em 30/05/2013 13:46:44
Lamentável que o pensamento burguês ache mais importante a posse da terra do que a preservação da vida e do respeito a nossa cultura. Lei é lei, só gostaria de saber qual é a lei que permite matar alguém em nome propriedade privada, que sociedade mesquinha, hipócrita!
 
Auria Rafael em 30/05/2013 13:43:54
Infelizmente, nenhum purutuye por mais que seja estudado, nunca saberá o valor tradicional e cultural e importância da mãe terra. Não queremos terras para explorar economicamente como vocês fazem de forma capitalista. Os índio aqui já estavam quando os portugueses chegaram, tentaram de todas as formas acabar com a nossa gente, com a nossa cultura, felizmente, não conseguiram. A grande verdade é que o governo federal não está disposto a solucionar o problema, aliás, enquanto existir tais problemas, os políticos "terão mensagens" para suas campanhas. As eleições estão aí, 2014 vamos dar resposta merecida aos políticos corruptos que somente pensam neles. Vitukotimo deputado na ûty terenoe.
 
cezar francelino fialho em 30/05/2013 13:43:30
Tem que cumprir a lei. SENÃO vai virar bagunça
 
Mara souza em 30/05/2013 13:42:11
Se chega um índio (que nem silvícola é mais) e entra na sua casa dizendo que é terra indígena e que foi assim há 400 - 500 - 1000 anos, o que você faz? O que tem de pacífico na ação do mesmo? Até onde eu sei, das notícias que vejo, se um GUERREIRO (é o que mata e morre na guerra) tiver a chance de meter um facão em um Policial, ele definitivamente o faria. O que "supostamente" os policiais deveriam fazer mesmo? Bater nas costas e dizer para que eles fossem para outro lugar, sendo que todos já sabiam da decisão. Eles esperavam o confronto e acho que no MS tem terra para todos. Invadir não resolve, política sim.
 
Maykon Duarte em 30/05/2013 13:37:40
A Sra. Adriana ou não leu a matéria ou tem problemas de interpretação de texto, pois a decisão judicial de desocupação das terras saiu no mesmo dia da invasão e mesmo assim foram feitas negociações para evitar o confronto e em outra reunião com o poder judiciário não houve acordo e o juiz de direito determinou a reintegração de posse, A ordem cumprida, foi legal e mesmo assim houve resistência é fácil atribuir a responsabilidade da violência a Polícia e não a quem resistiu ao cumprimento da lei.
 
Airton Santos em 30/05/2013 13:30:17
Que se preparem as autoridades de MS, pois esta morte vai repercutir muito mal.....
 
CARLOS CRUZ em 30/05/2013 13:30:08
Até parece que os fazendeiros chegaram a estas terras primeiro que os indios, foram eles que deixaram as inscrições e vestigio na região. É claro que o poder público é formado pela classe dominante, fazendeiros e por isso que matar um indio é coisa normal, e agora o melhor a fazer é jogar a culpa no mais fraco. Vergonhosa a nossa Assembléia que só se sensibiliza com os grileiros, queriam até fazer greve.
 
everton de souza em 30/05/2013 13:26:52
Eu fico muito triste pela forma com que os índios são tratados em nosso país, como se não fossem humanos, como se fossem uma subespécie, para os que criticam as atitudes dos índios de lutarem e brigarem pelo o que é deles de direito, eu simplesmente digo que deveríamos aprender com eles, pois se o povo brasileiro tivesse a dignidade e a vontade de lutar pela melhora do nosso país como os índios fazem com as terras deles tudo seria diferente, aí sim o dizer que esta escrito na nossa bandeira nacional que diz Ordem e Progresso faria algum sentido !!!
 
Elias jorge em 30/05/2013 13:01:58
parabéns PF e CIGCOE!
 
jorge mendes em 30/05/2013 11:50:03
Lamentavel! Mas os culpados sao FUNAI e o CIMI que incentivam os indios a invandirem Fazendas, fazendo-os crer que as terras sao deles e resistirem as ordens judiciais de reintegraçoes de posse. Essas terras ja foram reconhecidas pelo TRF da 3a regiao como nao indigena decisao essa dada em 21 de junho de 2012.
 
getulia soares em 30/05/2013 11:43:28
Quando é assim a Cigcoe já chegou atirando. Atiram , largam os feridos pela estrada, não prestam socorro,tratam como se fossem bichos.Até animais são socorridos, mas não, é índio! Deixa morrer morrer mesmo. indignada com tanta brutalidade.Que chegassem em paz, com um oficial de justiça, ou algo parecido, mas não, prevalece aquele que tem uma arma na mão.Indignada!!!!!!
 
Adriana Lima em 30/05/2013 11:21:54
não sou a favor dos indios nem de fazendeiros, mas sou a favor da lei,lei é pra ser cumprida ponto final..
 
antonio conceiçao da silva em 30/05/2013 11:00:22
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions