A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 29 de Setembro de 2016

03/04/2016 11:58

Celulose volta ao auge, contrata 700 pessoas e revive economia de cidade

Mariana Rodrigues
Construção Civil ainda é um dos setores que mais contrata. (Foto: Correio de Três Lagoas)Construção Civil ainda é um dos setores que mais contrata. (Foto: Correio de Três Lagoas)

A duplicação de duas fábricas de celulose em Três Lagoas, município 338 quilômetros a leste de Campo Grande, voltou a movimentar a economia do município, refletindo na geração de renda e aumento da oferta de empregos. Ao todo, as duas empresas juntas já somam mais de 700 contratações, com perspectiva de aumentar esse número em 2017.

Veja Mais
Fábrica de MS produz 5.420 toneladas de celulose no dia e atinge novo recorde
Vagas na construção civil aumentam, mas outros setores ainda preocupam

O município de Três Lagoas passou por momentos difíceis em 2014, quando a Petrobras rescindiu contrato com consórcio responsável pela construção da UFN 3 (Unidade de Fertilizantes Nitrogenados). Nesse período muita gente ficou desempregada e os fornecedores acabaram ficando sem receber devido ao bloqueio de bens da empresa.

Dois anos depois, a cidade já começa a se reerguer e gerar empregos. Segundo dados do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), Três Lagoas é o segundo município do Estado na geração de emprego em fevereiro, com saldo de 120 vagas abertas.

Devido ao avanço da construção da nova linha de produção de celulose da Fibria, a empresa brasileira na produção de celulose de eucalipto, ampliou sua base de funcionários. Só na área de Silvicultura, a empresa contratou mais de 400 pessoas, entre julho e dezembro de 2015, para atuar diretamente na formação de florestas visando atender a demanda do Projeto Horizonte 2.

Um dos exemplos dessas contratações é a engenheira civil Fabiana Lisboa, que mora em Três Lagoas há seis anos. Ela ficou desempregada por mais de um ano, mesmo com experiência e formação. "Senti os efeitos da crise econômica antes de ser contratada pela Fibria. Eu e minha família chegamos a investir em outras áreas", diz.

Fabiana Lisboa, chegou a ficar mais de um ano desempregada. (Foto: Divulgação/Fibria)Fabiana Lisboa, chegou a ficar mais de um ano desempregada. (Foto: Divulgação/Fibria)

Inicialmente, a contratação envolveu profissionais de Três Lagoas e das cidades de Brasilândia e Água Clara. Porém a expectativa é de que novas contratações ocorram ao longo deste ano. De acordo com o gerente geral Florestal da Fibria em MS, Tomás Balistiero, o início das operações da nova linha de celulose, previsto para o último trimestre de 2017 deve sustentar os trabalhos. “Aumentaremos significativamente o nosso volume de operações e vamos mobilizar mais pessoas dentro da Silvicultura para essa finalidade”.

De acordo com a Eldorado Brasil cerca de 350 funcionários foram contratados por empresas parceiras e estão trabalhando nas obras de infraestrutura do Projeto Vanguarda 2.0. No pico da construção, que deve acontecer no final de 2017, estima-se a presença de cerca de 10 mil trabalhadores.

Expectativa - Quem está comemorando essa nova fase são os empresários da região. Marcos Antônio Gomes Júnior, 27 anos, é proprietário do hotel Tokyoin, localizado na rua Filinto Muller, ele afirma que o momento já é de melhora, mas a expectativa é que a geração de emprego e renda volte ao normal no meio do ano. "Os preços das diárias, na época em que a UFN 3 fechou estagnaram. Hoje já conseguimos aumentar em 15% os valores das diárias, até mesmo devido a procura que tem crescido".

Marcos acrescenta ainda que Três Lagoas está em uma situação diferente se comparado ao resto do país. "Em outros lugares a economia está retrocedendo, e aqui não há dois anos grandes hotéis na cidade estavam fechando e hoje desistiram da venda".

Capacitação - A Fibria, em parceria com o Senai, está qualificando 100 pessoas, todas moradoras de Três Lagoas. Desse total, 60% serão admitidos no projeto em vagas que exigem qualificação específica.

Essas pessoas vão ocupar vagas que exigem qualificação específica ao invés de abrir captações externas. Dessa forma, o mercado local terá a inserção de mão de obra qualificada para assumir demandas que exijam conhecimentos específicos.

Os profissionais selecionados para as 100 vagas firmaram um contrato de estágio durante todo o período de estudo, em que recebem benefícios como bolsa-auxílio, assistência médica, seguro de vida, transporte para as atividades práticas na Fibria e almoço.




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions