ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MAIO, SEGUNDA  27    CAMPO GRANDE 12º

Artigos

16 anos da Lei Maria da Penha

Ela Wiecko Volkmer de Castilho (*) | 02/09/2022 13:30

O que poderia ser feito para a lei ser mais respeitada?

Esta foi uma das perguntas feitas por estudantes do Centro de Ensino Fundamental 04 de Planaltina, em visita feita, na última sexta-feira, ao campus Darcy Ribeiro. Eram estudantes entre 14 e 16 anos.

Foi interessante constatar que, sendo ainda adolescentes, possuíam algum conhecimento sobre a Lei Maria da Penha e que a maioria das perguntas circundava o problema de falta de efetividade da lei, dado que as agressões às mulheres continuam a ser praticadas e muitas mulheres são mortas por seus parceiros ou ex-parceiros, mesmo tendo medidas protetivas concedidas.

A constatação, ainda que em um pequeno grupo, diz muita coisa. Sentados à minha frente não havia o lado dos garotos e o lado das garotas, nem do ponto de vista físico, nem do ponto de vista das ideias expressadas. De modo que os comentários e as perguntas me passaram a impressão de que a violência incidente sobre as mulheres pelo fato de serem mulheres é percebida tanto pelas garotas quanto pelos garotos. Elas e eles se preocupam sobre o que pode ser feito para a lei ser mais respeitada.

Na condição de integrante do Consórcio Lei Maria da Penha pelo Enfrentamento de Todas as Formas de Violência de Gênero contra as Mulheres, desde 2002, avalio a percepção desses/as adolescentes, como um resultado da mobilização feminista no final dos anos 1990, de denúncia da violência, em especial no âmbito da vida privada. Já em 1994, a Convenção de Belém do Pará, chamava atenção para a violência contra as mulheres em todos os espaços, o que só agora parece estar sendo reconhecida no debate em curso sobre violência política.

A mobilização dos feminismos e das mulheres no Brasil possibilitou a criação de uma lei de enfrentamento à violência de gênero no âmbito doméstico e familiar e trouxe à discussão pública a desigualdade de gênero e a injustiça da inferiorização das mulheres. Não é mais possível ignorar a desigualdade, ocultá-la ou negá-la. O bastião do patriarcado foi abalado.

Contudo, ainda continua em pé, sofre reformas e se reinventa, no esforço de manter o padrão de submissão das mulheres à vontade e aos interesses dos homens. Perceber jovens mulheres e homens pensando igualdade de gênero, mesmo que nas escolas o esforço conservador crie entraves ao debate do tema, fortalece a esperança de que uma outra sociedade é possível.

A  resposta para o que pode ser feito para que mulheres e meninas usufruam dos ”direitos à vida, à segurança, à saúde, à alimentação, à educação, à cultura, à moradia, ao acesso à justiça, ao esporte, ao lazer, ao trabalho, à cidadania, à liberdade, à dignidade, ao respeito e à convivência familiar e comunitária” (art. 3º)  é dada pela própria Lei Maria da Penha, quando diz que “cabe à família, à sociedade ao poder público criar as condições necessárias para o efetivo exercício dos direitos” antes enunciados (art. 3º, § 2º).

Todos/as nós, seja no plano individual, familiar, coletivo, ou nas instituições que constituem o Estado precisamos assumir o compromisso de estabelecer a participação plena das mulheres e em igualdade de condições no processo de tomada de decisões econômicas, sociais, culturais e políticas. Esse compromisso, apontado na Plataforma de Ação da IV Conferência Mundial sobre a Mulher (Pequim, 1995) exige empenho contínuo e de longo prazo, a fim de que se transforme a ainda prevalente relação desigual entre homens e mulheres.

No 16º aniversário da Lei Maria da Penha registro que ela não é uma lei direcionada apenas ao sistema de justiça e de segurança pública ou de natureza repressiva. Ela orienta para uma política pública de prevenção, mediante um conjunto articulado de ações da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios e de ações não governamentais. Uma das diretrizes assinaladas é a promoção de programas educacionais que disseminem valores éticos de irrestrito respeito à dignidade da pessoa humana com a perspectiva de gênero e de raça ou etnia (art. 8º, VIII). Nessa atividade, a Universidade de Brasília pode e deve tomar a dianteira, por sua Secretaria de Direitos Humanos e pela Câmara de Direitos Humanos do Conselho Universitário.

(*) Ela Wiecko Volkmer de Castilho é professora da Faculdade de Direito da Universidade de Brasília.

Nos siga no Google Notícias