A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 28 de Fevereiro de 2017

27/12/2010 08:14

2010: Da recuperação para o crescimento acelerado?

Por José Luis Oreiro (*)

O ano de 2010 ficará para a história do Brasil como um dos momentos de maior crescimento do PIB nos últimos 30 anos.

Após amargar uma contração de 0,2% no PIB em 2009, devido aos efeitos da crise financeira internacional e da relutância irracional do Banco Central em reduzir os juros num contexto de queda catastrófica do nível de atividade econômica no último trimestre de 2008, a economia brasileira deverá experimentar um crescimento de 7,5% no ano de 2010.

Essa performance invejável do PIB vem acompanhada pela redução da taxa de desemprego para cerca de 6% da força de trabalho, o menor nível da série histórica, o que para alguns já sinaliza que a economia brasileira opera próxima ao “pleno-emprego”.

No apagar das luzes do governo Lula, finalmente se apresenta o tão prometido “espetáculo do crescimento”. Mas será que essa aceleração do crescimento é sustentável ou o Brasil irá vivenciar, mais uma vez, o clássico stop-and-go que marcou a trajetória da nossa economia desde o final da década de 1970?

Uma análise mais cuidadosa e menos ufanista da situação da economia brasileira nos leva a ser bastante céticos a respeito da capacidade do Brasil em sustentar um ritmo acelerado de crescimento a médio-prazo.

O crescimento acelerado de 2010 foi, em larga medida, viabilizado pela capacidade ociosa gerada pela queda catastrófica da produção industrial no último trimestre de 2008 e pela semi-estagnação da mesma no primeiro trimestre de 2009.

Nesse contexto, a forte expansão fiscal contratada em 2008 por intermédio do aumento dos salários dos funcionários públicos conjugada com a elevada expansão do crédito por parte dos bancos públicos (BNDES, Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal) em 2009, permitiu uma expansão acelerada da demanda agregada a partir do segundo semestre de 2009, induzindo assim um ciclo de recuperação do nível de renda e de emprego pela simples ocupação de capacidade produtiva ociosa.

O problema é que a capacidade ociosa está rapidamente chegando ao fim, o que começa a gerar pressões inflacionárias em diversos setores da atividade econômica.

Devido a permanência de uma elevada taxa real de juros, câmbio apreciado e baixo investimento público em infraestrutura, a formação bruta de capital fixo como proporção do PIB se mantem ainda em torno de 18%, nível insuficiente para viabilizar uma expansão da capacidade produtiva ao ritmo pretendido pelo governo de 5,5% ao ano.

Dessa forma, as pressões inflacionárias só poderão ser debeladas pelo método tradicional de elevação da taxa básica de juros para conter a expansão da demanda agregada. O ano de 2011 deverá começar, portanto, com um novo ciclo de elevação da Selic, restabelecendo-se assim o velho padrão stop-and-go que marcou a economia brasileira nos últimos 30 anos.

O crescimento sustentado a taxas robustas só poderá ser obtido quando o governo mudar o modelo macroeconômico vigente no Brasil de maneira a viabilizar uma redução sustentada da taxa real de juros, a obtenção de uma taxa de câmbio competitiva e um nível robusto de investimento do setor público.

(*) José Luis Oreiro é professor do Departamento de Economia da Universidade de Brasília. Doutor em Economia da Indústria e da Tecnologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro e mestre em Economia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Publicou cerca de 50 artigos em revistas científicas no Brasil e no exterior e é co-organizador dos livros Agenda Brasil: políticas econômicas para o crescimento com estabilidade de preços (Monole) e Sistema Financeiro: uma análise do setor bancário brasileiro (Campus).

A bolha da saúde brasileira está prestes a explodir
A crise econômica e o crescente índice de desemprego da população brasileira refletiram diretamente no setor da saúde. Recente estudo revelou que mai...
Marchinhas do coração
Sei que existem as marchinhas preferidas do coração. São as do passado ou do presente, mas não é delas que quero falar, e, sim, do sofrido coração br...
Reforma da Previdência: aprofundando o deserto na vida dos trabalhadores
O cinema enquanto “sétima arte” muitas vezes busca retratar realidades cotidianas na telona. Não foi diferente o filme “Eu, Daniel Blake”, ganhador d...
O dilema das prisões brasileiras
No último mês de janeiro assistimos, estarrecidos, às rebeliões nos presídios de Manaus, Boa Vista e Natal. As cenas de corpos sem cabeças chocaram a...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions