A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 19 de Outubro de 2017

28/01/2015 13:20

A magia do chamamé de Mato Grosso do Sul

Por Gilson Cavalcanti Ricci (*)

O chamamé nasceu em Corrientes, Argentina, em pleno fulgor da Bela Época. Chegou ao sul do antigo Mato Grosso na primeira metade do século XX, trazido pelos imigrantes correntinos e paraguaios que aqui chegavam atraídos por trabalho nas atividades agropecuárias. Logo conquistou o agrado do povo, quando os sanfoneiros vibravam a sanfona nas churrascadas e festas populares. Em Campo Grande, não tardou a se formarem conjuntos típicos e, com a chegada do rádio na cidade, intensificou-se a difusão desse hino à vida, que é o chamamé. Não tardou que entusiastas formassem grupos de intérpretes em várias cidades sul-mato-grossense, mormente em Campo Grande, onde a paixão pelo chamamé vibrava na alma do povo. Tanto, que nas décadas de trinta e quarenta, nos domingos, os chamamezeiros se reuniam na pracinha do Portão de Ferro, no Bairro Amambaí, para tocar chamamé perante a numerosa plateia que se juntava no local logo após a corrida de cavalos na raia da Reta de Ponta Porã, hoje Avenida Bandeirantes.

Atualmente, o chamamé arraigou-se no seio da população do MS, a ponto de competir em pé de igualdade com o chamamé de Corrientes, isto dito pelos próprios correntinos que nos visitam com frequência. Prova disto é o grande sucesso dos nossos músicos nos festivais de chamamé de Corrientes e cidades limítrofes. Recentemente, estive em Puerto Tirol, na província do Chaco, onde foi realizado o 11º Festival del Chamame. Saímos de Campo Grande em excursão promovida por Taveira Júnior, cujo percurso foi feito com muita alegria em excelente ônibus fretado. A única ocorrência negativa foi perpetrada por agentes alfandegários argentinos, que demonstraram incapacidade profissional – ou aversão aos brasileiros -, ao reterem nosso ônibus na aduana durante mais de seis horas consecutivas, sem causa aparente.

O festival em si foi uma apoteose, destacando-se a boa organização do evento, e a excelente educação do público. Nossos intérpretes alcançaram grande sucesso em suas apresentações. Na segunda noite, Davi Júnior, de Campo Grande, levantou o público ao executar no bandoneom chamamés atuais e tradicionais. Na terceira noite, Dom Ramon, de Rio Brilhante, mostrou ao público a magia do chamamé de Mato Grosso do Sul, tocando magistralmente ao acordeão Mi Ranchito, cantando seus versos em português; também, tocou e cantou o rasqueado “Prazer de Fazendeiro”, fazendo o público vibrar ao compasso da estrofe “lenço branco no pescoço, trinta e oito niquelado”. Roaldo, filho de D. Ramon, e Rodrigão, também ao acordeão, coadjuvaram eficazmente com o brilho da magistral apresentação de Don Ramon. Realmente, as apresentações dos nossos artistas nos causaram forte emoção, e sobretudo orgulho, por elevarem bem alto o nome do Brasil e de Mato Grosso do Sul na pátria do chamamé.

Nessa mesma noite, apresentou-se a célebre cantora correntina Gicela Mendez, visivelmente entusiasmada pela apresentação de gala dos nossos intérpretes. Homenageou o Mato Grosso do Sul, cantando em português tradicionais rasqueados do antigo Mato Grosso. Finalmente, observamos o apreço dos argentinos em adotar o nome da rua onde está instalado o Parque Festival Del Chamamne: Calle Campo Grande - uma bela homenagem que muito nos lisonjeia!

(*) Gilson Cavalcanti Ricci, advogado

Da hora, tio!
Confesso que estou com saudade dos tempos já vividos. Dos tempos em que às oito da matina as crianças já estavam na escola desde às sete e Marta e eu...
Automação não é só para call center
A automação de atividades tem sido bastante discutida nas empresas e na imprensa, mas por um viés “negativo”: a substituição dos homens pelas máquina...
Por onde começar quando se deseja mudar de carreira
Quero mudar de carreira, como escolho? Essa pergunta é mais comum do que imaginamos. Eu mesmo já passei por isto mais de uma vez, seja por não estar ...
De que maneira o setor de energia elétrica no Brasil sairá afetado pela crise?
Após uma seca severa que atingiu a geração de energia hidrelétrica e que forçou o País a recorrer para fontes de energia térmica, as chuvas voltaram ...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions