ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, QUARTA  21    CAMPO GRANDE 22º

Artigos

A questão do dinheiro

Por Benedicto Ismael Camargo Dutra(*) | 05/12/2023 13:30

O dinheiro não é a riqueza propriamente; é poder de compra que geralmente perde valor com a inflação, sendo corroído por ter sido criado sem disciplina de forma constante. Pode ser um papel no bolso ou dígitos na conta bancária. Normalmente o dinheiro grosso tem ficado em poucas mãos que não o deixam parado no bolso, mas o fazem se multiplicar com juros ou negócios. Tomemos a Argentina como exemplo; lá um peso argentino chegou a valer um dólar americano, mas hoje são necessários quase mil pesos para obter um dólar.

O drama se tornou gigantesco e atualmente é preciso buscar soluções plausíveis, pois a estrutura do sistema de produção foi alterada e não se pensou que isso provocaria inimaginável miséria com um terço da população sem condições. Muitas pessoas dispõem de pouco dinheiro e precisam dele para adquirir os bens essenciais, sobrando pouco para poupar e investir em bens duradouros.

Trata-se de um problema antigo que se agrava com a perda da capacidade de alcançar a autossubsistência numa região que no passado adotou trabalho escravo, e na qual a renda permaneceu insuficiente para o mínimo. Nada foi feito para dar à população o preparo adequado para um viver condizente com a espécie humana.

Com a criação do dinheiro e das moedas soberanas, houve um estrago geral; estão todos endividados, só o dólar recebeu um tratamento especial para ser a moeda mundial, mas esse também apresenta fraturas criadas por abusos dos homens que controlam a criação de dinheiro. Agora a Argentina poderá experimentar algo novo, mas qual será o resultado do projeto de dolarização? Quem deve em pesos, como vai pagar seus compromissos? Como as empresas e o Estado pagarão os funcionários? Há muitas dúvidas nessa tentativa de milagre monetário.

A China replicou em larga escala o que era praticado pelos bancos ocidentais. E os governantes de várias nações foram displicentes não levando em consideração a autonomia de seus respectivos países, endividando-os de forma perigosa. Segundo relatos divulgados pela imprensa, mais de US$1,3 trilhão (cerca de R$6,3 trilhões) em empréstimos foram concedidos ao longo da última década para financiar a construção de pontes, portos e rodovias em países de baixa e média renda.

Cobiças por dinheiro e poder geraram muitos conflitos. A humanidade desalmada sempre deu espaço para a guerra, gente matando gente. Hoje isso é mostrado amplamente nas TVs. Os recursos naturais foram distribuídos pelo planeta, mas acabaram se concentrando em poucas mãos que acumularam a riqueza, quando deveriam ter propiciado benfeitorias nas regiões de onde a riqueza procedeu. O resultado é miséria, caos e ignorância espalhados pelo mundo, enquanto milionários procuram refúgios especiais para viverem tranquilamente.

As novas gerações estão sendo lançadas na vida adulta antes de estarem prontas, mas logo sobrevém o descontentamento e o cansaço. Manipuladas desde cedo, não fortalecem o bom senso. Lamentáveis foram os acontecimentos no recente show da cantora Taylor Swift no Rio de Janeiro, assim como a selvageria das torcidas no Maracanã durante o jogo Brasil e Argentina. São vergonhosas as imagens de uma nação governada por interesses econômicos e políticos que permitiram que a massa fosse arrastada para a perda do bom senso. Mas já estão começando os preparativos, induzindo o povo para as farras do carnaval, incentivando os exageros e a perda de uma conduta normal. Sem futuro, as novas gerações poderão se tornar fracas antes mesmo de cumprirem o seu papel na vida.

Os jovens têm de entender que não devem ficar esperando que outras pessoas ou o Estado resolvam os seus problemas. Devem buscar independência com força de vontade para aprender todo o necessário para um viver condigno. O ambiente psicossocial tem de favorecer o bom preparo das novas gerações para a vida e o trabalho. Se a população em geral e seus líderes tivessem o firme propósito de que a nossa vida se destina ao aprimoramento da espécie humana, sem prepotência ou tirania, mas buscando o saber das leis da Criação, por certo teríamos evoluído em paz na Terra sob o império da boa vontade.

(*) Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP..

Nos siga no Google Notícias