A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 22 de Outubro de 2017

28/05/2013 07:30

A única resposta possível à fome: torná-la prioridade

Por José Graziano da Silva

No ano 2000, os países membros das Nações Unidas se comprometeram a criar ‘um mundo mais pacífico, próspero e justo’ e a ‘liberar homens, mulheres e crianças das condições lamentáveis e desumanas da extrema pobreza’. Os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio estabeleceram metas claras e foram fundamentais na hora de juntar esforços e impulsionar o desenvolvimento em muitos países.

Não é por acaso que o primeiro destes objetivos tenha como meta reduzir pela metade a proporção de pessoas que passam fome e vivem em pobreza extrema no mundo em 2015. Derrotar a fome e a pobreza extrema é um requisito indispensável para alcançar os demais objetivos.

A boa notícia é que foram feitos progressos. Até a data de hoje, pelo menos 35 países já alcançaram esta meta. Entre eles, 17 países alcançaram inclusive um objetivo ainda mais ambicioso de reduzir a metade o numero total de pessoas subnutridas, fixado na Conferencia Mundial de Alimentação organizada pela FAO em 1996, incluindo Cuba, Guiana, Nicarágua, Peru, São Vicente e Granadinas e Venezuela.

Contudo, não devemos esquecer que alcançando a meta de reduzir pela metade o número de pessoas que passam fome, a outra metade continuaria sofrendo. O que dizer a esta metade?

Ainda existem cerca de 870 milhões de pessoas que passam fome, 49 milhões delas na América Latina e Caribe. Nosso objetivo deve ser garantir a segurança alimentar para todos, alinhado a estratégia da Iniciativa América Latina e Caribe Sem Fome 2025.

Para alcançar este objetivo necessitamos de um enfoque integral, vinculando âmbitos produtivo e social, e que responda as causas atuais de fome. Diferente de quando a FAO foi criada em 1945, a insegurança alimentar não é hoje um tema de produção – existem alimentos suficientes no mundo – mas de acesso: na maioria dos casos, as pessoas simplesmente não têm renda para comprar os alimentos que necessitam ou os recursos para produzir o que necessitam consumir.

Paradoxalmente, 70% das pessoas em situação de fome e pobreza extrema vivem em zonas rurais e muitas delas são agricultores de subsistência. Se conseguirmos que estes campesinos incrementem sua produtividade, podemos conseguir que alimentem não somente suas famílias, mas também suas comunidades locais.

E como vários países da América Latina e do Caribe estão comprovando, quando vinculamos a agricultura familiar com os programas de proteção social como a alimentação escolar ou as transferências condicionadas, podemos ter resultados ainda mais positivos ao melhorar a dieta das crianças e dinamizar as economias locais.

Estamos a menos de mil dias do prazo para alcançar os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio. É o momento para um impulso final que nos levará também em direção ao objetivo mais ambicioso e necessário: erradicar a fome.

Esta deve ser uma decisão tomada por toda a sociedade, ao mesmo tempo em que garante a segurança alimentar, que é um dever do Estado. O direito à alimentação é um direito humano fundamental, e não um ato de assistencialismo.

Cada vez mais países veem a luta contra a fome a partir dessa perspectiva de direitos humanos, o que facilitará nosso caminho. Ficou claro no processo de consultas organizado pelos governos da Colômbia e Espanha – com o apoio da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO) e o Programa Mundial de Alimentos (PMA) – para ajudar a definir os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável que entrarão em vigor em 2015.

Somos também a primeira geração que pode eliminar a fome no mundo. Vamos mostrar que nós também queremos fazê-lo.

(*) José Graziano da Silva é diretor geral da FAO.

Um bom texto vai muito além do simples ato de escrever frases
Todos os dias entramos em contato com diferentes textos. Jornais, revistas, poesia, bulas de remédios e propagandas fazem parte da rotina. Nossa escr...
O desafio de ensinar matemática
No mundo atual, com tanta tecnologia e diversão, como fazer um pré-adolescente, de 12 ou 13 anos de idade, acostumado com computadores, celulares e v...
O futuro do 42º porto do mundo
Embora seja o maior da América Latina e o 42º no ranking mundial divulgado há poucos dias pelo Lloyd´s List Maritime Intelligence, de Londres, o port...
O direito a desconexão do trabalho
Trabalho é meio de vida e não meio de morte. Essa afirmação confronta a realidade de milhões de profissionais brasileiros que são obrigados a enfrent...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions