A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 21 de Junho de 2018

21/08/2013 07:58

Abertura de oportunidades

Luiz Gonzaga Bertelli (*)

Apesar de os índices de desemprego terem caído para um nível de quase pleno emprego – com taxas em torno de 6% – existe uma parcela problemática de jovens que não se enquadram nessas estatísticas. Os números são alarmantes. De acordo com um estudo do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (Ibre-FGV), cerca de 1,5 milhão de brasileiros entre 19 e 24 anos, concentrados em sua maioria, nas faixas mais pobres da população, nem trabalham, nem estudam e nem procuram emprego. Eles possuem baixa escolarização e, por consequência, deficiência na qualificação para a busca de boas oportunidades.

A incapacidade de serem sustentados pela família pode jogá-los no mundo perverso da criminalidade, aumentando assim a incidência de violência urbana. Os dados são ainda mais preocupantes quando se somam, a esse contingente, donas de casa e mulheres com filhos, o que totalizaria uma população de quase quatro milhões de pessoas.

Uma das soluções para evitar o crescimento dessa geração chamada nem-nem-nem é um trabalho sistemático nas áreas de vulnerabilidade social para dar condições aos jovens de não abandonarem a escola. Ao longo de 49 anos de existência e com a função de facilitar a inserção de jovens no mercado de trabalho, o CIEE acredita que um bom método seja o investimento no estágio e nos programas de aprendizagem – que proporcionam a formação profissional do jovem. A remuneração, por meio de bolsa-auxílio ou salário, ajuda a melhorar as condições para a continuidade dos estudos e auxilia no orçamento familiar.

O trabalho do CIEE vem surtindo efeito na periferia de São Paulo. Só no último mês, nove mil atendimentos foram realizados nos Centros Unificados de Educação (CEUs), localizados em bairros de alta vulnerabilidade social. Nos postos volantes montados pela instituição, muitos jovens foram encaminhados para entrevistas de estágio e aprendizagem e já estão atuando em suas novas funções.

A ação social terá continuidade neste mês. Já estão marcados os novos atendimentos do CIEE no CEU Jambeiro, em Guaianases, no dia 24 de agosto, e no CEU Guarapiranga, no Jardim Ângela, no dia 29. Em 3 de setembro, o CIEE estará no CEU Vila Atlântica, no Jardim Nardini, região do Jaraguá. Nesses postos, os jovens poderão se cadastrar para vagas de estágio e aprendizagem, fazer provas de processos seletivos e ser encaminhados para entrevistas, entre outros serviços.

(*) Luiz Gonzaga Bertelli é presidente Executivo do Centro de Integração Empresa-Escola (CIEE), da Academia Paulista de História (APH) e diretor da Fiesp.

Universidade pública e fundos de investimento
  A universidade pública não é gratuita, mas mantida pelos recursos dos cidadãos. E por que a Constituição brasileira escolheu determinar esse tipo d...
Uma nobre atitude de cidadania e espiritualidade
A solidariedade é intrínseca à condição humana, um dever moral que vai além da dimensão religiosa, pois todos somos gregários e frágeis. A bondade é ...
Servidor público da Previdência Social
Os servidores da Previdência Social, em especial aqueles que trabalham no INSS, estão totalmente sem norte, em virtude das mudanças políticas promovi...
A receita da sorte
Somos seres dependentes da repetição. Desde nossos processos biológicos à necessidade de se estipular uma rotina mínima para que a civilização funcio...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions