A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 28 de Fevereiro de 2017

09/10/2011 07:05

Brasil ‘anobelado’

Hélder Caldeira (*)

Nos últimos dias, o mundo conheceu os nomes dos laureados com o Prêmio Nobel de 2011. Mais uma vez, desde que foi instituído em 1901, não há nenhum brasileiro destacado entre os vencedores. Ainda que a premiação concedida pelos comitês e institutos escandinavos sirva apenas como um parâmetro relativo de análise, seus resultados são emblemáticos. E a ausência deles, no caso do Brasil. De que adianta a presidente Dilma Rousseff pretender dar lições de condução econômica aos europeus e norte-americanos quando, em terras brasileiras, há uma carência extrema de investimentos básicos em educação, saúde, ciências, tecnologia e cultura? É nesse sentido que a análise dos números do Nobel pode servir como prisma do que esperamos, em amplo aspecto, em termos de desenvolvimento.

Por óbvio, sobram críticas à categoria mais conhecida da premiação, que é o Nobel da Paz. Em especial por alguns duvidosos galardoados na última década, como o presidente Barack Obama em 2009 e a Agência Internacional de Energia Atômica em 2005 (prêmio dividido com seu então diretor-geral, o egípcio Mohamed ElBaradei). Mas, em geral, os prêmios de Física, Química, Medicina e Literatura são justíssimos, concedidos a titulares de pesquisas importantes, profissionais técnicos e acadêmicos pioneiros e cidadãos que deram destacada contribuição à sociedade.

Considerando o panorama mundial, em 110 anos de existência do prêmio, o Brasil foi literalmente massacrado no ranking. Enquanto os brasileiros jamais tiveram um trabalho ou obra reconhecidos e dignos da honraria, países que primam nos investimentos em educação, pesquisas científicas, inovações tecnológicas e cultura despontam às centenas. É o caso dos EUA, por exemplo, com 331 vencedores do Nobel. Em segundo lugar está o Reino Unido com 116, seguido pela Alemanha, com 102 premiados. A França já conquistou 58. Nossa pátria-mãe, Portugal, ganhou quatro, sendo três deles muito recentes, com especial destaque para o Nobel de Literatura de 1998, conferido ao genial e saudoso escritor José Saramago.

Se não quisermos tomar como base as potências em crise do hemisfério norte, basta um rápido olhar para nossos vizinhos na América do Sul. A Argentina é líder continental, contabilizando cinco premiados: um Nobel de Química (1970), dois de Medicina (1947 e 1984) e dois da Paz (1936 e 1980). O Nobel de Literatura já desembarcou duas vezes no Chile: o primeiro para Gabriela Mistral (1945) e depois para Pablo Neruda (1971). A literatura também rendeu os merecidos louros para o colombiano Gabriel García Márquez (1982) e, no ano passado, para o escritor peruano Mario Vargas Llosa (2010). E ainda temos o venezuelano Baruj Benacerraf (1980) reluzindo entre os vencedores do Nobel de Medicina.

É fato que o Brasil tem nomes à altura da premiação. Bem poderia levar um Nobel de Medicina o médico e cientista Miguel Nicolelis. Brasileiros da estatura de Jorge Amado, Guimarães Rosa e Rachel de Queiroz poderiam tranquilamente ter erguido um Nobel de Literatura. O escritor Paulo Coelho, um dos homens mais lidos no mundo, que os arrogantes gostam de criticar e os presunçosos criticam sem ler, tem sua obra como extraordinário argumento de coroação. A falecida pediatra e sanitarista Zilda Arns e sua Pastoral da Criança foram cinco vezes indicadas ao Nobel da Paz. Até o ex-presidente Lula chegou à lista, por seus pseudoesforços internacionais no combate à fome. Nunca ganhamos. Nunca chegamos lá! Os rankings que lideramos são bem outros: o da violência; da corrupção, do tráfico de drogas e armas, dos portos, aeroportos e estradas mais precários; e tantos outros nesse nível. Triste assim.

Como no país das grandes competições que não levam a lugar nenhum, como o carnaval e futebol, ser preterido ou derrotado é sinônimo imediato de desdenho, certamente virão perguntas do tipo “quem julga isso?”, ou “a quem interessa esses rankings?” ou, ainda e pior, “por que desejar ganhar um Nobel?”. São questionamentos importantes, mas, com isso, desvia-se o foco do debate capaz de revelar que o Brasil, além do câncer da corrupção que aniquila a política enquanto ciência fundamental, investe muito mal sua riqueza, dilapida seu patrimônio e não projeta, com mínima seriedade, seu desenvolvimento enquanto nação democrática e liderança regional. A ausência histórica de um Prêmio Nobel desvela nossa situação mazelar. Mas é sempre muito mais fácil culpar o tapete pelo lixo que lhe é jogado embaixo. E seguimos sambando e batendo uma bolinha. Um Brasil “anobelado”.

() Escritor, Jornalista Político, Palestrante e Conferencista

www.heldercaldeira.com.br – helder@heldercaldeira.com.br

Autor do livro “A 1ª PRESIDENTA”, primeira obra publicada no Brasil com a análise da trajetória da presidente Dilma Rousseff e que já está entre os livros mais vendidos do país em 2011.

Muito, pouco
No dia 3 de maio de 2016, foi promulgado o Decreto nº 8.737, que institui o Programa de Prorrogação da Licença-Paternidade para os servidores público...
A bolha da saúde brasileira está prestes a explodir
A crise econômica e o crescente índice de desemprego da população brasileira refletiram diretamente no setor da saúde. Recente estudo revelou que mai...
Marchinhas do coração
Sei que existem as marchinhas preferidas do coração. São as do passado ou do presente, mas não é delas que quero falar, e, sim, do sofrido coração br...
Reforma da Previdência: aprofundando o deserto na vida dos trabalhadores
O cinema enquanto “sétima arte” muitas vezes busca retratar realidades cotidianas na telona. Não foi diferente o filme “Eu, Daniel Blake”, ganhador d...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions