A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 20 de Setembro de 2017

08/04/2014 08:38

Cleptocracia: O regime da corrupção brasileira

Por Pedro Pedrossian Filho (*)

“Subdesenvolvidos são os países cujo regime politico é a cleptocracia, roubo do público pela classe politica.”(Peter Bauer)

O Brasil aparece, segundo a Transparência Internacional, como um dos países mais corruptos do mundo. Os dados da Federação das Indústrias de São Paulo revelam números assustadores: são 84,5 bilhões de reais roubados anualmente. Para se ter uma ideia, se essa quantia fosse empregada na saúde, os leitos nos hospitais aumentariam para 89%; na educação, poder-se-iam abrir 16 milhões de novas vagas nas escolas; nos programas habitacionais, 1,5 milhões de novas casas poderiam ser construídas.

Esses números nos mostram o quão lesivo é para o Estado a corrupção e o quanto é importante o combate através da punição e transparência total. Faz-se necessário aumentar o número de auditores confiáveis que atacam antecipadamente a corrupção. O Word EconomicForum nos informa que países como Holanda e Dinamarca possuem 100 auditores para cada 100.000 habitantes. No Brasil, contamos com apenas 12.800 quando precisaríamos de pelo menos de 160.000.

Os dados apresentados denunciam a gravidade da corrupção, um crime hediondo contra a sociedade. Todos os dias são denunciados episódios de corrupção um após o outro, como agora o “caso Petrobrás”, que é uma afronta à sociedade brasileira. A cada dia surgem mais denúncias e os números aumentam cada vez mais.

Não obstante frente ao escandaloso crime que constrange até o maior dos corruptos, ainda contamos com a cumplicidade da maioria dos representantes do povo, representantes estes, que tem como uma de suas principais atribuições, investigar os atos do executivo.

Como não bastasse a sociedade ainda ouve como justificativa que as denuncias são intrigas, fruto do jogo político de caráter político- eleitoreiro. O governo com o poder da máquina estatal corrompe deputados, senadores e magistrados, e como um efeito dominó, de uma corrupção, gera outra corrupção, se tornando uma bola de neve.

Entretanto, lamuriar não basta, importa compreender este perverso processo criminoso. Comecemos com a etimologia da palavra corrupção. O filósofo Santo Agostinho explica a origem da palavra: ”cor” e “rupstus” que significa; coração rompido e pervertido.

Podemos analisar a corrupção no Brasil sob três aspectos básicos: histórica, política e cultural.

Padre Antônio Vieira, dentre outras coisas, disse em seu sermão do Bom ladrão que“No Brasil conjuga-se de todos os modos o verbo “rapinar...”. Segundo a história, Pero Vaz de Caminha em uma carta encaminhada à D. Manuel, além de contar as novidades do descobrimento, solicita também um emprego, seria então, o primeiro caso de nepotismo no Brasil. Percebe-se atualmente que se naturalizou a postura de tirar vantagem pessoal em tudo ao ponto de se consolidar a expressão do tal “jeitinho brasileiro”.

Podemos afirmar que a base da corrupção política reside na falta de distinção entrea esfera pública e a privada. Os políticos tratam a coisa pública como se fosse de sua propriedade, e organizam o Estado, com estrutura e leis, que servem somente a seus interesses, e o bem comum aparece, assim, como caridade e não como razão de ser do Estado.
Culturalmente os corruptos são vistos pela maioria da sociedade como malandros, espertos e não como criminosos.

Quanto mais surgem denúncias sem a devida punição, mais o assalto aos cofres públicos vai sendo “naturalizado”, se tornando, assim, fato corriqueiro, gerando cada vez mais um caldo cultural que permite e tolera a corrupção.

Há algumas décadas, uma bandeira foi levantada pelo partido dos trabalhadores, que encantou e apaixonou muita gente:poetas, românticos, sacerdotes, sonhadores de um mundo perfeito, paradoxalmente livre de todos os males da humanidade, como aquele “inteligível” e acrescento, quimérico mundo imaginado por Platão.
A bandeira da ética foi içada, mas ao chegar ao poder, ao invés de ser a mudança prometida, tornou-se a continuidade e aperfeiçoamento do já corrupto sistema.

Hoje o Partido dos Trabalhadores se mantém no poder atolado até o pescoço pelo que em teoria sempre abominou provando que o seu discurso tinha como fim, somente para atingir o poder. Essa constatação nos faz remeter à Hobbes que em Leviatã escreve: “assinalo, como tendência geral de todos os homens, um perpétuo e irrequieto desejo de poder e de mais poder que cessa apenas com a morte; a razão disso reside no fato de que não se pode garantir o poder senão buscando ainda mais poder”.

A realista citação de Hobbes, apesar de dura, nos provoca e nos faz pensar em soluções para o problema. Não há dúvidas que a corrupção, não é um problema só do Brasil, assim como outros crimes, a corrupção existe em todos os países, com apenas uma diferença: A impunidade. Mas felizmente um passo já foi dado.

Para atender a pressão popular, posto em demanda nas manifestações de junho, a câmara dos deputados deve votar nesta semana, um projeto de lei que torna a corrupção crime hediondo, caso o projeto seja aprovado, os crimes de corrupção ativa, passiva, peculato, concussão e excesso de exação serão incluídos na Lei dos Crimes Hediondos (8.072/90). Além disso, o projeto também prevê e altera do código penal, aumentando a pena desses delitos.

No entanto, apesar de importante, a lei sem a honesta investigação não altera o quadro da impunidade, portanto, há a necessidade do comprometimento ético dos parlamentares em investigar, do ministério público de acatar e do supremo de julgar e condenar.

(*) Pedro Pedrossian Filho, graduado em Filosofia, ex-deputado federal e produtor rural

A regulamentação do Lobby no Bra
Desde 1989 o Projeto de Lei do Senado que propõe regular a atividade de Lobby no Congresso Nacional, PLS 203/89 de Marco Maciel (DEM- PE), está no Co...
Desarranjo planetário
Enfrentamos um desarranjo global na gestão pública. Os líderes se afastam da ideia de que são responsáveis por imprimir melhora geral na qualidade hu...
Tudo pelo cliente
Muitas pessoas me perguntam como é o meu dia a dia, como é administrar uma das marcas mais valiosas e admiradas do Brasil. Posso dizer, sem falsa mod...
OMC: a derrota anunciada
Não deixa de ser curioso que, num momento em que a Organização Mundial do Comércio (OMC), com sede em Genebra, é dirigida pelo diplomata brasileiro R...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions