A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 28 de Fevereiro de 2017

28/09/2015 09:29

Como a alta do dólar influencia a vida do brasileiro?

Por Rafael Britto (*)

Nesta última terça-feira (22) o dólar comercial teve a quarta alta seguida e fechou em R$ 4,054 na venda, sendo o maior valor de fechamento desde a criação do Plano Real em 1994. O recorde anterior era do dia 10/10/2002, quando a moeda norte-americana havia fechado em R$ 3,99.

Grande parte da população acredita que a referida alta não as afeta, pois não recebem em dólar e não pretendem em um futuro próximo viajar para o exterior. Todavia, o fato é que o impacto na alta do dólar afeta diretamente a vida de todos, desde os negócios do grande empresário até o cotidiano da dona de casa.

Segundo o professor da Escola de Economia de São Paulo da FGV, Clemens Nunes, a crescente valorização da moeda americana retrata o momento de desequilíbrio econômico suportado pelo Brasil. Segundo ele, a situação do País é de grave desequilíbrio fiscal, ou seja, o Governo gasta mais do que arrecada, e uma das consequências é que o real se desvaloriza reduzindo-se assim o poder de compra com relação ao resto do mundo.

Analisando a situação sob uma ótica otimista, é possível que a alta do dólar aqueça o mercado do turismo doméstico, com a óbvia desistência dos brasileiros de tirar férias no exterior, porém não se espera um crescimento tão grande vez que a economia brasileira como um todo está mais fraca, e a tendência é que as pessoas evitem gastos supérfluos diante do cenário de crise que está claramente estabelecido. Com a consequente desvalorização da moeda brasileira, há também a esperança de chegada de turistas estrangeiros, que poderiam consumir e injetar dinheiro em nossa economia, principalmente de grandes capitais e cidades turísticas.

Mas como a alta da moeda americana afeta a vida das pessoas comuns?

De imediato pode-se dizer que o aumento do valor do dólar culmina no crescimento da inflação, que a princípio começa afetando o valor dos produtos internacionais, que é o caso de algumas matérias primas importadas, como trigo, gás e gasolina, por exemplo.

Porém com o tempo, a inflação acaba “contaminando” os produtos produzidos no Brasil, como a soja, a carne, o café, entre outros. Isso porque muitos desses produtos são matéria de exportação e comercializados em dólar, e, se são vendidos lá fora por um preço maior, por certo os vendedores acabarão aumentando o preço no Brasil para não terem desvantagem nas vendas nacionais. Aparentemente, em curto prazo os produtores exportadores são beneficiados com a alta do dólar, contudo segundo o professor Nunes, a médio e longo prazo, todos perdem pois a moeda não está desvalorizada por uma escolha e sim em razão de um enfraquecimento da economia.

O professor de finanças do Ibmec/DF, José Kobori explica que a “alteração no câmbio influencia negativamente uma inflação já galopante, prolongando ainda mais uma política monetária contracionista” e que “no atual cenário de instabilidade, todos perdem, já que nossos maiores exportadores veem o preço de seus produtos caírem em proporções maiores que a alta do dólar.”

Apesar de haver esperança para alguns setores, como de exportação e turismo, a verdade é que a constante alta do dólar é reflexo de uma economia fragilizada e deixa o brasileiro cada vez mais pobre!

(*) Rafael Britto, advogado

A bolha da saúde brasileira está prestes a explodir
A crise econômica e o crescente índice de desemprego da população brasileira refletiram diretamente no setor da saúde. Recente estudo revelou que mai...
Marchinhas do coração
Sei que existem as marchinhas preferidas do coração. São as do passado ou do presente, mas não é delas que quero falar, e, sim, do sofrido coração br...
Reforma da Previdência: aprofundando o deserto na vida dos trabalhadores
O cinema enquanto “sétima arte” muitas vezes busca retratar realidades cotidianas na telona. Não foi diferente o filme “Eu, Daniel Blake”, ganhador d...
O dilema das prisões brasileiras
No último mês de janeiro assistimos, estarrecidos, às rebeliões nos presídios de Manaus, Boa Vista e Natal. As cenas de corpos sem cabeças chocaram a...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions