A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 28 de Março de 2017

18/10/2013 10:03

Consumismo não é qualidade de vida

Por Luiz Flávio Gomes (*)

O Brasil tem seu lado vitorioso. Existe o Brasil que deu certo. Nas três últimas décadas, por exemplo, alcançamos impressionantes conquistas: (a) movimento das diretas-já, em 1984, que sepultou a ditadura militar e restabeleceu a democracia, nos legando a Constituição de 1988; (b) o movimento dos “caras pintadas” que postulavam o fora Collor, (c) o Plano Real de 1994 que venceu a inflação e estabilizou a moeda assim como os referenciais econômicos; (d) o programa de inclusão social e a luta contra a miséria, que se transformaram em política de Estado em 2002 (essa iniciativa, de acordo com o IDHM, da ONU, contribuiu para o Brasil crescer - de 1991 a 2010 - 47,5%, em média, nos itens expectativa de vida, renda per capita e matriculados em escolas); (e) as jornadas de junho, que provaram que o brasileiro é capaz de mobilização contra as injustiças.

As condições de vida do brasileiro melhoraram nas últimas décadas, mas o problema é que isso se deu muito mais da porta da casa para dentro (geladeira nova, fogão última marca, reforma da casa, carro e moto na garagem, celular último tipo, acesso à internet, consumo de mais alimentação etc.)

Da porta da casa para fora vivemos um verdadeiro inferno: falta esgoto, o trânsito não anda, mas mata muito, a violência é cruel, a corrupção está disseminada, o transporte público virou lata de sardinha, o hospital não tem médico, a educação deseduca (não prestigiam os professores), a urbanidade é selvagem etc.

Da falta de qualidade de vida veio o mal-estar, que é fonte de muitas incertezas. As incertezas produzem medo, o medo gera insegurança, a insegurança cria ansiedade, esta desencadeia ira, que é fonte de intensa indignação. É neste estágio crítico que nos encontramos, com o quadro agravado pela sensação enorme de impotência (perda da identidade).

No meu livro "Por que estamos indignados?" (Saraiva) procuro mostrar que tudo isso fez eclodir os movimentos populares, que pedem um Brasil mais justo, menos desigual e ético. O consumismo se revelou insuficiente, porque o manifestante quer qualidade de vida, ao descobrir que esta é a vida que vale a pena ser vivida.

(*) Luiz Flávio Gomes, jurista e coeditor do portal atualidades do direito.com.br. Estou no facebook.com/blogdolfg

O que muda com a nova Lei da Terceirização aprovada pela Câmara
Quarta-feira passada a Câmara dos Deputados aprovou o projeto de lei que regula a terceirização, a principal alteração trazida pelo PL 4330/04 é a po...
Eis que eu renovo todas as coisas ...
Neste início do outono, a estação mais bonita do ano para mim, aquela que considero “a minha estação”, há uma característica metafísica que a torna d...
Operação Carne Fraca: consequências
Passados alguns dias da deflagração da Operação Carne Fraca, a maior da Polícia Federal na sua história, é possível fazer uma análise preliminar de s...
Terceirização tira um dos obstáculos ao desenvolvimento do Brasil
A aprovação do projeto que regulamenta a terceirização é uma excelente notícia para o país. Ao mesmo tempo em que é decisiva para dar segurança juríd...



CONSUMISMO E "COMUNISMO" NÃO É QUALIDADE DE VIDA!!
 
Marcelo Costa em 18/10/2013 10:47:23
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions