A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 21 de Outubro de 2017

11/02/2016 16:23

Cópias piratas de softwares: direito de fiscalização dos fabricantes

Por Caroline Mendes Dias (*)

Nos últimos anos as empresas fabricantes de softwares, como a Microsoft, vêm ampliando canais de fiscalização de empresas quanto aos seus licenciamentos de softwares, com o objetivo de combater a pirataria. Esses canais incluem parceiros que enviam e-mails, ligações ou notificações, para empresas de pequeno e médio porte em todo Brasil, solicitando que o responsável pela empresa ou área de TI apresente levantamento dos equipamentos existentes na empresa, bem como das licenças de software, ou ainda, pedem que seja feita a instalação de software que realiza tal levantamento de forma automática.

A maioria dessas comunicações são feitas em tom intimidador, ameaçando a tomada de uma série de providências jurídicas em caso de não serem respondidas. A partir daí surge a dúvida sobre a necessidade de se atender a tais solicitações e quais as implicações do não acatamento.

De fato, um software possui a natureza de obra intelectual, e por isso sua propriedade é tutelada pela própria Constituição Federal, Lei de Direitos Autorais (Lei n.º 9.610/98), e especificamente, pela Lei do Software (Lei n.º 9.609 /98), que impõe, em seu artigo 9º, que o uso de programa de computador será objeto de contrato de licença, sendo que na hipótese de eventual inexistência do contrato o documento fiscal relativo à aquisição ou licenciamento de cópia servirá para comprovação da regularidade do seu uso.

Assim, o uso de programa de computador sem licença do proprietário, pode acarretar responsabilidades nas áreas criminal e cível, incluindo indenizações por danos materiais e morais, e multa para quem editar e vender obra sem autorização do titular deverá pagar por cada um dos exemplares vendidos. Caso o número de exemplares vendidos não puder ser computado, o transgressor deverá pagar o valor de três mil exemplares, além dos apreendidos.

Com relação a esse direito de vistoria dos fabricantes de softwares, no sentido de fiscalizar a existência de cópias piratas de seus produtos, a Lei de Softwares (n. 9.609/98), prevê em seu artigo 14, a possibilidade do titular da propriedade do software, promover medidas judiciais visando cessar o uso irregular do mesmo, além de responsabilizar o infrator. Entre as medidas viáveis, pode estar o pedido judicial de vistoria nas dependências das empresas para constatar o uso e a quantidade de cópias ilegais e a partir de então serem tomadas as demais providências.

Quanto a esse pedido de vistoria judicial, a própria Lei de Softwares determina que a mesma deva ser tomada apenas mediante evidências de pirataria, sendo que quem requerer busca e apreensão e outras medidas previstas na lei por má-fé, emulação, capricho ou erro grosseiro fica sujeito a ser responsabilizado por perdas e danos, nos termos do Código de Processo Civil.

Nesse sentido, a própria Microsoft já fora condenada a indenizar empresa contra quem ajuizou ação de vistoria por desconfiar que ela utilizava indevidamente seus programas, o que não restou verificado. Nesse caso, houve condenação por danos morais, em razão de que a Cautelar fora ajuizada para mera fiscalização, sem qualquer indício de existência de irregularidades no uso de softwares de propriedade da apelante, extrapolando o direito que lhe é garantido por lei.

Ou seja, a vistoria na empresa usuária de softwares, pelas fabricantes de tais produtos, é possível, porém a obrigatoriedade existe apenas mediante ordem judicial, e mediante indícios de pirataria (uso sem licença), não cabendo a imposição de tal vistoria de forma administrativa, ficando a cargo da empresa que recebe tais comunicados (notificações), o acatamento ou não dos pedidos ali apresentados.

Ainda assim, é recomendável que as empresas que recebam tais contatos, realizem levantamentos das licenças dos softwares existentes, e da regularidade do uso, e em caso de não conformidade, efetue os ajustes necessários, tendo em vista que em algumas situações, a irregularidade de uso de softwares pode não ser de conhecimento dos responsáveis pela empresa, por serem medidas tomadas pela equipe de TI, ou até por prestadores de serviços terceirizados.

É viável ainda, que os comunicados das proprietárias de softwares sejam atendidos, sendo realizados os procedimentos solicitados, que não sejam tão invasivos, uma vez que, via de regra, o intuito inicial não é a tomada de medidas judiciais, e sim incentivar a regularização, com a venda das licenças em déficit. Instalação de softwares, vistoria pessoal nos computadores da empresa, já não parecem medidas viáveis de serem aceitas, pois podem expor dados confidenciais ou acessos que a empresa não pretende permitir a terceiros.

Por fim, ressalta-se que empresas que utilizam softwares precisam estar atentas a tais legislações, evitando que o uso seja irregular, para não serem surpreendidas com tais responsabilidades. Vale lembrar que cada usuário da empresa, precisa possuir a licença dos softwares que utiliza.

(*) Caroline Mendes Dias estuda Direito Empresarial, pós-graduada em Direito Civil com ênfase em Registros Públicos e Direito do Consumidor, pós-graduação e extensão em Direito Processual Civil. 

Um bom texto vai muito além do simples ato de escrever frases
Todos os dias entramos em contato com diferentes textos. Jornais, revistas, poesia, bulas de remédios e propagandas fazem parte da rotina. Nossa escr...
O desafio de ensinar matemática
No mundo atual, com tanta tecnologia e diversão, como fazer um pré-adolescente, de 12 ou 13 anos de idade, acostumado com computadores, celulares e v...
O futuro do 42º porto do mundo
Embora seja o maior da América Latina e o 42º no ranking mundial divulgado há poucos dias pelo Lloyd´s List Maritime Intelligence, de Londres, o port...
O direito a desconexão do trabalho
Trabalho é meio de vida e não meio de morte. Essa afirmação confronta a realidade de milhões de profissionais brasileiros que são obrigados a enfrent...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions