A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 15 de Novembro de 2018

01/11/2011 12:30

Corrupção e feudalismo na República Popular

Por Valfrido M. Chaves*

Sabe-se que na Idade Média, onde o Feudo era a unidade econômica, social e política de uma região, o poder era conquistado e garantido a ferro e fogo. Alcançado o poder, através do saque ou de impostos, os senhores feudais adquiriam a riqueza, representada por posses e pelo dito “vil metal”, o ouro.

No contexto feudal surgiu o “Burgos”, a vila, a cidade, o “burguês”, daí se chegando a um universo econômico que chamamos de “Capitalista”, onde os meios de produção são propriedade particular, ou privada. Ao contrário do mundo feudal, no mundo capitalista o poder é conquistado após o acesso à riqueza.

Mas tudo é verdade até certo ponto, pois, em todo mundo, grande parte da riqueza das famílias é conquistada “à sombra do poder estatal”, o que poderíamos ver como uma herança do feudalismo no sistema capitalista. Os comunistas brasileiros, há décadas passadas, teorizavam sobre “o feudalismo” no campo e que a economia urbana, portanto capitalista, faria da economia rural a sua “colônia” que alimentaria a economia das cidades. Tais idéias se baseavam num dogma (e comunista só é menos dogmático que o Papa), o de que uma economia capitalista só funciona se tem uma colônia para sugar.

Mas o campo brasileiro prosperou, não só negando o chiquérrimo besteirol marxista da época, como se transformou no carro chefe de uma economia sustentável voltada para mercados externo e interno.

Girando o mundo, num Brasil onde a economia privada mostra serviços e fôlego para muito futuro, partidos políticos impregnados daquela ideologia marxista fracassada como profetiza, promotora de justiça, prosperidade e liberdade, chega ao poder central da República. Tal meta foi atingida após uma pertinaz, massiva e eficiente campanha através da qual a maioria da população acreditou que pouco prestava na condução dos destinos da nação, sobretudo na economia. Na república popular, entretanto, a “herança maldita” revelou-se um “céu de brigadeiro”, até agora não modificada e onde a prosperidade do agro-negócio contrasta com o abandono e corrupção que envolve assentamentos e a dita reforma agrária.

Valeria até dizer aquele ditado: “Boca falou, c. pagou”, sim senhor! Mas fato é leitor, que grande parte dos quadros de liderança dos Partidos ditos socialistas e comunistas no poder, participou da luta armada contra o regime militar, mas, até hoje, nunca mostraram um documento sequer em que tivessem definido como objetivo o restabelecimento democrático da Nação. O objetivo era ideológico, ou seja, substituição do regime militar por um regime totalitário, coisa da qual fui testemunha nos anos 60, e do que falarei futuramente.

Mas o que até aqui está posto, leitor, é para apontar para a grande ironia do que se passa em nosso momento político, que é alto grau de reacionarismo da orientação política dos socialistas no poder, que é reinstalar, com todas as letras, um aspecto essencial do feudalismo: instalar-se no poder para saquear o dinheiro público e, portanto, a sociedade. Para bolsos particulares, de ONGs ou caixa dos Partidos: o mecanismo é feudal, pois é o uso do poder para meter a mão. Por isso tá caindo o quinto Ministro, graças às denúncias da Imprensa, que parece mais competente que os órgãos de informação do Estado.

Por essa e por outras, reinstalou-se o poder feudal no Brasil ou, como já se diz, o sistema das capitanias hereditárias, onde o Capitão a tudo pode, menos ser pego com a mão na cumbuca, é claro. Aí dança. Quantos ainda dançarão?

(*) Valfrido M. Chaves é psicanalista

Triste boa notícia
A leitura é um dos maiores prazeres da vida. Mergulhar fundo no mar de palavras de belezas naturais, que ficam maravilhosas quando juntadas com maest...
Fim do Ministério do Trabalho: avanço ou supressão de direitos?
Numa eleição marcada por antagonismos e forte polarização, todo ato do presidente eleito tem sido motivo de fortes críticas, com especial endosso e e...
Brasil — Vocação para o progresso
Nas comemorações dos 129 anos da Proclamação da República, reflitamos sobre o papel do Brasil no contexto mundial, que é também o de iluminar as cons...
Eu sou eu e...
A busca de orientação para nortear nossas vidas nos proporciona caminhos os mais variados. Na medida em que essa busca se realiza por meios que se ba...


Muito verdadeiro e, corajoso, esse artigo que revela a atual conjuntura política do Brasil, onde os poderosos da atualidade são os mesmos bandidos de décadas atrás, que sonhavam implantar a ditadura do proletariado em nosso país, mas graças a Deus e aos militares não obtiveram sucesso. E o pior é que nos livros de história os malvados são os militares...
 
Renato Moura em 01/11/2011 11:21:22
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions