A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 25 de Junho de 2018

23/07/2017 15:12

Idas e Vindas

Por Heitor Freire (*)

Os filósofos gregos ensinavam com muita propriedade: Conhece-te a ti mesmo. Essa ideia representa a pedra angular da evolução humana. Se não nos conhecermos passaremos pela vida sem nunca tê-la vivido.

O desconhecimento de nossa verdadeira natureza estabelece o medo da morte, gerando uma grande dúvida sobre o nosso verdadeiro ser e o nosso destino.

A morte é inevitável, como todos sabemos. É preciso entender, no entanto, que ela não é um fim em si mesma. Pelo contrário, ela é a porta de entrada para a nossa pátria verdadeira. Nós já morremos certamente dezena de vezes, ou centenas.

Quando morremos voltamos à nossa origem. Nós conhecemos o caminho. Já fizemos esse percurso muitas vezes. Voltamos para reencontrar nossos amigos e parentes que já partiram, para recarregar nossas baterias.

Falta ao ser humano a dimensão da eternidade. Todos já nascemos eternos.
A ignorância da realidade da vida é que causa toda apreensão. Precisamos entender, aceitar, confirmar e praticar o ensinamento verdadeiro.

Seguindo esses quatro passos, começa a despontar o horizonte real. Primeiro, entender. Fica muito claro que a encarnação atual é passageira. Todos já vivemos o fenômeno da morte com nossos parentes e amigos que nos antecederam. Então basta raciocinar para entender que, naturalmente, chegará também o dia da nossa partida. A inteligência nos ensina a nos preparar para o grande momento e não a temê-lo.

Outro ponto a ser considerado é que a única explicação lógica para a diversidade de situações que as pessoas vivem só pode ser entendido pela reencarnação. Não há como justificar que algumas pessoas nascem, vivem e morrem em condições de miserabilidade enquanto outros nascem, vivem e morrem em berços de ouro. Sem a reencarnação seria injusto. Colhemos sempre o que plantamos. Nesta vida ou em vidas anteriores. Nada escapa à lei. Da mesma forma que recebemos o bônus de nossos atos virtuosos, arcaremos com o ônus de nossos erros.

Portanto, nada acontece por acaso. O segundo passo é aceitar essa realidade. Nada que se faça poderá mudar a morte de cada um. Então aceitar é uma questão de inteligência.
Assim, com um exercício de sabedoria chegamos ao terceiro passo: a confirmação. Confirmando naturalmente o que já foi exposto, passamos para o quarto passo: a prática. Que nos conduz ao desapego, o grande salto a ser dado.

Nós somos apegados aos nossos familiares, aos nossos empregos, às nossas propriedades, como se eles fossem eternos e nos pertencessem verdadeiramente. Chegamos sem nada e partiremos sem nada. Nem nossos corpos que muitas vezes cultuamos com veneração, vamos levar para a espiritualidade. Levaremos o nosso espírito enriquecido com nossas experiências.

O que é que causa no ser humano a discórdia, o conflito, a guerra, a disputa, a briga, o querer ser mais ou melhor do que o outro? É o desconhecimento da realidade verdadeira de cada um. É a ilusão.

Querer que o tempo volte, e que as lembranças magníficas já vividas se repitam é também pura ilusão. Querer novas histórias, maiores e ainda melhores é o estímulo para o nosso desenvolvimento interior e pessoal.

Todos nós somos considerados igualmente pelo nosso Pai Altíssimo. Para ele não há diferença entre nós.

As idas e vindas fazem parte do nosso itinerário. Vamos percorrê-lo com consciência e o coração pleno de gratidão.

(*) Heitor Rodrigues Freire é Corretor de imóveis e advogado.

A corda arrebenta para todos
Ao pensar na África, geralmente formamos imagens com exuberância de recursos naturais. Falta de água nos remeteria aos desertos daquele continente, e...
Os três pilares do aprendizado
A educação brasileira passa por um profundo processo de transformação com a implantação da nova Base Nacional Comum Curricular. Precisamos estar pron...
O país onde tudo é obrigatório
Nos Estados Unidos, na França e na Inglaterra, as regras ou são obedecidas ou não existem, por que nessas sociedades a lei não é feita para explorar ...
Universidade pública e fundos de investimento
  A universidade pública não é gratuita, mas mantida pelos recursos dos cidadãos. E por que a Constituição brasileira escolheu determinar esse tipo d...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions