A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 16 de Novembro de 2018

26/10/2011 14:30

Liberdade de expressão e seu limite

Por Lizete Andreis Sebben

Em 21 de outubro passado, na cidade de Porto Alegre, a Associação Nacional dos Jornais em parceria com a Associação dos Juízes do Rio Grande do Sul realizou o Seminário Liberdade de Imprensa e Poder Judiciário, com a presença de grandes expoentes na área do jornalismo e jurídica. Os Ministros Teori Albino Zavascki e Marco Aurélio Gastaldi Buzzi, e o Deputado Federal Miro Teixeira, dentre outras autoridades no assunto, estiveram presentes.

O tema é extremamente atual e enseja reflexões, em especial o aparente conflito entre a garantia constitucional das liberdades em geral, já que a liberdade de expressão é essencial num Estado Democrático de Direito, integrando, inclusive, o rol dos direitos fundamentais da Lei Maior, e, em contraponto, o limitador dessas liberdades.

O Supremo Tribunal Federal, em 2009, no julgamento da ADPF nº 130, Relatado pelo Ministro Carlos Brito, já se manifestou no sentido de que a Constituição Federal de 1988 não recepcionou a Lei 5250/1967, conhecida como a Lei de Imprensa, o que não importa dizer, como bem referiu o Ministro Teori Albino Zavascki, ausência de regramento sobre a matéria, ante, inclusive, os próprios termos da Constituição Federal, que prevê, expressamente, direitos e garantias fundamentais a serem observados (art. 5º) e, ainda, a liberdade de manifestação do pensamento, da criação, expressão e informação (art. 220) e suas limitações.

Prevalece, hoje, a liberdade de expressão, mas com responsabilidade por eventuais abusos.

A Suprema Corte dos Estados Unidos decidiu, recentemente, que a internet é menos invasiva do que a rádio difusão. Vale dizer que, para os americanos “baixarem” uma música na internet não equivale exibi-la em público, a exemplo daquele que copia um arquivo de música no seu computador, no âmbito doméstico, não se equipara a alguém que exibe uma canção para uma grande audiência, como no rádio, na televisão ou em um show.

Na atualidade, onde o analógico passou ao digital e a comunicação virtual é real, com a agilidade respectiva e os portais de mídias interativas – blogs, ourkut, facebook, twiter, ipad, tablets, dentre tantos outros, há que se repensar o conceito de comunicação e o de liberdade, inclusive no que tange a sua limitação.

Considerando que o Juiz deve ser justo e jornalista livre, e ainda, que o Judiciário pode ser considerado como o controle externo do jornalismo, as questões pontuais envolvendo conflitos de interesses quanto a liberdade da imprensa são e serão solvidas pelo Poder Judiciário, a quem cumpre a tarefa de identificar a existência de abusos a serem reprimidos.

Advogada e ex-Juiza do TRE/RS

www.lizetesebben.com.br

lizasebben@terra.com.br

Triste boa notícia
A leitura é um dos maiores prazeres da vida. Mergulhar fundo no mar de palavras de belezas naturais, que ficam maravilhosas quando juntadas com maest...
Fim do Ministério do Trabalho: avanço ou supressão de direitos?
Numa eleição marcada por antagonismos e forte polarização, todo ato do presidente eleito tem sido motivo de fortes críticas, com especial endosso e e...
Brasil — Vocação para o progresso
Nas comemorações dos 129 anos da Proclamação da República, reflitamos sobre o papel do Brasil no contexto mundial, que é também o de iluminar as cons...
Eu sou eu e...
A busca de orientação para nortear nossas vidas nos proporciona caminhos os mais variados. Na medida em que essa busca se realiza por meios que se ba...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions