A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 23 de Outubro de 2019

09/06/2016 08:42

Não há vacina contra a insensatez

Por Marcos Trad (*)

Ainda não inventaram vacina capaz de evitar a incúria, ou antídoto eficaz contra a insensatez. Quando os vírus de uma e de outra encontram tecido social dilacerado e propício, fundem-se na proliferação do mal que anula a sensibilidade humana e mata a ética, pela exacerbação da arrogância.

Foi nesse organismo político em decomposição que se fermentou essa pérfida doença que “consumiu” milhares – se trinta mil, três mil ou uma única, não vem ao caso – de vacinas contra o vírus da gripe H1N1, que deixaram de ser aplicadas em crianças, idosos, doentes crônicos e demais pessoas do chamado grupo de risco, em Campo Grande.

O simples(?) sumiço de qualquer quantidade de vacinas já seria, por si só, um desastre moral e um escândalo político. Seja pela dimensão humana decorrente do fato de que vacina salva vidas, seja pela ética que impõe à gestão pública o controle absoluto de um bem social tão relevante e indispensável.

Na Campo Grande de hoje, porém, o sumiço de vacinas ganha contornos cada vez mais nítidos de uma farsa insensata e desumana, diante de denúncias consistentes de que o prefeito Alcides Bernal e um punhado de membros de seu séquito teriam se protegido, indevida e criminosamente, com a vacina que faltou para os que dela necessitavam, por protocolos médicos que visam preservar os mais vulneráveis ao vírus da H1N1.

A forma pusilânime como o prefeito Alcides Bernal se porta até agora, alimenta mais certeza do que dúvidas sobre a gravíssima denúncia de que ele e seus áulicos se autoconcederam o descabido e desumano ‘direito’ de se infiltrarem na população de risco, recebendo em seus gabinetes a vacina que faltou nas unidades de saúde.

À flagrante tibieza com que Bernal ‘reage’ à denúncia – quando deveria negá-la de forma contundente e comprovada – soma-se o notório descaso com que promete esclarecer o desaparecimento de outras 3,2 mil doses da mesma vacina... Talvez um pouco menos, se descontadas as 35 doses que, segundo a denúncia, teriam entrado no ‘delivery’ que atendeu os privilegiados de sua olímpica entourage.

Como o soturno prefeito de plantão já tentou ‘justificar’ a infinidade de buracos, que infelicitam Campo Grande, sacando a patética acusação de que adversários seus trocavam o sono noturno pela inglória tarefa de escavar o asfalto, seu secretário de saúde deu-se ao desplante de acusar o Instituto Butantan, das mais honradas e prestigiosas instituições científicas do Brasil, de, imagine-se, envasar oito em lugar das dez doses que os frascos devem conter.

Se são capazes de insultar o vetusto Instituto Butantan com a acusação de burlar – que outra coisa seria? – o Ministério da Saúde, tentando assim ‘justificar’ o desaparecimento de milhares de doses da vacina providencial, por que não seriam permissivos e arrogantes o suficiente para se imunizarem ‘prioritariamente’? Afinal, é plausível supor que se imaginem como ‘guias’ do povo e, como tal, mais importantes que crianças, idosos, diabéticos, renais crônicos etc.

Só na magnífica ficção de ‘Ensaio Sobre a Cegueira’, de Saramago, se encontra algum paralelo.

Uma Comissão Parlamentar de Inquérito, na Câmara de Vereadores, tentará desvendar o mistério do sumiço das vacinas e, também, conferir se as ‘excelências’ capitaneadas pelo prefeito Alcides Bernal se incluíram, de forma desumana e cínica, no ‘grupo de risco’.
Uma verdade, porém, dispensa o escrutínio de qualquer CPI: a arrogância dos que exercem o poder sem qualquer autocrítica, desconhece, com frequência, os limites da sensatez.

E não há vacina contra esse mal.

(*) Marcos Trad é deputado estadual (PSD). 

Compliance: benefícios práticos nas empresas
Um dos principais patrimônios de uma organização é, sem dúvidas, sua reputação, que pode ter impacto tanto positivo como negativo nos negócios. Indep...
Um olho no peixe, outro no gato
O agro brasileiro poderia ser bem mais assertivo em sua comunicação com os mercados, aqui e no exterior. Falar mais das coisas boas que faz, seguindo...
Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...
Sem comunicação não há evolução
Os líderes do agronegócio hoje concordam que precisamos dialogar muito mais com a sociedade urbana, pois sem isso não teremos aderência nas necessida...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions