A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 19 de Outubro de 2019

07/12/2013 08:52

Natal sem hipocrisia

Por Marcos Luiz Garcia (*)

Aproxima-se o Natal. Outrora se dizia Santo Natal, mas hoje chamar o Natal de santo é propriamente um disparate, pois se tornou sinônimo de boas vendas, luzes frias e sem sentido que enchem as ruas e os shoppings. Balconistas esboçam sorrisos interesseiros para conquistar clientes. O grande astro é Papai Noel, o marqueteiro ateu.

Os brinquedos já não são inocentes nem maravilhosos, mas reproduzem amiúde seres horríveis da TV ou do cinema. As pessoas viajam, se largam e se desabotoam nos ambientes que costumam frequentar. Come-se demais, bebe-se demais, veste-se de menos, relaxam-se os costumes e as maneiras.

Nada de sobrenatural, nada de elevado, nada de piedade autêntica. Excessos se sucedem nos dias de comemoração antecedendo a frustração da volta para casa. Busca-se em tudo o maior prazer, mas não se encontra. Uma sensação de frustração invade o espírito. Logo depois de regressar ao lar vêm as consultas para sair da depressão. Por quê?

Sobretudo porque Aquele que é a razão mesma do Natal ficou esquecido. Para essas pessoas, a presença de Deus em nada lhes é sensível, pois se encontra completamente alheia aos festejos. Aliás, são os mal educados, para não dizer hipócritas, que comemoram a data do nascimento sem dar a menor importância ao aniversariante.

Há os que sabem comemorar com a conveniência devida a grande festa natalina. Recolhidos e cheios de gratidão pela vinda do Messias, contemplam o Menino Jesus, Verbo de Deus encarnado, que dorme numa manjedoura sob os olhares vigilantes de Nossa Senhora e São José. E se lembram de agradecer o bem infinito da Redenção.

Recordam-se eles que a redenção do homem do pecado original representa a maior prova de misericórdia que Deus pôde demonstrar por suas criaturas, e, por isso sentem-se felizes por pertencer a esse Deus infinitamente bom, a Quem eles procuram expressar a sua profunda união. Rezam e meditam.

Sim. Mas também comem e bebem com equilíbrio, comportam-se como pessoas nas quais a alma predomina e rege todos os seus atos, pois a virtude da temperança as mantém nos devidos limites de tudo quanto fazem. No fim dos festejos elas não se sentem frustradas, mas felizes; não se sentem desarranjadas, mas ordenadas; não se sentem tristes, mas alegres.

Celebram o Santo Natal de Nosso Senhor Jesus Cristo, e, pelo favor de sua santa Mãe e de São José, recebem graças que as aproximam ainda mais do seu Criador que veio ao mundo para redimi-las. Esse é um Natal sem hipocrisia, cheio de autêntico amor, de união e de verdadeira paz.

(*) Marcos Luiz Garcia é escritor e colaborador da ABIM.

Antônio Baiano – Um Gigante
Roseli Marla, minha cunhada querida, neste momento de profunda tristeza que todos estamos vivendo com a morte prematura do nosso querido Antônio Baia...
Projeto de lei pretende punir quem ocultar bens no divórcio
Quem milita na área do Direito de Família está, infelizmente, mais do que acostumado a se deparar com inúmeros expedientes para fraudar o direito à m...
Internet, Vínculos e Felicidade
A cada dia estamos passando mais tempo em celulares e computadores. Tanto que muitas vezes, quando maratonamos seriados, até a televisão pergunta: "t...
Origem espiritual da Profecia
Em minha obra Os mortos não morrem, transcrevo estudos abalizados e relatos interessantíssimos sobre a realidade da vida após o fenômeno chamado mort...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions