A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 14 de Outubro de 2019

29/04/2017 13:37

O desafio da primeira escolha

Por Selena Greca (*)

Fazer uma escolha para o futuro, aos 16/17 anos, não é tarefa fácil! O mundo do trabalho em constantes mudanças, repleto de incertezas, tecnologia de ponta em todas as áreas, com mercado exigente e competitivo, tem tornado esta construção da carreira cada vez mais complexa. Mas, do outro lado, nos deparamos com um jovem adolescente passando pela sua primeira crise existencial: buscando o prazer acima de tudo, vivendo um consumismo muitas vezes exagerado, imediatista por natureza, e um “nativo digital”, para citar algumas características.

Em meio a esta turbulência ele precisa decidir por um caminho, construir o seu projeto de vida. Existem inúmeros fatores que interferem nesse momento de decisão, e que poderão ter uma forte influência caso não estejam conscientes. Quanto mais imaturo, maiores também serão as influências externas.

Muitas atividades exercem fascínio nos estudantes pelo possível retorno financeiro e status, por exemplo, Direito. O estudante sequer analisa quais características são importantes na área e, nem mesmo, se o seu perfil se encaixaria neste campo. Da mesma forma, outros cursos como Medicina e Engenharias continuam com forte influência perante pais e vestibulandos. Existem, ainda, aqueles que sonham desde criança fazer determinado curso. Muito cuidado!

Este pensamento é perigoso se não for analisado com a devida atenção. Permanecer "fechado", pensando em prováveis identificações e idealizações que toda criança faz durante a infância e, apenas transferir para o momento da escolha, poderá fazer com que corra o sério risco de entrar em uma faculdade totalmente imaturo em relação a si próprio, e ao que é exigido para exercer a atividade.

Outra grande influência é a interferência familiar. O possível sonho e desejo dos pais em ver o filho em determinada profissão ou, ainda, dando continuidade à atividade da família.

A liberdade de escolha deverá existir sempre, pois as consequências desta decisão serão vividas somente pelo jovem. No futuro, feliz e realizado, ou frustrado, não serão os pais que viverão por ele!

Podemos dizer que nesta fase a família convive com as mesmas ansiedades e angústias. Os filhos desejam a participação dos pais; estes pressionam para uma determinada escolha, ou, não se pronunciam temendo exercer influência. Não sabem como ajudar, pois tem apenas o referencial de como vivenciaram este momento quando também eram adolescentes.

Nossa orientação é sempre pelo apoio dos pais. Utilizar o tempo e o espaço para que o jovem continue seu processo de amadurecimento junto à família. Conversar sobre profissões, carreiras e trabalho. Utilizar a rede de relacionamento e conhecimentos dos pais para vivenciar ambientes em que a profissão é desenvolvida. Participar de feiras de profissões para que o universo profissional possa ser ampliado. Incentivar a leitura sobre cursos avaliando inclusive a grade curricular. Criar momentos para reflexões francas e enriquecedoras, pois isso diminuirá ansiedades e pressões.

Queremos que os jovens possam despertar enquanto existe tempo hábil para a decisão. Reforçamos que o autoconhecimento, isto é, buscar um referencial interno e, apropriar-se dele, este sim é o pilar fundamental para uma decisão madura.

Este deverá ser o equilíbrio de um processo de escolha. A carreira é um projeto de vida e apenas o jovem poderá construí-lo com consciência, maturidade e responsabilidade.

(*) Selena Maria Garcia Greca é psicóloga e orientadora profissional no Colégio Marista Santa Maria, do Grupo Marista.

As lições a serem aprendidas com o lago do Parque das Nações Indígenas
“Nesta terra molhada”, após 5 meses com inúmeras iniciativas, do governo e sociedade, o lago artificial do Parque das Nações está voltando a produzir...
Gestão pública é o caminho contra a corrupção
A corrupção é pré-requisito do desenvolvimento, já dizia Gunnar Myrdall, Prêmio Nobel de Economia, em 1974. Ou seja, esse mal é algo comum e enraizad...
A virtude da temperança
Não haverá Paz duradoura enquanto prevalecerem privilégios injustificáveis, que desonram a condição humana, pela ausência de Solidariedade, que deve ...
MS: Um novo salto de desenvolvimento
A história de Mato Grosso do Sul não é uma linha reta. Ela vem sendo escrita, no curso do tempo, por diferentes protagonistas, por meio de um caminho...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions