A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 15 de Novembro de 2018

10/12/2010 07:29

O escândalo Wikileaks e a diplomacia dos EUA

Por Carlos Eduardo Vidigal (*)

A divulgação de uma nova série de documentos pelo site Wikileaks, mantido pelo australiano Julian Assange, causou certo alvoroço na imprensa e em alguns meios diplomáticos, mas, por enquanto, o teor das informações divulgadas ainda não pode ser considerado bombástico.

Para o senso comum, os documentos divulgados podem chocar pelo linguajar pouco diplomático de seus autores e pelo tom sarcástico de algumas passagens, porém, não chega a ser novidade entre historiadores, internacionalistas e cientistas políticos. Ao contrário, é de se presumir que os diplomatas norte-americanos, aparentemente protegidos pela natureza sigilosa de seus comunicados, dessem asas à imaginação. Ou melhor, que reproduzissem em seus informes o ponto de vista da Casa Branca.

Um exemplo de que esse tipo de documento não é uma novidade foi apresentado em dissertação de mestrado defendida, em 1991, no Departamento de História da Universidade de Brasília. No texto de autoria de Daniela Xavier, orientado pelo historiador e cientista político Moniz Bandeira, há a seguinte citação direta de documento de autoria de um diplomata norte-americano, referindo-se ao Brasil da primeira metade da década de 1950:

"Eu continuo acreditando que o Brasil, como muitas mulheres, requer freqüente atenção e muita paciência. Deixa-se seduzir ocasionalmente por um ou outro de seus pretendentes, mas nós pagamos suas contas e, creio, ela reconhece que nenhum outro poderia sustentá-la no padrão de vida do qual gostaria. Acredito que sabe que seria estuprada se a Rússia a apanhasse em um beco escuro e nós estivéssemos por perto, mas dá a nossa proteção como líquida e certa, e dá-se ao luxo de flertar com a Rússia enquanto as luzes estão acesas.

Fica com ciúme do tempo que gastamos no escritório na Europa e dos colegas que lá temos. Suspeita que a estamos traindo e pensa que jogamos dinheiro fora, no pôquer, com os amigos.

O Brasil tem interesse vital em que não abandonemos o lar, ainda que viver sob o mesmo teto seja um pouco difícil para ambos, algumas vezes. Particularmente, quando nós nos queixamos de seus gastos excessivos e nos recusamos a pagar novos eletrodomésticos até que as finanças estejam reequilibradas.

Não creio que jamais possamos satisfazer completamente o Brasil, mesmo com os mais deslumbrantes presentes que, aliás, não temos condições de pagar. O melhor que podemos fazer é reassegurar-lhe de tempos em tempos o nosso amor, dar-lhe compadecida atenção pelas suas dores e sofrimentos e desejar que atinja a maturidade logo, de modo que a vida em comum se torne menos instável. Com todos os seus defeitos, ela tem sido uma boa esposa e nós a necessitamos. Eu não a trocaria por uma nova amante, porque, apesar de tudo, ela é atraente e será uma boa companhia quando se tornar adulta".

O texto fala por si só e demonstra que esse tipo de procedimento é bastante antigo na atividade diplomática dos EUA. Quanto aos documentos divulgados neste último mês, pode-se observar que não houve nenhuma contestação séria quanto à veracidade dos mesmos; que eles demonstram a fragilidade das comunicações e da atividade de inteligência do Departamento de Estado; e que reproduzem o essencial do pensamento de Washington, pouco acrescentando ao processo decisório norte-americano.

A tendência é que a Casa Branca venha a aumentar o rigor no processo de comunicação na estrutura do Estado norte-americano e que os dirigentes dos países ofendidos façam uso dessas informações na barganha política junto àquele governo. Ou seja, perdem os EUA, que poderão perder ainda mais com a divulgação do restante do material em mãos do WikiLeaks.

(*) Carlos Eduardo Vidigal é professor do Departamento de História, da Universidade de Brasília, na área de História da América. Doutor em Relações Internacionais pela UnB, possui graduação em História, especialização e mestrado em História pela mesma universidade.

Triste boa notícia
A leitura é um dos maiores prazeres da vida. Mergulhar fundo no mar de palavras de belezas naturais, que ficam maravilhosas quando juntadas com maest...
Fim do Ministério do Trabalho: avanço ou supressão de direitos?
Numa eleição marcada por antagonismos e forte polarização, todo ato do presidente eleito tem sido motivo de fortes críticas, com especial endosso e e...
Brasil — Vocação para o progresso
Nas comemorações dos 129 anos da Proclamação da República, reflitamos sobre o papel do Brasil no contexto mundial, que é também o de iluminar as cons...
Eu sou eu e...
A busca de orientação para nortear nossas vidas nos proporciona caminhos os mais variados. Na medida em que essa busca se realiza por meios que se ba...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions