A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 22 de Outubro de 2019

13/01/2012 17:44

O livro Dona Flor e Seus Dois Maridos, de Jorge Amado

Por Camila Ribeiro de Mendonça*

Direito e Literatura: do Fato à Ficção é um programa de televisão apresentado pelo procurador de Justiça do Rio Grande do Sul e professor da Unisinos Lênio Streck, onde é discutido, com convidados, uma obra literária e seu dialogo com o Direito. A obra desta edição, que a ConJur reproduz a seguir, é Dona Flor e Seus Dois Maridos, de Jorge Amado. Participam do debate o professor e o doutror em Direito José Luis Bolzan e o professor doutor em letras Homero José Vizeu Araújo. Assista ao vídeo e leia a resenha do programa feita pela jornalista Camila Mendonça.

O livro Dona Flor e Seus Dois Maridos conta a história de Florípedes Paiva (Dona Flor), que conhece, em seus dois casamentos, a dupla face do amor. Com o primeiro marido, o boêmio Vadinho, ela vive uma paixão avassaladora, erotismo febril, ciúme que corrói. Já com o farmacêutico Teodoro, seu segundo marido, ela encontra a paz doméstica, a segurança material, a tranquilidade, poderia se dizer o amor mais metódico. Um dia porém Vadinho retorna em forma de fantasma, mudando a realidade de Dona Flor.

Lênio Streck conta em seu programa, que, segundo Jorge Amado, o livro é baseado na história real de uma senhora que teve um boêmio como primeiro marido, este falecido, e durante o segundo casamento passou a sonhar com o primeiro marido. “Honesta e de uma moral acima de qualquer desvio, dona Flor começa a sofrer sem saber o que fazer, e no final, impressiona o próprio Jorge Amado, ao sucumbir aos encontros do marido morto.“ narra o apresentador.

Na visão do professor Araújo, o livro é uma continuidade de Gabriela Cravo e Canela, no sentido em que Jorge Amado adota um narrador pitoresco, alegre, que faz comentários meio patifes, chama o leitor para a conversa.

Na visão do apresentador de Direito e Literatura, embora não haja uma letra, uma frase sobre Direito, talvez este seja o livro mais indicado para fazer a relação entre direito e literatura, por trazer as duas grandes faces do tema, os conservadores e os progressitas.

O livro de Jorge Amado permite esse relação, “pois já em 84 foi lançado A Ciência Jurídica e Seus Dois Maridos, de Luís Alberto Warat, que faz uma ressalva inaugural. Warat trabalha com a ideia de um texto carnavalizado, tomando emprestado a dualidade dialógica entre Vadinho e Teodoro” compara o professor de direito, Bolzan.

Segundo Lênio, a figura do legislador invoca esse discurso monológico, representado por Teodoro, o segundo marido bem comportado. Já o discurso crítico, de inversão, é representado por Vadinho, o boêmio. A obra questiona justamento se é possível essa convivência no Direito ou se existe uma prevalência do Teodoro jurídico sobre o Vadinho.

Numa crítica sobre a publicação feita pelo antropólogo Roberto da Mata, Teodoro é colocado como representante da ordem, enquanto Vadinho seria o progresso, por simbolizar a mudança.

“Há uma teodorização do Direito, este é vivido como uma forma dogmática, fechada, é preciso Vadinhar o Direito, tentar compreender o direito, produzir um discurso que não seja apaziguador, mas que fomente esse caráter mais desejante. Sem reprimir o amor, o desejo, uma postura mais transgressora” reflete o convidado

O livro mostra a ambivalência entre a segurança de Teodoro. Todo tempo vivemos a tentação tranquilizadora, que pode ser a paz dos cemitérios. Dona Flor está tentando puxar para dentro de casa a alegria das ruas, sintetizada na imagem de Vadinho.

Outra interpretação pode ser a das duas máscaras petrificadas. Uma da dogmática jurídica, com todas as suas mazelas e outra máscara da carnavalização pela crítica. Dona Flor acaba convivendo com as duas.

E por fim o programa conclui que é preciso colocar uma porção de Vadinho no Teodoro do Direito.

(*) Camila Ribeiro de Mendonça é repórter da revista Consultor Jurídico.

Um olho no peixe, outro no gato
O agro brasileiro poderia ser bem mais assertivo em sua comunicação com os mercados, aqui e no exterior. Falar mais das coisas boas que faz, seguindo...
Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...
Sem comunicação não há evolução
Os líderes do agronegócio hoje concordam que precisamos dialogar muito mais com a sociedade urbana, pois sem isso não teremos aderência nas necessida...
A Ciência e o desenvolvimento: o óbvio que deve ser lembrado
Um país só se desenvolve se tiver ciência sólida que se transforme em tecnologia empregada pelo setor produtivo. Isso tem sido sobejamente demonstrad...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions