A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 25 de Maio de 2017

01/02/2015 09:00

Os cursos técnicos e a entrada no mercado de trabalho

Por Maurício Ribeiro (*)

Temos presenciado, de forma maciça, a ampla divulgação a respeito dos Cursos Técnicos bem como uma atenção especial, por parte do Governo Federal, para com esses cursos por meio da criação de novos Institutos e, principalmente, pela oferta, na rede privada, de bolsas de formação oriundas do Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (PRONATEC) criado pelo Governo Federal, em 2011, com o objetivo de ampliar a oferta de cursos de educação profissional e tecnológica.

Esse movimento, envolvendo a rede privada, vai completar seu segundo ano em 2015, e, muito desconhecimento ainda paira sobre os futuros e pretensos novos técnicos. Diversas situações, não só dentro do conhecimento como Diretor de Colégio Técnico, como informações e reportagens divulgadas, nos trazem exemplos de alunos que desconhecem o verdadeiro papel de um técnico dentro de uma organização. Depoimentos de “quero aprender a costurar” ou “estou fazendo este Curso para aprender a consertar o meu computador” nos levam a imaginar uma compreensão distante entre o papel dos técnicos dentro do quadro de colaboradores de uma organização daqueles cursos de curta duração que nos ensinam uma atividade específica.

Mas essa compreensão não se restringe somente aos candidatos a Técnicos. O empresariado também precisa compreender o quão importante o Técnico devidamente capacitado é para sua organização. O aprendizado que a empresa internamente dedica aos seus colaboradores, tornando-os especialistas naquelas atividades operacionais, pode e deve ser substituída por uma formação metodológica, profissional, prática e objetiva, por meio de Instituições capacitadas e criadas com esse objetivo.
Para que se dimensione o papel do Técnico é importante refletir sobre a diferença entre Curso Técnico, Tecnólogo e Curso de Graduação.

O Curso Técnico, que tem duração entre um ano e dois, é um curso de nível médio que objetiva capacitar o aluno com conhecimentos teóricos e práticos nas diversas atividades do setor produtivo. Acesso imediato ao mercado de trabalho é um dos propósitos dos que buscam este curso, além da perspectiva de requalificação ou mesmo reinserção no setor produtivo. Este curso é aberto a candidatos que tenham concluído o ensino fundamental e para a obtenção do diploma de técnico é necessária a conclusão do ensino médio. Já o Tecnólogo, cuja duração é de dois anos a três anos e meio, é um curso de graduação que abrange métodos e teorias orientadas a estudos, pesquisas, avaliações e aperfeiçoamentos tecnológicos com foco nas aplicações práticas. É aberto, como todo curso superior, a candidatos que tenham concluído o ensino médio ou equivalente e tenham sido classificados em processo seletivo (vestibular). Assim como o Tecnólogo, os cursos de graduação, que variam de quatro a seis anos, são abertos a candidatos que tenham concluído o ensino médio e tenham sido classificados em processo seletivo vestibular.

Quem opta por um curso técnico, em geral, quer aprender um ofício e ingressar rapidamente no mercado de trabalho. A compreensão do que é ser um Técnico e a abertura das portas do mercado de trabalho para esse profissional por parte das Empresas são fundamentais. A rápida qualificação, o conhecimento prático, a perspectiva de requalificação do colaborador, ou mesmo a sua reinserção no mercado deve ser compreendida como fator importante de desenvolvimento, por todos os envolvidos nos diversos setores produtivos.

(*) Mauricio Ribeiro, diretor dos Cursos Técnicos do Centro de Ensino Profissional Ir. Mário Cristóvão – TECPUC. É formado em Administração com especializações em Gestão Estratégica e em Gestão e Liderança Universitária pela Universidade de Caxias de Sul e pela Organización Universitaria Interamericana (OUI) e Instituto de Gestión Y Liderazgo Universitario (IGLU), Universidad de Guanajuato e Universidad de Colima – México.

O futuro da educação começa agora
Você, com certeza, já se pegou perguntando, em tom de curiosidade, para onde as mudanças desse mundo vão nos levar e qual será o destino das próximas...
Capitalismo de compadrio e corrupção sistêmica
Reza o bom senso que o Estado não deve tratar empresas nem bondosa nem cruelmente demais. Naquilo que tem de bom, a sabedoria proverbial vislumbra os...
Universidades inovadoras também devem inovar a si mesmas
A universidade pública demanda por uma revisão de valores com o objetivo de atender aos novos desafios relacionados ao seu papel. A estrutura lenta, ...
Arroz e trigo: relações de valores agrícolas e industriais
Aumentar a oferta de dois alimentos básicos da população brasileira – arroz e trigo – de forma economicamente sustentável é um sério desafio. Os dois...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions