ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, SÁBADO  24    CAMPO GRANDE 24º

Artigos

Os perigos da resistência aos antibióticos: uma pandemia silenciosa

Por Gabriel Taddeucci Rocha e outros (*) | 04/12/2023 13:20

A Semana Mundial de Conscientização da Resistência aos Antimicrobianos, realizada em novembro pela Organização Mundial da Saúde e instituições de saúde animal, meio ambiente e alimentos, chamou a atenção da sociedade para este problema de saúde pública. Segundo estimativas de artigo publicado recentemente na revista científica The Lancet, 4,95 milhões de mortes foram associadas à resistência aos antimicrobianos somente em 2019, com 1,27 milhões podendo ser diretamente atribuídas a ela. Esses dados revelam a extensão do problema, que afeta países de todos os níveis de desenvolvimento, caracterizando a resistência aos antimicrobianos como uma pandemia silenciosa.

De fato, hoje não é raro que infecções hospitalares sejam causadas pelas chamadas “superbactérias”, capazes de resistir a todos ou quase todos os antibióticos que já foram eficazes contra elas. Mas pesquisas científicas já evidenciam a ocorrência de bactérias resistentes em indivíduos saudáveis e até em animais silvestres, além da presença em alimentos e águas contaminadas por esgotos ou dejetos humanos.

A resistência aos antimicrobianos amplificada nos hospitais é um fenômeno conhecido; no entanto, é importante destacar que o uso de antimicrobianos na comunidade – em humanos, animais domésticos e de produção – também exerce pressão seletiva para a evolução da resistência. Resíduos de antimicrobianos presentes no ambiente, resultantes de descarte inadequado ou eliminação ativa após tratamentos, podem ter o mesmo impacto no meio.

A evolução da resistência ocorre ao acaso, por seleção de bactérias capazes de sobreviver, mutações acionadas sob stress ou aquisição de genes de outra bactéria. Esses são processos naturais amplificados pela ação humana; no entanto, a medicina moderna não pode abrir mão dos antibióticos. Assim, é importante que medidas sejam tomadas para preservar a eficácia destes medicamentos.

As medidas mais elementares são aquelas que previnem infecções, como práticas de higiene, vacinas e o acesso à rede de esgoto e água potável. O uso de antibióticos, quando necessário, deve ocorrer apenas com prescrição médica; e restos de medicamentos, mesmo vencidos, devem ser descartados apenas em farmácias ou postos especializados. Na agropecuária, boas práticas de manejo diminuem a dependência de antimicrobianos na saúde animal. Para os dejetos hospitalares, são necessários sistemas eficientes para reduzir a carga de bactérias resistentes ou seus genes, evitando que estes persistam no ambiente. Além disso, é importante que haja um monitoramento da situação epidemiológica em cada hospital ou cidade, orientando escolhas terapêuticas e medidas de contenção sempre que necessário.

A resistência aos antimicrobianos é um desafio global de saúde pública que requer ações locais e comprometimento individual, alertam os especialistas em saúde e ambiente.

(*) Gabriel Taddeucci Rocha é microbiologista e pesquisador em nível de doutorado na área de resistência a antimicrobianos em humanos no Instituto de Microbiologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

(*) Raquel Regina Bonelli é doutora em Microbiologia Farmacêutica, professora no Instituto de Microbiologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro e pesquisadora na área de resistência a antimicrobianos em alimentos e produção agropecuária.

(*) Wellington Felipe Costa é biomédico, doutor em Microbiologia e pesquisador na área de resistência a antimicrobianos em matrizes aquáticas na UFRJ.

Nos siga no Google Notícias