A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 15 de Novembro de 2018

06/12/2017 15:05

Política, religião e futebol não se discutem?

Apontamentos sobre a pretendida neutralidade no ensino

Por Ascânio João Sedrez (*)

Há quem diga que os tempos atuais já têm polêmicas demais. Espera-se que os profissionais da educação sejam árbitros isentos ao apresentar o arcabouço das informações, dados e fatos acumulados ao longo dos milênios pela cultura escolar e científica. Contudo, é sabido, o conhecimento construído está carregado das marcas e dos contextos nos quais ele foi gerado e difundido.

Ao observar mais amplamente os processos de comunicação, vemos os discursos produzidos pelos inúmeros meios de comunicação, todos com pretensão de verdade. O leitor, ouvinte ou telespectador é sempre convidado a discernir, ponderar, mesmo quando as “notícias” são acompanhadas de dados e imagens “indiscutíveis”.

No cenário mais típico da educação escolar, da mesma forma, é imperioso, com honestidade intelectual, trazer muitas e amplas visões dos fatos e informações para que os estudantes formem um senso crítico e tenham condições estruturais de triar, questionar, ampliar, pesquisar, duvidar, aprofundar...

Para exemplificar, citamos os três temas do título, começando do mais aparentemente despretensioso e que tem gerado tantos dissabores: o futebol. Chegam a denominá-lo como ‘religião’ em função de atitudes passionais, irracionais e agressivas que acometem alguns dos torcedores... Por prudência, temos que lembrar, que as três atitudes mencionadas, nem por hipótese deveriam aplicar-se às religiões... A gravidade do que tem acontecido em relação ao futebol obriga os educadores a abordarem essas questões por ocasião das assembleias e outros momentos na vida escolar. A formação cidadã inclui a orientação sobre a convivência harmoniosa com os que têm “times” diferentes... incluindo os de futebol.

No campo da política, os cuidados são proporcionais à vantagem de uma abordagem plural, rica, crítica, com apelo fundamental aos discursos subjacentes. Ampliar horizontes, questionar axiomas fixados, desnaturalizar o assumido como normal e aceitável, também no campo da política, são atitudes mais do que urgentes. A suspeita que ronda a escola, especialmente com discursos aplicados a alguns componentes, deve sofrer um tratamento de choque com os ventos da abordagem transparente, da perspectiva crítica, num convite à participação política que vá além dos partidos e que se engaje com esforços concretos para o Bem Comum.

Vale destacar, por fim, a abordagem das questões religiosas no cenário escolar, tanto na escola pública quanto nas mantidas por instituições confessionais ou empresariais. Para nos inspirar, vale um pensamento de Albert Einstein: “Se os fiéis das religiões atuais tentassem sinceramente pensar e agir segundo o espírito dos fundadores dessas religiões, não existiria nenhuma hostilidade de base religiosa entre os seguidores dos diferentes credos.” (Mensagem à Conferência Nacional de Cristãos e Judeus, 1947). Como seria fundamental dialogar sobre isso em cenários tão dramáticos de intransigência, de animosidade, de ignorância misturada com medo!!!

A escola torna-se, assim, um grande cenário da democracia, da tolerância, da convivência construída com o conhecimento construído e partilhado. As dimensões da luta pelo Bem Comum (política), da busca pelo sentido mais profundo para o existir (religiosidade e religiões) e a saudável competição e entretenimento (esportes, incluindo futebol) são pautas sociais importantes e devem, com serenidade, ocupar nossos diálogos na vida escolar e na escola da vida.

Quem se beneficiará disso: nós e as futuras gerações que conviveremos, acolhendo a diferença, em diálogos abertos sobre todos os assuntos relevantes para nossas vidas.

(*) Professor Ascânio João Sedrez é Mestre em Ciências da Religião e Diretor do Colégio Marista Glória.

Triste boa notícia
A leitura é um dos maiores prazeres da vida. Mergulhar fundo no mar de palavras de belezas naturais, que ficam maravilhosas quando juntadas com maest...
Fim do Ministério do Trabalho: avanço ou supressão de direitos?
Numa eleição marcada por antagonismos e forte polarização, todo ato do presidente eleito tem sido motivo de fortes críticas, com especial endosso e e...
Brasil — Vocação para o progresso
Nas comemorações dos 129 anos da Proclamação da República, reflitamos sobre o papel do Brasil no contexto mundial, que é também o de iluminar as cons...
Eu sou eu e...
A busca de orientação para nortear nossas vidas nos proporciona caminhos os mais variados. Na medida em que essa busca se realiza por meios que se ba...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions