A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 25 de Junho de 2018

21/07/2017 07:15

Quando a acessibilidade se torna prioridade

Por Eduardo L'Hotellier (*)

Ao longo do desenvolvimento de uma startup nos deparamos com diversos desafios que visam a melhoria da experiência dos usuários. Isso vai desde verificar necessidades básicas de uso até entender como a tecnologia pode melhorar a vida das pessoas, especialmente daquelas que mais precisam.

Nem toda plataforma digital é inclusiva, mas todas podem buscar formas de serem mais acessíveis. Com essa premissa, tenho buscado durante minha trajetória no GetNinjas [1] encontrar meios de tornar o
aplicativo mais acessível a todos os tipos de usuários, incluindo quem possui necessidades especiais de uso.

Recentemente, relatamos uma história de sucesso especial dos profissionais cadastrados no GetNinjas. Marcela Mahayana [2], professora de canto e deficiente visual, nos contou que usa o aplicativo com o auxílio do assistente de voz VoiceOver do iOS para conseguir alunos. Segundo ela, o aplicativo foi determinante para alcançar a tão sonhada
independência financeira.

Essa história nos comoveu e reforçou o tamanho do impacto social que nossa plataforma possui. Com isso, vemos também a responsabilidade que temos, em termos tecnológico e humano, de ajudar a evoluir esses processos e tornar o mercado de serviços mais acessível.

Assim como a Marcela, milhares de brasileiros ainda têm dificuldades de acesso à tecnologia, seja porque possuem necessidades especiais, sinal de internet ainda falho, uso de dispositivo móvel com recursos limitados ou, simplesmente, pela dificuldade de lidar com novas tecnologias.

Sempre digo que a tecnologia é a ponte que permite mudanças construtivas na sociedade. Empresas como Hand Talk [3], ProDeaf [4],  Projeto Giulia [5] e HooBox [6] nasceram de ideias que têm a inovação como instrumento para solucionar problemas de acessibilidade, como assistentes de voz para uso de smartphone por deficiente auditivo,
assistente virtual em libras, leitor de QR-Code para tradução de embalagens, programa que usa inteligência virtual para permitir a mobilidade de pessoas tetraplégicas, dentre outros.

Hoje no Brasil mais de 45 milhões de pessoas possuem algum tipo de deficiência, isso é o equivalente a cerca de 24% da população do país, segundo dados do IBGE. Essa é uma população altamente produtiva e que pode agregar um alto valor à economia.

Diante de números tão expressivos, torna–se cada vez mais importante que tanto startups quanto empresas já estruturadas comecem a pensar e desenvolver iniciativas para inclusão social. Somente assim será
possível amenizar obstáculos e buscar uma maior inclusão da sociedade, em todos os âmbitos, de forma a possibilitar um melhor convívio e a promoção da cidadania para todos.

 

(*) Eduardo L’Hotellier é CEO do GetNinjas

A corda arrebenta para todos
Ao pensar na África, geralmente formamos imagens com exuberância de recursos naturais. Falta de água nos remeteria aos desertos daquele continente, e...
Os três pilares do aprendizado
A educação brasileira passa por um profundo processo de transformação com a implantação da nova Base Nacional Comum Curricular. Precisamos estar pron...
O país onde tudo é obrigatório
Nos Estados Unidos, na França e na Inglaterra, as regras ou são obedecidas ou não existem, por que nessas sociedades a lei não é feita para explorar ...
Universidade pública e fundos de investimento
  A universidade pública não é gratuita, mas mantida pelos recursos dos cidadãos. E por que a Constituição brasileira escolheu determinar esse tipo d...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions