A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 25 de Junho de 2018

03/02/2015 16:12

Razão ou emoção: o que prevalece na hora das suas compras?

Por Lélio Braga Calhau (*)

É interessante a observação de como as pessoas lidam com o dinheiro. Cada um tem um jeito peculiar de agir. Uns buscam usar só a emoção, outros gastam preponderantemente com a razão. A imensa maioria está no meio do caminho: ora prevalece a razão, ora prevalece a emoção. E o pessoal de marketing sabe (muito bem, por sinal) disso.

Conversando com vendedores de veículos, rapidamente eles "entregam o jogo" ao afirmar que uma venda de carro novo é preponderantemente fechada com base nas emoções. Muito bem treinados, eles sabem bem o poder de certas frases na cabeça dos compradores: "Você merece isso", "Sua família vai adorar", "A prestação cabe facilmente no seu bolso", etc. A emoção aflora com força e a venda é feita.

Quando for comprar, reflita melhor sobre os prós e contras da aquisição daquele produto ou serviço, e fique atento à postura do vendedor. No geral, ele está bem preparado e sabe de sequências de frases que podem abrir as portas do bolso dos mais desavisados. O ambiente da loja já está todo maquiado para influenciar você a fechar uma compra.

Ou você acha que aquele monte de papel picado no chão reforçando a "confiabilidade" de uma liquidação, a música agradável e com uma sensação muito positiva aumentando levemente a sua ansiedade, as cores, etc., estão ali só por coincidência? Claro que não! Tudo foi estudado previamente e preparado para influenciar a sua percepção e fazer você comprar sem utilizar tanto a razão, mas quase somente a emoção.

O exemplo acima dos vendedores de veículos é gritante, mas é tudo muito fácil de perceber no resto da sociedade (quando se está atento a isso). Repare na posição dos produtos nas gôndolas dos supermercados - eles estão colocados de uma forma que incentivam você a consumir mais. Já notou como o tamanho do carrinho padrão do supermercado vem crescendo de forma gritante? Isso acontece porque existe uma predisposição do consumidor a comprar até a borda do carrinho. Carrinho maior, compra maior.

Seria uma inocência dizer pra consumirmos tudo com 100% de razão. Acho que nem isso é possível, de fato. Razão e emoção fazem parte de nossa vida de forma integrada. Mas, fique atento e proteja o seu dinheiro! Você é bombardeado diariamente centenas de vezes com estímulos, previamente (e muito bem) preparados pelas estratégias de marketing para que você consuma mais e mais. Eles executam bem o trabalho deles e nós, consumidores, fazemos nossa parte também não caindo em técnicas conhecidas, que podem nos levar ao tão temido endividamento. Depois do mal causado, não há estratégia de marketing que te ajude. O prejuízo, então é todo seu.

(*) Lélio Braga Calhau é Promotor de Justiça de defesa do consumidor do Ministério Público de Minas Gerais. Graduado em Psicologia pela UNIVALE, é Mestre em Direito do Estado e Cidadania pela UFG-RJ e Coordenador do site e do Podcast "Educação Financeira para Todos".

A corda arrebenta para todos
Ao pensar na África, geralmente formamos imagens com exuberância de recursos naturais. Falta de água nos remeteria aos desertos daquele continente, e...
Os três pilares do aprendizado
A educação brasileira passa por um profundo processo de transformação com a implantação da nova Base Nacional Comum Curricular. Precisamos estar pron...
O país onde tudo é obrigatório
Nos Estados Unidos, na França e na Inglaterra, as regras ou são obedecidas ou não existem, por que nessas sociedades a lei não é feita para explorar ...
Universidade pública e fundos de investimento
  A universidade pública não é gratuita, mas mantida pelos recursos dos cidadãos. E por que a Constituição brasileira escolheu determinar esse tipo d...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions