A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 22 de Outubro de 2019

27/04/2018 06:25

Recolhos

Por Francisco Habermann (*)

Inventei o título acima. O substantivo ‘recolho’ não existe nos dicionários. Faço uso dessa invenção para designar o recolhimento e escolha dentre as ideias que rodeiam a cachola quando preciso de assunto. Hoje, escolhi uma que tem a ver com a experiência de vida.

Vejam como as coisas acontecem. Na nossa vida comum, essa do dia-a-dia, correndo de cá-prá-lá, ela é tão cheia de atividades que a gente pensa não ter espaço para mais nada. Essas atividades cumulativas deixam marcas. Aí começo a pensar no tempo.

Os físicos dizem que o tempo não existe. Já os filósofos afirmam que é com o tempo que nos modificamos e melhoramos nossos pensamentos. Então, fico com a biologia que sinaliza o tempo com as marcas do nosso corpo orgânico. Temos marcas no corpo e também na alma que surgem com a somatória dos tic-tacs do relógio existencial. Ali, o tempo fala por sinais.

O bom é que as marcas no nosso corpo podem nos ajudar e são lembradas por almas bondosas que nos socorrem até em ocasiões festivas com a intenção de amenizar os sinais corporais. Fico feliz quando acontece comigo e agradeço sempre. Pergunto aqui se isso não acontece também com os leitores.

Assim, aquele tênis bonitão e macio presenteado pode ter a função de nossa proteção corporal, aumentando a segurança no nosso andar; aquele chinelo macio lembrado aquece nossos pés gelados no inverno; o celular diferenciado foi sugerido justamente para facilitar a nossa deficiente comunicação de quem já anda se esquecendo até das planilhas do trabalho ou das obrigações pessoais; a oferta daquela palmilha especial para os pés encaroçados e doloridos ajuda no nosso andar; a meia elástica específica para melhorar a prática esportiva ou, mesmo, para comprimir as varizes dos membros inferiores reduz a dor e o cansaço muscular diário; aquelas luvas oferecidas no último aniversário protegem as mãos no esforço maior.

De minha parte, só não recebi, ainda, pacotes de fraldas protetoras... Bem, esse item nem queria aqui citar.

O tempo dirá!

(*) Francisco Habermann é professor da Faculdade de Medicina da Unesp em Botucatu. Contato: fhaber@uol.com.br. 

Um olho no peixe, outro no gato
O agro brasileiro poderia ser bem mais assertivo em sua comunicação com os mercados, aqui e no exterior. Falar mais das coisas boas que faz, seguindo...
Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...
Sem comunicação não há evolução
Os líderes do agronegócio hoje concordam que precisamos dialogar muito mais com a sociedade urbana, pois sem isso não teremos aderência nas necessida...
A Ciência e o desenvolvimento: o óbvio que deve ser lembrado
Um país só se desenvolve se tiver ciência sólida que se transforme em tecnologia empregada pelo setor produtivo. Isso tem sido sobejamente demonstrad...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions