ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
ABRIL, QUINTA  18    CAMPO GRANDE 24º

Artigos

Regulação do uso de dispositivo de realidade mista em local de risco

Por Cleylton Mendes Passos (*) | 24/02/2024 13:30

À medida que mergulhamos na era da realidade mista, dispositivos inovadores como o Apple Vision Pro e o Meta Quest 3 estão na vanguarda, redefinindo não apenas a maneira como interagimos com o mundo digital, mas também como nos movemos e vivemos no espaço físico.

Essa fusão entre real e virtual promete revolucionar nossas experiências diárias, oferecendo uma imersão que desafia as fronteiras do possível. No entanto, esse avanço tecnológico traz consigo questões prementes sobre segurança e bem-estar.

Multiplicam-se nas redes sociais os registros (muitas vezes irresponsavelmente orgulhosos) de usuários desses dispositivos em momentos e locais onde sua atenção plena ao ambiente deveria ser crucial — seja atravessando ruas movimentadas, conduzindo veículos, ou mesmo durante atividades físicas intensas.

Essas situações evidenciam a necessidade de uma discussão imediata sobre como podemos salvaguardar a integridade dos usuários e do público em geral, sem coibir a inovação e o entusiasmo que tais tecnologias despertam.

A solução parece residir na implementação de legislações específicas, direcionando os fabricantes a integrar medidas de segurança que previnam o uso impróprio, garantindo que a promessa de um futuro imersivo não se transforme em um vetor de riscos incontornáveis.

Este é o momento de ponderar: como balancear a empolgação da inovação tecnológica com a imperiosa necessidade de proteção ao usuário e ao coletivo, delineando um caminho responsável para o avanço da realidade mista?

Consequências e responsabilidades do uso de tecnologia imersiva em ambientes de atenção plena - À medida que nos aprofundamos na era da realidade mista, com tecnologias imersivas e mistas, redefinindo as fronteiras do possível, emergem desafios significativos relacionados à segurança e ao bem-estar público.

A promessa de imersão e interação sem precedentes, que esses dispositivos oferecem, traz consigo um espectro de riscos de uso em determinados ambientes e locais, evidenciados por uma série de incidentes preocupantes.

E esta desconexão não apenas expõe os usuários a perigos iminentes, como também ameaça à segurança de terceiros, criando uma zona cinzenta de responsabilidades e riscos.

Flagrantes em vídeo de usuários atravessando ruas movimentadas, dirigindo veículos ou engajando-se em atividades físicas enquanto utilizam esses dispositivos, sublinham uma desconexão alarmante com o ambiente real.

Exemplos da utilização inconsequente destes dispositivos se multiplicam. Um caso marcante dessa tendência foi o registro de um vídeo viral onde um homem aparece dirigindo um veículo da Tesla enquanto usava o Apple Vision Pro, ilustrando um nível de imprudência e a potencial gravidade das consequências de tais ações.

São em razão de questões situacionais como essa (que se multiplicam ao longo dos dias) que salientam a imperiosa necessidade de regulamentações específicas que restrinjam o uso de dispositivos de realidade mista em contextos que possam comprometer a segurança dos próprios usuários e de terceiros.

A necessidade de exigir bloqueios no funcionamento de dispositivos de realidade mistas em fora de “zonas seguras” - Os fabricantes, embora pioneiros na criação de mundos virtuais imersivos, devem encarar e assumir o desafio de garantir que essas experiências não obscureçam o senso de presença e responsabilidade no mundo real.

Devem ser deles exigidos o desenvolvimento e aplicação de bloqueios automáticos que detectem quando o usuário estiver fazendo uso destes óculos virtuais quando em movimento ou em áreas de risco, promovendo um uso mais consciente e seguro.

A educação do usuário sobre os perigos potenciais e a promoção de um diálogo sobre a coexistência segura da realidade mista com o cotidiano são relevantes, mas contar apenas com consciência do consumidor é ilusório e temerário.

Será a implementação de legislação que regulamente onde e como esses dispositivos podem ser utilizados é que fará do conselho ou orientação (que muitas vezes não passam de caixas de textos nunca lidas) a efetiva restrição e segurança dos próprios usuários e de terceiros.

Leis e regulamentos próprios deveriam definir “zonas de exclusão” para o uso de realidade mista. E se neste momento o leitor acredita que essa sugestão é, deveras, arbitrária, deve este lembrar-se de que regulações semelhantes às restrições como essa já existem para o uso de dispositivos móveis durante a condução, por exemplo.

É fundamental estabelecer diretrizes claras para fabricantes e usuários, equilibrando inovação com segurança pública.

Os exemplos internacionais de regulação - Ao explorar exemplos internacionais de regulação sobre tecnologias de realidade mista, identificamos abordagens inovadoras e considerações importantes que poderiam informar a formulação de políticas neste campo emergente.

Uma discussão relevante realizada no AR/VR Policy Conference de 2021 destacou os riscos legais do uso de tecnologias de AR e VR e sobre como a política pública pode moldar o desenvolvimento e uso responsável dessas tecnologias.

O Deloitte Insights salienta a importância de considerar as implicações únicas de privacidade e governança de dados que surgem com o AR/VR.

A necessidade de coletar grandes quantidades de informações sobre indivíduos e seus arredores para fornecer experiências imersivas levanta questões críticas sobre como esses dados são gerenciados e protegidos. Tal cenário ressalta a responsabilidade dos desenvolvedores e reguladores em assegurar que o público tenha clareza sobre o uso e a gestão de seus dados.

A partir desses diálogos, emerge a recomendação para que políticas abrangentes e leis de privacidade sejam adaptadas para serem tecnologicamente agnósticas, permitindo assim que sejam eficazes não apenas no presente, mas também no futuro, conforme novas tecnologias continuam a evoluir. Essa abordagem não apenas protege os usuários, mas também fornece uma base sólida para que empresas desenvolvam novas tecnologias de forma responsável e ética.

A inclusão de preocupações com segurança, privacidade, acessibilidade e inclusão desde o início do desenvolvimento de tecnologias de realidade mista é fundamental. Isso garante que tais inovações possam beneficiar o maior número possível de pessoas, ao invés de serem adaptadas posteriormente para atender a essas necessidades.

O engajamento com comunidades de stakeholders para alcançar um acesso mais equitativo e a concepção de dispositivos fisicamente utilizáveis por um conjunto diversificado de indivíduos são passos cruciais para fomentar a adoção generalizada e impulsionar a inovação.

Portanto, ao considerar a regulação de tecnologias de realidade mista, é vital buscar um equilíbrio que promova a segurança e a privacidade dos usuários, ao mesmo tempo em que encoraja a inovação e a inclusão.

As experiências internacionais oferecem valiosas lições sobre como abordar esses desafios de maneira eficaz, informando políticas que podem ajudar a moldar o futuro dessa tecnologia promissora.

A harmonia entre os universos “on/off” - A ascensão da tecnologia de realidade mista e a imperiosa necessidade de regulamentação adequada é indispensável para garantir tanto a segurança pública quanto a continuidade da inovação tecnológica.

Neste momento de transformação tecnológica sem precedentes, é fundamental que fabricantes, usuários, reguladores e outras partes interessadas engajem-se em um diálogo aberto e construtivo para que se possa desenvolver um quadro regulatório que assegure a segurança e a privacidade dos usuários, ao mesmo tempo em que se promove um ecossistema de inovação vibrante e inclusivo.

A tecnologia de realidade mista oferece um potencial imenso para transformar nossa maneira de viver, trabalhar e interagir, mas apenas se navegarmos seus desafios com cuidado e a consideração holísticas de todos os seus aspectos, inclusive de seus riscos.

Este é o momento de agir com visão, responsabilidade e um compromisso compartilhado com o bem-estar coletivo, moldando um futuro (cada vez mais presente) em que a tecnologia de realidade mista possa florescer de maneira segura e produtiva para todos.

 (*) Cleylton Mendes Passos é advogado, especialista em direito digital pela EBRADI, especialista em proteção de dados e especialista em direito empresarial pela FGV/MMurad.

Os artigos publicados com assinatura não traduzem a opinião do portal. A publicação tem como propósito estimular o debate e provocar a reflexão sobre os problemas brasileiros.

Nos siga no Google Notícias