A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 24 de Junho de 2018

09/06/2017 14:11

Saúde e tecnologia, uma relação complexa

Por Renan da Cunha Soares Júnior (*)

Uma coisa não se pode negar, o mundo evoluiu tecnologicamente nas últimas cinco décadas muito mais que nos demais séculos juntos. E os impactos dessa evolução tecnológica tem transformado a vida em sociedade e acarretado efeitos positivos e negativos.

Se por um lado, com um pequenino delay, se pode conversar por vídeo com alguém que esteja do outro lado do mundo usando um aparelho que muitas pessoas tem no bolso, existem pessoas que estando na mesma mesa não trocam duas palavras durante uma refeição conjunta, pois estão constantemente usando um smartphone.

Viagens de muitos quilômetros que duravam dias, de trem ou carro de boi, hoje pode ser feitas em algumas horas num automóvel comum. Mas há também quem não vá até a padaria ou ao mercadinho a 100 metros de sua residência sem usar um carro ou motocicleta.

A tecnologia, como tudo na vida, tem prós e contras e quem pode maximizar ou minimizar seus impactos, somos nós que decidimos como usá-la. Mas e como saber qual o ponto de equilíbrio? Simples, quando começam a haver prejuízos diretos na saúde pessoal e coletiva, que poderiam ser evitados com mudanças comportamentais no cotidiano.

Quem não conhece pais, professoras e gestores preocupados com uso excessivo de smartphones e mídia sociais entre seus grupos cotidianos, por entenderem que podem trazer prejuízo ao seu desempenho? Ou quem pense em usar menos o automóvel para resolver problemas de excesso de peso e outras doenças que geralmente são associadas a ele?

O fato é que quando o uso de tecnologias passa a prejudicar a saúde, as habilidades sociais e mesmo o desempenho laboral precisa ser revisto. Movimentos nesse sentido tem sido feitos por grupos de amigos que ao se encontrarem, desligam ou guardam os celulares para aproveitar melhor a interação face a face.

Algumas famílias tem colocado regras de uso de celular durante refeições e atividades em conjunto. Empresas tem restringido o uso de smartphone durante o expediente e flexibilizado horários para auxiliar quem utiliza esquemas coletivos de carona ou bicicleta, como formas de se transportar no roteiro casa-trabalho-casa.

Duas décadas atrás foi preciso regrar o uso do cigarro e do celular, para manter a convivência coletiva em níveis aceitáveis e privilegiando o bem comum. O caminho agora, também precisa ser construído coletivamente, procurando o equilíbrio e buscando utilizar a tecnologia como instrumento de crescimento e não de deterioração das relações, da saúde e do meio ambiente.

(*) Renan da Cunha Soares Júnior é psicólogo, coordenador do curso de Psicologia da UCDB e doutorando em Psicologia pela UCDB

Os três pilares do aprendizado
A educação brasileira passa por um profundo processo de transformação com a implantação da nova Base Nacional Comum Curricular. Precisamos estar pron...
O país onde tudo é obrigatório
Nos Estados Unidos, na França e na Inglaterra, as regras ou são obedecidas ou não existem, por que nessas sociedades a lei não é feita para explorar ...
Universidade pública e fundos de investimento
  A universidade pública não é gratuita, mas mantida pelos recursos dos cidadãos. E por que a Constituição brasileira escolheu determinar esse tipo d...
Uma nobre atitude de cidadania e espiritualidade
A solidariedade é intrínseca à condição humana, um dever moral que vai além da dimensão religiosa, pois todos somos gregários e frágeis. A bondade é ...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions