A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 28 de Fevereiro de 2017

12/11/2013 10:03

Se pedir demissão, vou perder meus direitos! o que há de verdade nisso?

Por Silvio Lemos (*)

“Se pedir a conta, vou perder todos meus direitos”. Quando o trabalhador não está satisfeito no emprego, é o que mais se ouve dizer por aí. Entretanto, o que poucos tem conhecimento é que isso não é verdade.

Naturalmente, a relação entre empregado e empregador não é eterna e, antes mesmo que a morte os separe, não está imune aos desgastes que resultam no rompimento desse vínculo. Se a intenção partir do trabalhador, por conta de ilegalidades cometidas pelo patrão, poderá acionar a Justiça do Trabalho solicitando a “quebra do contrato”, denominada rescisão indireta. Agora, se não existe culpa do empregador, a única saída prevista em lei é o pedido de demissão.

Ao se demitir, o empregado terá direito ao recebimento dos dias trabalhados, 13º e férias acrescidas de 1/3. Ou seja, o trabalhador não sai sem nada por ter dado causa a rescisão. De outro lado, não poderá sacar o FGTS, à multa de 40% sobre o montante dos depósitos e, do seguro-desemprego, que, diga-se, é o maior objeto de cobiça de muitos.

A propósito, quando empregado e empregador se unem, mascarando a realidade, para o levantamento do FGTS e recebimento do seguro-desemprego, no conhecido “acordo”, agem de maneira ilegal! Se a conduta chegar às autoridades, ambos podem responder criminalmente por estelionato.

Mas para que o trabalhador que pede demissão tenha direito a um “acerto”, a lei exige que ele não surpreenda o patrão com a demissão. É necessário que avise, com antecedência mínima de 30 dias, que pretende se desligar e que cumprirá o período de aviso prévio.

O que mais se vê na prática é o trabalhador pedir demissão e sair imediatamente. Nestes casos, o empregador tem o direito de descontar, daquele valor a ser recebido pelo empregado, os dias de salário correspondentes ao aviso prévio não cumprido. Assim, o desconto acaba por abocanhar boa parte do que teria para receber, sem falar que, em muitas vezes, não sobra nada.

Sugiro que, Para os que forem cumprir o aviso prévio, comuniquem essa decisão por escrito ao empregador. Vale dizer que, nessa circunstância, é do empregado a obrigação de providenciar o documento e, ainda que seja feito de próprio punho, terá validade. Em duas vias, assine uma delas e entregue ao empregador; na outra solicite a assinatura do patrão ou de alguém que o represente (gerente, encarregado de RH, etc.).

Recomendo ainda que esse comunicado seja bem guardado, pois poderá ser útil no futuro, já que, há algumas situações em que, mesmo o empregado tendo cumprido o aviso, o empregador elabora o termo de rescisão descontando o respectivo valor na tentativa de lesar o trabalhador.

Considerando que a maior parte avisa apenas verbalmente, como a obrigação de cumprir o período é do empregado, não tendo nada por escrito, numa eventual discussão judicial seria sua palavra, dizendo que avisou, contra a do patrão alegando que foi pego de repente com a demissão. Portanto, existe grandes chances que a atitude do empregador prevaleça como válida.

E se o patrão disser que não precisa cumprir o aviso? Peça para que ele escreva , no mesmo documento, essa liberação. Com isso, se descontar o aviso, será ilegal.

Enfim, se o empregado avisar previamente que deseja se demitir, terá direito a alguma quantia ao término do vínculo. Senão é muito provável que saia com uma mão na frente e outra atrás!

(*) Silvio Henrique Lemos é jornalista e analista judiciário do Tribunal Regional do Trabalho de Mato Grosso do Sul.

silviolemos@terra.com.br

A bolha da saúde brasileira está prestes a explodir
A crise econômica e o crescente índice de desemprego da população brasileira refletiram diretamente no setor da saúde. Recente estudo revelou que mai...
Marchinhas do coração
Sei que existem as marchinhas preferidas do coração. São as do passado ou do presente, mas não é delas que quero falar, e, sim, do sofrido coração br...
Reforma da Previdência: aprofundando o deserto na vida dos trabalhadores
O cinema enquanto “sétima arte” muitas vezes busca retratar realidades cotidianas na telona. Não foi diferente o filme “Eu, Daniel Blake”, ganhador d...
O dilema das prisões brasileiras
No último mês de janeiro assistimos, estarrecidos, às rebeliões nos presídios de Manaus, Boa Vista e Natal. As cenas de corpos sem cabeças chocaram a...



Oriente teu colega.
1- Tirar cópias d todos documentos solicitados (eletro, )
2- Exigir cópia da demissão assinada p/ empresa.
3- Assim que receber o papel da demissão, enviar um e_mail para a concessionária onde estava comprando a caminhonete, lamentando o ocorrido em função da (blá, blá, ...).
4- Com a maior cara de pau ir numa consulta com um psicólogo(a) e falar que está deprimido, chorou, está vergonhoso diante dos filhos, se receitar remédio antidepressivo, vai na farmácia compra e guarda as notas fiscais (não precisa tomar).
5- Passa e_mail p/ parentes (ou Bruno Nunes) falando q agradece mas não vai poder "viajar, blá, blá..."...
6- Procurar o advogado + "bandido, aquele q n perde causa trabalhista" e firmar contrato para com x% de custo. Vai de 5% a 25%. Fale da Merck c/ seu pai
 
bruno nunes em 12/11/2013 11:17:18
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions