A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 22 de Outubro de 2019

06/02/2013 11:10

Ser senador

Por Ruben Figueiró de Oliveira

É uma honra imensa; porém, uma responsabilidade muito maior. Estou consciente das duas. Como proclamei em pronunciamento da tribuna do Senado – aliás, o de estréia - ser Senador nessa fase de minha existência foi um propósito que não almejei, não procurei; as circunstâncias decorrentes da licença do titular da cadeira, Senador Antonio Russo, foram as que a ela me levaram.

Nada obstante ter certa experiência nas lidas parlamentares, eis que fui Parlamentar por um longo período, 20 anos, sempre ocorrem novidades quando a elas se retornam, como no meu caso. Confesso que pensava que as atividades de um Senador fossem mais leves, para os meus ombros, do que as de um Deputado Federal. Ledo engano. A barra aqui é pesada e para cumpri-la tenho comparecido diariamente ao Senado, ao redor das oito e trinta da manhã e a deixando lá pelas dezenove horas e, anotem, ainda não se iniciaram os trabalhos de plenário e das comissões temáticas.

Tudo isso sem considerar as futuras sessões conjuntas do Congresso Nacional (Senado e Câmara), as quais a mesa diretora do Congresso acicatada pela opinião pública através da imprensa promete convocar sessões para apreciação de uma gama milenar de vetos presidenciais lá engavetados, talvez, desde o Governo Fernando Henrique.

Não se pode deixar de considerar tempo para audiências nos ministérios, função importante de um senador para reivindicações específicas de interesse de nosso Estado. O levantamento de informações precisas sobre temas que desejo levar a debate em plenário através de pesquisas de opinião abalizadas, têm exigido muito do meu tempo e cuidadosa atenção.

Enfim, estou consciente do meu dever. Minhas forças, minha inteligência estarão atentas, enquanto perdurar meu mandato a serviço do meu Estado, que tenho a honra de também representar ao lado dos Senadores Delcídio Amaral e Waldemir Moka.

"Ser Senador não é biscoito", disse-me um cidadão ao cumprimentar-me quando adentrei na portaria daquela Alta Casa. Não foi só ele; o meu querido amigo e colunista Valfrido M. Chaves, pantaneiro de alma e coração, em recente escrito também chamou minha atenção para que eu “aguentasse o cheiro” por aqui. A advertência está anotada.

*Ruben Figueiró é senador (PSDB/MS)

Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...
Sem comunicação não há evolução
Os líderes do agronegócio hoje concordam que precisamos dialogar muito mais com a sociedade urbana, pois sem isso não teremos aderência nas necessida...
A Ciência e o desenvolvimento: o óbvio que deve ser lembrado
Um país só se desenvolve se tiver ciência sólida que se transforme em tecnologia empregada pelo setor produtivo. Isso tem sido sobejamente demonstrad...
Sonho, urgência e economia verde
Vivemos uma utopia. A ideia de que as utopias acabaram é falsa. Quem está imerso nessa fantasia não percebe, mas vivemos a utopia da técnica e do con...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions