A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 23 de Outubro de 2019

10/01/2011 13:51

Sonhando o futuro gerenciado por mãos de mulher

Por Maria Newnum (*)

O dia primeiro de janeiro de 2011 chegou iluminado pelas luzes da democracia. O Brasil e o mundo assistiram um fato histórico que sepultou, por definitivo, a ultrapassada concepção de que lugar de mulher é na cozinha.

Para o Brasil, com seus 121 anos de República presidido exclusivamente por homens, apesar de composto por uma maioria feminina, a chegada de uma mulher no comando do país tardou a efetivar-se. Contudo, nesse trajeto, a caminhada sobrepôs-se ao destino que hora se assiste conquistado por Dilma Vana Rousseff.

Primeiramente há de se destacar que, independente da atual Presidenta não ter cumprido a trajetória de sucessivas disputas nas urnas, sua dedicação desde a juventude às causas políticas, vislumbrando a construção de uma sociedade democrática e longe do “silêncio” brutal da ditadura, atesta que a chegada ao ponto de destino nem sempre faz jus ao caminhante.

Veja, por exemplo, histórias como as de Che Guevara, Martin Luther King e Frei Tito de Alencar Lima. Todos morreram antes de chegar ao destino. Frei Tito cometeu suicídio por não conseguir desvencilar-se dos algozes do mesmo regime da ditatura brasileira que manteve a atual Presidenta eleita por 3 anos em cárcere privado; submetida a pelos menos 22 dias seguidos de tortura física e pscológica. Daí, vale reafirmar que a caminhada sobrepõem-se ao destino. E o destino se faz no caminhar.

Os olhos da nação que marejaram ao assistir a Primeira Mulher assumindo a Presidência da República refletem o olhar de esperança para o futuro, onde mulheres e homens são desafiados/as a assumirem papeis de transformação em seus espaços de atuação, seja familiar, de trabalho secular, na educação, na política, e, em especial, nos espaços eclesiásticos; tão absortos pelo ostracismo obsequioso, que muito contribuiu para o mais vergonhoso período histórico no Brasil, marcado pelo regime militar e ditatorial do qual a Presidenta eleita é sobrevivente.

Não há porque esperar o surgimento de “mentes brilhantes” para guiar nossos passos ou mentes. Somos todos nós, mulheres e homens, dotados de brilhantismo próprio. Sermos Confessantes de uma “causa relevante” em nossos espaços de vivências é fundamental para orientar nosso futuro.

Se, a partir do dia primeiro de Janeiro de 2011, seremos governados/as por mãos de uma de mulher na Presidência e de mais 9 Ministras mulheres, é porque um dia houve um sonho...

Sobretudo, a ascensão de uma mulher vitimada pela ditadura militar, finalmente, fecha um ciclo de violência e inaugura um Novo Tempo. Tendo-a como Comandante das Forças Armadas Nacionais ver-se-á, sonha-se, a conclusão dos reparos às famílias das vitimas do regime militar; reparos esses, começados por seu antecessor, o também perseguido pela ditadura, Luiz Inácio Lula da Silva.

Sonha-se ainda com um Brasil livre de violência contra mulheres brancas, indígenas e negras. Sonha-se com punições exemplares, geridas pelas mãos dessa mulher, aos políticos corruptos que sugam do povo pobre o dinheiro destinado à saúde, habitação e educação. Sonha-se com um país mais justo, onde as prisões deixem de ser “depósitos de lixo humano” e se tornem, de fato, lugar de reabilitação e ressocialização...

Sonha-se, ainda, que o Brasil, gerenciado por mãos de mulher, seja absolutamente comprometido com todas as liberdades, inclusive a liberdade de imprensa e religiosa.

Vida longa à Presidenta Dilma Vana Rousseff. Deus Salve as Américas...

(*) Maria Newnum é pedagoga e mestre em teologia prática.

Compliance: benefícios práticos nas empresas
Um dos principais patrimônios de uma organização é, sem dúvidas, sua reputação, que pode ter impacto tanto positivo como negativo nos negócios. Indep...
Um olho no peixe, outro no gato
O agro brasileiro poderia ser bem mais assertivo em sua comunicação com os mercados, aqui e no exterior. Falar mais das coisas boas que faz, seguindo...
Como transformar a nossa relação com a natureza?
Falar em meio ambiente não é algo abstrato. Se traduz no ar puro que respiramos, na água que bebemos e na fauna e flora que nos cercam. Somos depende...
Sem comunicação não há evolução
Os líderes do agronegócio hoje concordam que precisamos dialogar muito mais com a sociedade urbana, pois sem isso não teremos aderência nas necessida...


É vergonhosa e insensata a opinião de determinadas pessoas que ainda vivem saboreando as vantagens que o regime ditatorial trouxe às suas famílias e interesses pessoais. Tentam, a todo custo, justificar o anos de chumbo e arbítrio que este País viveu sob a sombra de calabouços e intermináveis sessões de tortura. Só quem vivenciou este lado negro da nossa história sabe a importância da liberdade de ir de vir. Aqueles, como o Sr. (prefiro não escrever o seu nome porque nem disto ele é digno) que postou o seu comentário em 10 de janeiro de 2011 - segunda às 14:21, é um autêntico exemplar daqueles paridos pelo regime...
Às mulheres tudo! Tudo porque delas viemos para a vida. Tudo porque a Democracia é feminina e começa com "D". Aos canalhas e insatisfeitos: nada!
 
Pablo Ramenzzoni em 10/01/2011 09:19:09
Depois do que li acima, me calo...governados por uma guerrilheira , que até um consul americano sequestrou..dizer vida longa? viva a democracia? veremos minha nobre..veremos..o aumento do salario na surdina ja teve..o que mais nos reservara o futuro?..imaginemos..e com sorte nao cometeremos suicidio coletivo
 
marcelo gomes em 10/01/2011 02:21:21
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions