A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 19 de Outubro de 2017

02/05/2014 15:10

Tarefa ingrata e inglória defender o que é seu?

Por Gregorio Vivanco Lopes (*)

Organizar-se em quadrilha para esbulhar a propriedade alheia, além de crime pela lei penal, é pecado contra o 7º e 10º Mandamentos. Não apenas individual, mas social. Nessas condições, como explicar que o governo brasileiro e a “esquerda católica” apoiem o MST?

Alguns exemplos ilustram o que estamos dizendo.

1 — Na Praça dos Três Poderes, em Brasília, o MST se entregou a depredações, arrebentando as grades que defendem o prédio do Supremo Tribunal Federal (STF) e derrubando as que protegem o Palácio do Planalto. Agrediram os policiais que defendiam bens públicos, deixando 30 deles feridos, sendo oito com maior gravidade.

2 — Esse vandalismo foi parte de um Congresso do MST, financiado com dinheiro público, no valor de R$ 1.548.000,00, provenientes da Caixa Econômica Federal, do BNDES, da Petrobrás e do INCRA.

3 — O Ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Gilberto Carvalho, procurou minimizar a caráter altamente agressivo dos manifestantes: “O que acontece é muito comum. Vem uma molecada e empurra a grade”. "Eles têm que fazer pressão mesmo". Para esse ex-seminarista, o MST “é um movimento legítimo”.

4 — No dia seguinte aos atos vandálicos, os líderes do MST foram recebidos pela presidente Dilma Rousseff, que lhes prometeu apoio.

5 — Assim como as invasões do MST, também as dos quilombolas e índios — todas devidamente orquestradas — transgridem a lei. O governo, em lugar de ser um paladino no cumprimento do ordenamento legal, sente-se incomodado em ter que aplicá-lo e, por isso, quer modificá-lo.

Editorial do jornal O “Estado de S. Paulo” (3-3-14) informa: “Gente graúda do governo federal resolveu apoiar essa flagrante ilegalidade, travestindo-a de ‘justiça’". Gilberto Carvalho chegou a lamentar que o "aparelho de Estado" brasileiro, a começar pelo Executivo, que ele representa, seja obrigado a cumprir a "tarefa ingrata, inglória" de fazer valer o que está na lei, mesmo uma lei com a qual "sabidamente nós não podemos estar de acordo".

Carvalho expressa, assim, um mal-estar do governo em relação ao próprio Estado de Direito! Para driblar o Judiciário, Carvalho propõe que os conflitos saiam do âmbito judicial e sejam resolvidos por “mediação”. Para tal fim fundar-se-ia uma “escola de mediadores”, por certo toda ela alinhada com a esquerda católico-comunista.

Por sua vez, “um importante funcionário do Ministério da Justiça, o secretário de Reforma do Poder Judiciário, Flávio Caetano, declarou que é preciso ‘mudar a cultura jurídica do País, que é a cultura do processo, do litígio’ — como se o legítimo proprietário da terra não tivesse o direito óbvio de recorrer à Justiça para se queixar de quem a invadiu”.

Eis que a lei é transgredida, com apoio de órgãos do governo, evidentemente por razões ideológicas de esquerda. E a CNBB por que se cala?

(*) Gregorio Vivanco Lopes é advogado e colaborador da ABIM

Da hora, tio!
Confesso que estou com saudade dos tempos já vividos. Dos tempos em que às oito da matina as crianças já estavam na escola desde às sete e Marta e eu...
Automação não é só para call center
A automação de atividades tem sido bastante discutida nas empresas e na imprensa, mas por um viés “negativo”: a substituição dos homens pelas máquina...
Por onde começar quando se deseja mudar de carreira
Quero mudar de carreira, como escolho? Essa pergunta é mais comum do que imaginamos. Eu mesmo já passei por isto mais de uma vez, seja por não estar ...
De que maneira o setor de energia elétrica no Brasil sairá afetado pela crise?
Após uma seca severa que atingiu a geração de energia hidrelétrica e que forçou o País a recorrer para fontes de energia térmica, as chuvas voltaram ...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions