A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 14 de Novembro de 2018

05/06/2015 10:26

Terremoto: a energia incontrolável

Por Alberto Veloso (*)

Quase todos os terremotos são produtos do deslocamento das placas tectônicas e o que ocorreu no Nepal não fugiu a regra. A sismicidade em torno dos Himalaias está inserida em um contexto maior, envolvendo as placas Africana e Arábica, que, junto com a Indiana, também colidem com a Eurasiana para formar a faixa sísmica Alpino-Himalaia, a segunda mais ativa do mundo.

Estendendo-se do sul da Europa/norte da África, até as Filipinas, ela passa por países com históricos de terremotos fatais como o de Lisboa, em 1755, com magnitude (M) estimada 8.5-9.0, que matou cerca de 40 mil pessoas, ou o recente, em Sichuan, China, em 2008, com M7.9, que ceifou 70 mil vidas.

O sismo de 25 de abril, com M7.8 e a menos de 80 km da capital Kathmandu, teve efeitos devastadores, que resultaram não apenas da elevada magnitude, como da profundidade rasa, apenas 10 km, e com epicentro muito próximo de duas cidades populosas e com construções frágeis.

Quase instantaneamente, o sismo liberou uma enorme quantidade de energia, na forma de ondas sísmicas, que mexeram violentamente com o chão à medida que se deslocavam em alta velocidade. É como se a natureza, num repente, descarregasse a energia equivalente a 500 bombas de Hiroshima, ou a totalidade da produção de dois meses da hidrelétrica de Itaipu. Como resistir a tudo isto? Somente edificações construídas para suportar altas acelerações do terreno tendem a ficar de pé. De outra forma, caem como se de papel fossem.

Para piorar, o terremoto chacoalhou as encostas íngremes das montanhas ocasionando escorregamentos de terra e avalanches de neve, matando pessoas, destruindo e bloqueando acessos para levar socorro aos locais isolados. Se hoje a situação é difícil, amanhã também será, pois a recuperação de um país pouco desenvolvido é mais custosa, lenta e totalmente dependente de recursos externos. Por tratar-se de um processo longo, não é incomum que promessas feitas no calor do desastre não sejam cumpridas e caiam no esquecimento.

Recentemente, sismólogos franceses chamaram a atenção das autoridades nepalesas sobre a possibilidade de um forte tremor atingir o país, pois suas pesquisas mostravam a repetição de sismos fortes na região, a cada 80 anos, aproximadamente. Não se tratou de previsão sísmica, mas de um alerta importante que não costuma surtir efeitos em países com parcos recursos econômicos e com problemas sociais de toda ordem. Situação parecida aconteceu no Haiti, pouco antes do terremoto de M7 quase aplainar a capital do país e provocar o espantoso número de mais de 200 mil mortos, em janeiro de 2010.

Como os terremotos não podem ser previstos, resta preparar as cidades e os seus cidadãos para enfrentá-los. Isso exige conhecimentos diferenciados e maciços investimentos para planificar as cidades, reforçar edifícios antigos, construir os novos com códigos antissísmicos e treinar as pessoas para situações de emergência.

Istambul, São Francisco, Tóquio estão na lista de prováveis candidatas a sofrerem terremotos fortes, em um tempo não tão distante. Espera-se que estejam preparadas para evitar numerosas vítimas, pois é para isto que se planeja e se exercita a cultura da prevenção a desastres de qualquer natureza.

É totalmente certo que as placas tectônicas seguirão em movimento e os terremotos acontecendo. Mas não se sabe quando, nem onde e de que tamanho será o próximo sismo. Não existindo preparação adequada, outros episódios como o do Nepal continuarão chocando o mundo.

(*) Alberto Veloso é geólogo, ex-chefe do Observatório Sismológico da UnB e autor do livro "O terremoto que mexeu com o Brasil".

Eu sou eu e...
A busca de orientação para nortear nossas vidas nos proporciona caminhos os mais variados. Na medida em que essa busca se realiza por meios que se ba...
O Império Romano é aqui
Estudar História é uma das melhores formas de aprender. Quase tudo o que ocorre atualmente de alguma forma já ocorreu no passado. Se formos capazes d...
Melhorar o PIB e os empregos
Grande parte dos problemas do Brasil refere-se ao descontrole das contas internas e externas, da falta de dar atenção ao que é prioritário e aos horr...
Como destravar o comércio exterior
Como parece que o presidente eleito Jair Bolsonaro desistiu de incorporar o MDIC (Ministério da Indústria, Comércio e Exterior e Serviços ao Ministér...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions