A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 14 de Agosto de 2018

15/09/2017 13:40

Todo choque incomoda

Por Pedro Panhoca Silva

Que a arte muitas vezes foi feita para chocar, e não agradar, isso todos sabem. E esse recurso está longe de ser esgotado. A última polêmica ocorreu na exposição Queermuseu - Cartografias da Diferença na Arte Brasileira, a qual foi cancelada antecipadamente no dia 10/09. Em meio às comemorações e lamentações, fica a dúvida se a arte foi vítima ou criminosa, se é que essa culpa pode lhe ser atribuída.

A ideia foi trabalhar a ideologia queer - cuja proposta é defender que a identidade de gênero é produto de um constructo social e não uma verdade biológica pré-determinada, questionando o binarismo de gênero - na primeira exposição voltada exclusivamente a ela na América Latina. Quase cem anos após a polêmica (e agora reconhecida como fundamental) Semana de 22, mantém-se a média de algo novo ao público geral receber mais críticas negativas do que positivas.
Protestos acusaram o incentivo à pedofilia, à zoofilia e à sexualização precoce infantil, cenas que aparecem em algumas poucas obras expostas dentre as quase 300, que pouco provocam. Porém, o estardalhaço causado por essa minoria de amostras foi o suficiente para se acusar a curadoria de não cumprir o edital e ofender diversos grupos da sociedade brasileira.

Esquerdistas ou direitistas, religiosos ou não, reacionários e revolucionários precisam entender que liberdade de expressão não significa liberdade de ofensa. “Frescura” e “peculiaridade” são, muitas vezes, paradoxalmente sinônimos e antônimos. Se cristãos e hinduístas se sentem ofendidos em seres misturados, como visto na obra Cruzando Jesus Cristo com Deusa Schiva (1996) têm todo o direito de não cancelar a exposição, mas de lutar pela retirada dessa obra específica. Já Oxumaré (1980) parece não incomodar tanto. Se Cena de Interior II (1994), que resgata um tema tratado pelo consagrado Hokusai em O sonho da mulher do pescador (1820), for forte demais ao gosto geral, também precisará ser removida. Nem sempre a arte agrada a todos, e fica seu registro para posteriormente ser elevada a cult, vanguardista ou muito à frente do seu tempo – se merecer.

Assim como o professor que prepara uma aula que não agradou, o engenheiro que projeta algo que falhou e o médico que receita algo que não surtiu efeito, a arte também erra. E o grande erro dessa exposição não foi ter usado o apoio financeiro da Lei Rouanet (fontes variam ao relatarem quanto foi de fato concedido, algo em torno de 800.000 a 1 milhão de reais), mas de não ter alertado o público quanto ao seu conteúdo. Como numa aula improvisada em que tudo dá errado, os professores que levaram seus alunos à exposição também são culpados e deveriam ter o conhecimento prévio antes de conduzirem seus alunos a tal. Quem busca proibir a exposição também erra, pois confunde princípios básicos como a censura e o boicote. Boicotar todos têm direito se não gostam, e quem é influenciado é porque acredita ser parte dessa ideologia. E, por fim, ter a exposição cancelada demonstra o reconhecimento que a falta de agrado imperou no final, seja na repercussão das mídias locais e virtuais, que ganharam forte impulso nas últimas semanas.

Se a intenção foi chocar e propor reflexão, a exposição foi um sucesso. O debate está longe de ser terminado, até porque grupos de pessoas favoráveis à exposição querem-na novamente na ativa e em outras cidades. Os dadaístas bem sabiam: quem expõe assume as consequências, e lições são aprendidas para que se agrade (ou choque) mais da próxima vez.

(*)Pedro Panhoca da Silva é mestrando em Literatura do programa de Pós-Graduação em Letras da Unesp, Câmpus de Assis e Sabrina Nascimento de Alencar é graduanda em Letras pela Universidade de São Paulo (USP).

Vilões do século 21
Em 14 de julho de 2007, o Ginásio do Ibirapuera, em São Paulo/SP, recebeu milhares de pessoas do Brasil e Exterior, que participaram do 32o Fórum Int...
Pagando por erros passados
Dados da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB) mostram que as exportações de produtos manufaturados dos últimos três anos são menores do qu...
Pelo direito de saber
A informação adequada e clara sobre produtos é um pilar fundamental dos direitos do consumidor em qualquer parte do mundo. Do pioneiro discurso de Jo...
Alienação parental, o mal do século
Realidade presente em milhares de lares, a problemática da alienação parental, interpretada como a interferência na formação psicológica da criança o...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions