A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 25 de Setembro de 2017

02/10/2015 09:55

Você também é um ingrato?

Por Gregorio Vivanco Lopes (*)

Plinio Corrêa de Oliveira costumava dizer que a gratidão é a mais frágil das virtudes. E quanta razão ele tinha!

A trajetória de sua vida, totalmente preenchida pelo amor à Santa Igreja e a luta em defesa d’Ela, levou-o no entanto a colher com abundância os frutos amargos da ingratidão, até nas searas dos que eram os beneficiários naturais de sua atuação.

Fiel imitador do Divino Mestre, eis como ele O descreve em sua admirável Via Sacra, carregando a Cruz sob “a manifestação tumultuosa do ódio e da ingratidão daqueles a quem Ele tinha amado... a dois passos, estava um leproso a quem havia curado... mais longe, um cego a quem tinha restituído a vista... pouco além, um sofredor a quem tinha devolvido a paz. E todos pediam a sua morte, todos O odiavam, todos O injuriavam”.

Um amigo enviou-me há pouco da Itália uma crônica desenvolvendo esse mesmo tema, publicada no prestigioso jornal “Corriere dela Sera”, de Milão (22-8-11). Seu autor é o veterano escritor e sociólogo Francesco Alberoni, que lhe deu o seguinte título: “Se você ajudar alguém, não espere gratidão — deve fazê-lo somente por razões morais”.
Transcrevo-a na íntegra, traduzida.

* * *

“A nós todos já aconteceu de ajudar alguém, um amigo, um conhecido, para que encontre um emprego, para apoiá-lo num momento de necessidade, de forma desinteressada, e depois descobrir que a pessoa beneficiada, em vez de ficar agradecida, não só esquece o que você fez por ela, mas se torna distante e se comporta em relação a você com ressentimento. E me vem à memória aquela passagem do Paraíso Perdido de John Milton, na qual Satanás diz que se rebelou contra Deus por causa do peso insuportável da gratidão. Qual é o peso da gratidão? Como pode a gratidão tornar-se insuportável?

“O caso mais simples é o da inveja. Satanás queria mais, não aceitava sua condição de segundo. Lembro-me que, no início da minha carreira, ajudei um colega meu, psicólogo, que precisava trabalhar, e o fiz meu adjunto. Um dia alguém me disse que ele sempre falava mal de mim, a ponto de sua esposa, num dia em que os pegou uma tempestade, lhe disse: ‘Não será também isto culpa de Alberoni’? A explicação era simples. Depois de ter aprendido um pouco o ofício, pensava ser melhor do que eu, e queria tomar o meu lugar. A partir daí eu aprendi que é perigoso estar muito em evidência, porque se provoca a inveja dos colegas.

“Mas a falta de gratidão não se deve apenas à inveja. Toda vez que fazemos para um outro algo a mais do que é necessário, colocamos sempre em movimento mecanismos que podem ser positivos ou negativos. Tomemos o exemplo mais simples: dar um presente. O presente, mesmo se for dado da forma mais desinteressada e generosa, quase sempre cria a necessidade de retribuição. E se eu exagero na generosidade, posso colocar o outro num embaraço, porque ele não sabe como retribuir-me, e então se pergunta o que eu estou querendo dele em troca.

“Há porém pessoas que reagem da maneira oposta. Se você lhes dá um presente ou as ajuda, consideram que isso é uma obrigação sua e, se você parar de fazê-lo, o criticam e acusam.

“Em todos os casos, o resultado de sua generosidade será sempre uma ausência de gratidão.

“Portanto, quando você decidir dar um presente a alguém, ou apoiá-lo quando tem necessidade, ou ajudá-lo para que ele possa realizar suas potencialidades, lembre-se que você deve fazê-lo somente por razões morais, porque acha justo fazê-lo, sem esperar nada em troca.

“Se depois o outro lhe retribuir com lealdade e gratidão, considere este comportamento como sendo apenas o dom de um espírito generoso.”

* * *

Sirvam essas considerações para um exame de consciência.

(*) Gregorio Vivanco Lopes é advogado e colaborador da ABIM

Às vezes, temos de magoar alguém para salvar a nós mesmos
Poderemos ter que romper com um parceiro que ainda nos ame, que dizer não a alguém muito querido, que ser antipáticos, pois sempre haverá a necessida...
Por que participar do Comitê dos Usuários de Serviços de Telecomunicação
Desde a polêmica das franquias de dados na Internet fixa, a Agência Nacional de Telecomunicações vive uma crise de imagem e de legitimidade. Na época...
A Guerra de 100 anos: poupadores vs bancos
Há 680 anos, a Europa ocidental testemunhava o início de uma de suas mais longas guerras. A versão mais conhecida entre historiadores é de que o conj...
As deformações sobre o conteúdo (ataques e defesas) da reforma trabalhista
Recentemente li uma matéria no Jornal Valor Econômico, de 11 de setembro de 2017, que me deixou muito intrigado. Na verdade, perplexo. Com argumentaç...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions