A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 25 de Junho de 2018

17/09/2015 11:18

Volta Valdir, volta

Por Heitor Freire (*)

Como sabemos, infelizmente, a administração pública no Brasil não é regida pelo bom senso nem pelo espírito público, mas pelo interesse imediato. Isso é facilmente identificável pelo acontece na sucessão dos mandatos.

Cada novo administrador nomeia seus apaniguados de cabo a rabo, sem a menor consideração com o orçamento. O que cada um quer é agradar suas “bases”, garantir a continuidade de suas eleições e que o erário vá às favas. É o que vemos em todos os níveis de governo: do federal ao municipal.

O que menos importa é a responsabilidade com a coisa pública. E todos enchem os peitos para justificar suas ações, com os argumentos mais absurdos. O aumento do número de ministérios, por exemplo, que começou com o governo Fernando Henrique foi seguido pelo governo Lula e chegou aos píncaros com o governo Dilma. 

A Escola Nacional de Administração Pública (ENAP) acaba de divulgar um estupendo estudo sobre o perfil do servidor público brasileiro. Os dados foram coletados ao longo de dez anos, entre 2002 e 2012. No Executivo, o número de servidores civis e militares subiu de 775.116, em 2002, para 984.423, em 2012, um crescimento de 27%.

Assim fica demonstrado o inchaço que onera o orçamento com a única finalidade, como já disse, de atender às “bases”. E os governos do PT, Lula e Dilma, exageraram com os chamados cartões corporativos cujos gastos não são divulgados sob a máscara de atender ao imperativo de “segurança nacional”. E com esse disfarce os “cumpanheiros” deitam e rolam.

E a corrupção? E as obras com orçamentos “atualizados” para esconder as propinas? E as obras inacabadas cujos custos são elevados à estratosfera?

Trazendo a lente para a nossa cidade, os prefeitos gastam rios de dinheiro para implantar suas marcas nas administrações como se a coisa pública fosse de sua propriedade. Vimos o atual prefeito, ao assumir inicialmente seu mandato, criar uma marca que identificava as suas iniciais, do mesmo modo que o anterior, Nelson Trad Filho, que, aliás, deu continuidade ao número de obras realizadas pelo seu antecessor, André Puccinelli, para dar a impressão de um volume imenso de realizações.

A humanidade evoluiu e muito ao longo dos tempos. O mesmo não se pode dizer dos políticos. Marco Túlio Cícero, em 55 A.C. já proclamava: “O orçamento deve ser equilibrado, o Tesouro Público deve ser reposto, a dívida pública deve ser reduzida, a arrogância dos funcionários públicos deve ser moderada e controlada e a ajuda a outros países deve ser eliminada, para que Roma não vá à falência. As pessoas devem novamente aprender a trabalhar, em vez de viver às custas do Estado!”.

A semelhança não é mera coincidência.

A gestão pública no Brasil, em todos os níveis e com rara exceção não apresenta um projeto de governo, mas um projeto de poder. Ou ainda, uma soma de projetos pessoais.

E a descontinuidade das obras é outra característica dos governos. Agora em nossa cidade, por essas nuances da política, tudo parou. O atual prefeito ainda não nomeou todos os secretários, aliás, como fez na sua primeira investidura, o que causa uma situação de intranquilidade. Alega que não há urgência porque a administração continua funcionando. Alguém precisa dizer ao prefeito que um corpo sem cabeça não funciona.

Há poucos dias, escrevi um artigo comentando a ação do então secretário municipal de desenvolvimento urbano, Valdir Gomes, elogiando a sua obra no Horto Florestal, que, por força da nova administração, ficou incompleta. Por todos os lados vemos pedras amontoadas sem uma sinalização de quando vão ser concluídas; as calçadas cheias de pedras por todos os lados podem causar acidente aos pedestres.

O secretário Valdir deixou um exemplo de competência e de dedicação à causa pública, não só no seu último cargo, mas também em todas as suas investiduras, deixando um exemplo que deveria ser seguido.
Embora sabendo que o meu apelo será inútil, rogo: Volta, Valdir, volta.

(*) Heitor Freire é corretor de imóveis e advogado.

A corda arrebenta para todos
Ao pensar na África, geralmente formamos imagens com exuberância de recursos naturais. Falta de água nos remeteria aos desertos daquele continente, e...
Os três pilares do aprendizado
A educação brasileira passa por um profundo processo de transformação com a implantação da nova Base Nacional Comum Curricular. Precisamos estar pron...
O país onde tudo é obrigatório
Nos Estados Unidos, na França e na Inglaterra, as regras ou são obedecidas ou não existem, por que nessas sociedades a lei não é feita para explorar ...
Universidade pública e fundos de investimento
  A universidade pública não é gratuita, mas mantida pelos recursos dos cidadãos. E por que a Constituição brasileira escolheu determinar esse tipo d...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions