ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
ABRIL, DOMINGO  21    CAMPO GRANDE 23º

Cidades

Campanha contra a pólio acaba nesta sexta e só 55% do público foi vacinado em MS

Na Capital, apenas 21% do público alvo foi imunizado até o momento

Liana Feitosa e Natália Olliver | 29/09/2022 17:23
Unidade de saúde localizada no bairro Jardim Itamaracá. (Foto: Paulo Francis)
Unidade de saúde localizada no bairro Jardim Itamaracá. (Foto: Paulo Francis)

A campanha de vacinação contra a poliomielite termina nesta sexta-feira (30) e Campo Grande imunizou apenas 21% do público alvo, que são crianças entre 1 e 4 anos de idade até o final da manhã desta quinta-feira (29), de acordo com a Sesau (Secretaria Municipal de Saúde). No Estado, o índice é de 55,7% até o momento.

A imunização fica completa após a aplicação de três doses, aos 2, 4 e 6 meses de idade, de maneira injetável, e mais duas via oral, aos 2 e 4 anos. “Reforçamos que a adesão à campanha foi muito aquém do esperado, uma vez que a cobertura preconizada pelo Ministério da Saúde é de 95%”, disse a secretaria em nota.

Maykeli Maria é mãe do pequeno Gabriel, de 6 meses. (Foto: Paulo Francis)
Maykeli Maria é mãe do pequeno Gabriel, de 6 meses. (Foto: Paulo Francis)

A mãe de três crianças, Maykeli Maria Gonçalves, 27 anos, levou o filho Gabriel, de 6 meses, para vacinar na USF (Unidade de Saúde da Família) Cristo Redentor, no bairro Jardim Itamaracá, nesta quinta-feira.

Ela conta que conhece mães que preferem não vacinar os filhos, “mas tem também aquelas que já gostam da vacina, veem a vacina como um método contra as doenças”, relata.

“Eu vacino, sempre vacino. Na campanha contra a covid eu vacinei, meus filhos mais velhos também se vacinaram. Eu sou a favor da vacina, acho uma coisa muito boa mesmo”, compartilha. Na UBS (Unidade Básica de Saúde) do bairro Tiradentes, Sabrina Vieira de Souza, de 29 anos, mãe de duas crianças, acredita que a vacinação “é para o bem das crianças.”

Sabrina Vieira é mãe do João Miguel, de 1 ano. (Foto: Paulo Francis)
Sabrina Vieira é mãe do João Miguel, de 1 ano. (Foto: Paulo Francis)

Por causa da correria da vida e também por quadros alérgicos dos filhos, a aplicação de alguns imunizantes já acabaram atrasados, mas ela garante que não deixa de levar os filhos para receber a medicação. Hoje, ela levou o João Miguel, de 1 ano, para vacinar.

A doença - A poliomielite, também chamada de pólio ou paralisia infantil, é uma doença contagiosa aguda causada por um vírus que vive no intestino, chamado poliovírus, e que pode causar sequelas permanentes, insuficiência respiratória e, em alguns casos, levar à morte.

Segundo a Fiocruz, o vírus pode infectar crianças e adultos por meio do contato direto com fezes ou com secreções eliminadas pela boca das pessoas infectadas e provocar ou não paralisia. Nos casos graves, em que acontecem as paralisias musculares, os membros inferiores são os mais atingidos. O Brasil foi certificado em 1994 pela OMS (Organização Mundial da Saúde) como país livre da poliomielite. No entanto, a baixa adesão já alerta especialistas para a possibilidade de retorno da doença.

Na Capital, o imunizante está disponível nas 73 unidades de saúde. Após a campanha o imunizante seguirá à disposição da população em todas as unidades de saúde.


Nos siga no Google Notícias