ACOMPANHE-NOS    
SETEMBRO, QUARTA  23    CAMPO GRANDE 31º

Cidades

Macrorregião de Campo Grande lota 101% de UTIs com até "não oficiais" ocupadas

Secretaria explicou que já são utilizados leitos que foram disponibilizados na semana passada e não foram habilitados oficialmente

Por Ângela Kempfer | 09/08/2020 10:58
Na imagem de arquivo, profissional usa ventilação mecânica em paciente, na Santa Casa. (Foto: Divulgação)
Na imagem de arquivo, profissional usa ventilação mecânica em paciente, na Santa Casa. (Foto: Divulgação)

A semana começa com taxa de "101%" de lotação de UTIs na Macrorregião de Campo Grande, que recebe pacientes de 34 municípios da região. Até ontem, a taxa era de 99%. Segundo a Secretaria Estadual de Saúde, isso ainda não indica superlotação.

O que ocorre é que leitos ativados na semana passada já estão ocupados, mas ainda não foram oficialmente habilitados pelo SUS. São 295 leitos disponíveis, mas só 269 habilitados.

Segundo boletim da Sesau (Secretaria Municipal de Saúde) divulgado no fim da tarde de ontem (8), 298 pessoas estavam internadas até sábado: 176 em leitos clínicos e outros 121 em UTI. Mas esse número é só de pacientes com covid, ou suspeita da doença.

No entanto, nas últimas semanas, as secretarias do Estado e do município têm alertado para o número de acidentados e vítimas de violência, que ocupam as vagas de UTI na cidade, o que colabora para a ocupação total de Unidades de Terapia Intensiva na cidade.

O que pode amenizar a situação é a ativação de mais 7 leitos de UTIs nesta semana na cidade. Mas, segundo o secretário Geraldo Rezende informou ontem, isso depende de contratação de profissionais, o que ficou a cargo da prefeitura de Campo Grande.

"Estamos chegando agora a exaustão A única forma de evitar o colapso é decretar medidas restritivas que levem a aumentar taxa de isolamento social. As pessoas só podem sair de casa se for emergência. Vim pelo Parque dos Poderes e vi aglomerações de gente sem máscaras", comentou.

Campo Grande News - Conteúdo de Verdade

Atualização - Neste domingo, o Estado supera o número de 500 mortes por covid-19. Com mais 17 óbitos  e 509 sepultamentos no total, em decorrência do coronavírus. Na Capital, são mais 8 óbitos desde ontem, com 184 no total. Na cidade, a semana terminou com saldo de 38 mortes, média de 5,4 ao dia.

O Estado soma 31.344 contaminados por covid-19, 638 a mais que no sábado. São 514 pessoas internadas, 216 em UTIs, ontem eram 214.

"Não podemos dizer que os números estão diminuindo, pelo contrário" comentou a secretária-adjunta da SES, Christinne Mayome. Ela voltou a reclamar da demora no repasse dos resultados de testes pelas prefeituras, o que prejudica o monitoramento da doença no Estado.

Só em Campo Grande, segundo a SES, são 3.091 casos sem fechamento, ou seja, sem repasse de informações ao sistema de notificações.

Vítimas -  Foram oito mortes em Campo Grande, registradas nas últimas 24 horas, cinco homens, de 82 até 50 anos, e três mulheres, de 74, 64 e 48 anos. A mais nova, inclusive, não tinha comorbidades relatadas.

Dourados registrou duas novas mortes - tratam-se de dois idosos, de 79 e 71 anos. Jardim registrou a primeira morte por covid-19, a de uma idosa, de 83 anos.

Também foram confirmadas as mortes de um idoso, de 77 anos, e de uma mulher, de 56, em Nioaque. Outro homem, de 66, faleceu em Dois Irmãos do Buriti. Uma senhora de 83, morreu em Aparecida do Taboado e um homem, de 61, em Ladário. Por fim, um idoso, de 74, foi sepultado em Naviraí.