ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, TERÇA  25    CAMPO GRANDE 29º

Interior

Operação em MS apreende 27 cavalos que iriam virar mortadela e salsicha

Animais estavam sendo transportados para o Paraguai e foram apreendidos em Aral Moreira

Por Dayene Paz | 18/02/2024 11:08
Animais apreendidos em operação policial. (Foto: Divulgação/Polícia Civil)
Animais apreendidos em operação policial. (Foto: Divulgação/Polícia Civil)

Operação policial apreendeu 27 cavalos, na madrugada deste domingo (18), na cidade de Aral Moreira, a 397 km de Campo Grande. Os animais estavam sendo transportados para o Paraguai, onde seriam transformados em embutidos, como mortadela e salsicha. O motorista do caminhão boiadeiro afirmou que realizava a compra, revenda e transporte desses animais com frequência.

A investigação da Decon (Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes Contra as Relações de Consumo) e Iagro (Agência Estadual de defesa Sanitária Animal e Vegetal) começou a partir de uma primeira apreensão, no dia 4 de fevereiro, de 28 animais. Foi montada uma força-tarefa para monitorar o transporte ilegal.

Parado na MS-386, em Aral Moreira, o caminhão levava 27 cavalos, que foram carregados no município de Potirendaba (SP). O motorista contou que comprou cada um por R$ 300, totalizando R$ 8,1 mil. A revenda sairia por R$ 21,6 mil. Os animais tinham um assentamento na fronteira como destino.

Os médicos veterinários da Iagro constataram que os animais estavam extremamente debilitados e com machucados, transportados em gaiola metálica sem o piso emborrachado "o que contraria as boas práticas de manejo no transporte recomendadas pelo Ministério da Agricultura, caracterizando indícios de maus-tratos para com os animais", diz nota da Polícia Civil.

Segundo informado pelo motorista, os cavalos eram refugos de fazendas, denominados pangarés, e o receptador os encaminhava para consumo humano no país vizinho, Paraguai, utilizados como embutidos, mortadela, entre outros produtos de origem animal.

O preso, de 48 anos, afirmou que em média realizava quatro viagens dessa modalidade por mês.

A ocorrência foi apresentada na 1ª Delegacia de Ponta Porã. "A prisão ressalta a importância da repressão a alimentos descaminhados e contrabandeados sem registro no Ministério de Agricultura e Pecuária – MAPA, pois a produção de alimentos com carne de animais doentes traz sérios riscos à população", enfatizou a Polícia Civil.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.

Nos siga no Google Notícias