ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
ABRIL, TERÇA  16    CAMPO GRANDE 24º

Cidades

Com contrato vencido, transplantes são suspensos, para frustração de 473 pessoas

Prefeitura não renovou contrato com laboratório e exames necessários para cirurgias estão paralisados

Gabrielle Tavares | 09/08/2022 18:36
Cirurgias de transplante realizada no ano passado, na Santa Casa. (Foto: Divulgação/Governo Federal)
Cirurgias de transplante realizada no ano passado, na Santa Casa. (Foto: Divulgação/Governo Federal)

Contrato entre a Prefeitura de Campo Grande e o laboratório Bio Molecular, responsável pelos exames necessários para realização de transplantes de órgãos, venceu no domingo (7) e não foi renovado. Nem licitação para contratação de nova empresa foi lançada. Sem os exames, 473 pacientes que aguardam um novo órgão na Capital ficam impedidos de seguir com o processo para a operação.

Como esses exames são de alta complexidade, eles só eram realizados em Campo Grande, o que prejudicará pacientes de todo o Estado. De acordo com a SES (Secretaria Estadual de Saúde), são 145 pacientes na fila para transplante de rim, 323 para córneas e cinco esperando um transplante de coração em Mato Grosso do Sul.

O contrato, no valor de R$ 4,2 milhões por ano, previa utilização de recursos do SUS (Sistema Único de Saúde), e foi firmado em 2 de agosto de 2016, sofrendo sete aditivos desde então.

O último foi em 2021, de acordo com extrato assinado pelo secretário Municipal de Saúde, José Mauro Filho, que prorrogou a prestação de serviços até este ano. Agora, a empresa afirmou que recebeu um ofício da Prefeitura alegando que o contrato não seria novamente renovado.

“Ontem já não tínhamos contrato, então hoje já estamos parados. O transplante é uma rede, uma engrenagem, cada setor tem uma responsabilidade. Então, se para um, para todos. Sem laboratório não adianta pedir doação, não adianta fazer a parte bioquímica, assim como sem algum desses outros setores, o laboratório também não opera”, explicou a diretora do Bio Molecular, que preferiu não se identificar.

Entre os exames realizados exclusivamente pelo laboratório em Mato Grosso do Sul, está o de retrocompatibilidade, usado para identificar se os doadores de órgãos são compatíveis com os receptores.

Segundo a Sesau (Secretaria Municipal de Saúde) portaria do Ministério da Saúde, de 28 de setembro de 2017, estabeleceu que é de competência dos governos estaduais a estruturação e bom funcionamento das Centrais de Notificação, Captação e Distribuição de Órgãos.

A prefeitura alega que o Estado foi oficiado em 29 de março sobre o fim do contrato e "a respeito da necessidade da realização de nova licitação" e que "desde então o município aguarda o retorno do órgão".

No entanto, em nota, a SES alegou que em acordo mediado pelo MPE (Ministério Público Estadual), envolvendo o município de Campo Grande e o Laboratório Biomolecular, fo possível dobrar o valor repassado pelo Ministério da Saúde à prefeitura, para que os serviços fossem oferecidos para pacientes de todo Estado.

De acordo com o governo Estadual, o montante repassado ao município de Campo Grande soma R$ 2.623.004,05 desde abril deste ano, valor igual ao que o Município recebeu do Ministério da Saúde no mesmo período.

"Esses valores são tudo o que o Município de Campo Grande usa para remunerar o contrato com o Laboratório Biomolecular, não despendendo qualquer recurso municipal para tanto. Ainda assim, o Município decidiu não fazer novo contrato com o Laboratório Biomolecular", afirmou a SES, em nota.


Nos siga no Google Notícias