ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
ABRIL, SÁBADO  20    CAMPO GRANDE 30º

Comportamento

Gêmeas siamesas viveram por 2 horas e partiram unidas pelo coração

Prematuras, com 2,7 kg, bebês ganharam nome, Ariely e Alany, e deixaram saudades para a vida toda

Por Anahi Zurutuza | 26/02/2024 17:55
Meninas nos braços da mãe e do pai logo após o nascimento (Foto: Arquivo de família)
Meninas nos braços da mãe e do pai logo após o nascimento (Foto: Arquivo de família)

Gêmeas siamesas, Ariely e Alany nasceram prematuras, com 2,7 kg, após 7 meses na barriga da mamãe, a balconista Luciana Sentene. Apesar de parecerem bastante fortes para a condição em que se encontravam, as meninas não resistiram por muito tempo fora do útero. Cerca de duas após o nascimento, elas partiram, assim como chegaram, unidas pelo mesmo coração.

Luciana descobriu a gravidez ao fazer exames de rotina por estar tratando um cisto no ovário. A maior surpresa veio ao começar o pré-natal e ver que a gestação era de gêmeas siamesas ligadas pelo tronco.

Moradora de Rio Verde, a 203 quilômetros de Campo Grande (MS), a balconista não economizou esforços para levar a gravidez até o fim. Estava sendo acompanhada no Hospital das Clínicas, em São Paulo (SP), e foi encaminhada para equipe médica do HU (Hospital Universitário) Maria Aparecida Pedrossian, na Capital.

Apesar de já estar preparada para o pior, tinha a esperança que as meninas sobrevivessem mais tempo e até que pudessem ser submetidas a uma cirurgia para a separação. “Os médicos tinham me alertado. Então, a gente já tinha se preparado. Mas, não era o que a gente queria. Infelizmente, não teve muito o que fazer e seria impossível fazer a separação delas”, explica a mãe.

Acreditei muito que Deus faz milagres, mas que tudo é feito pela vontade dele. Deus determinou o tempo delas, Ariely e Alany", completou Luciana Sentene.

Ariely e Alany durante o pouco tempo de vida (Foto: Arquivo de família)
Ariely e Alany durante o pouco tempo de vida (Foto: Arquivo de família)

A balconista narra ainda que foi submetida a uma cirurgia complicada, no dia 15 de fevereiro. Por causa do tamanho das meninas, não era mais possível levar a gravidez adiante. “Fizeram um corte vertical no útero. A minha recuperação é bem lenta, porque ainda posso sofrer hemorragia”, conta Luciana, 10 dias após o parto. Ela tem mais 110 dias de repouso pela frente.

O pós-cirúrgico levou 3 dias e só depois, ela voltou a Rio Verde para sepultar a filhas. Para a mãe, o resguardo é o de menos. Os dias ainda andam confusos. “Tem hora que a gente acorda, pensa que não aconteceu”.

Difícil também foi fazer a irmãzinha, de 6 anos, entender que não terá as duas pequeninas em casa para cuidar e brincar. “A gente vai trabalhando o psicológico com Deus. O meu outro rapaz, de 14 anos, até que entendeu melhor a situação”.

Luciana pede para encerrar a entrevista agradecendo à assistência que recebeu no HU, que a manteve viva, durante cirurgia complicada, e está cuidado de sua recuperação. Ela também é grata aos moradores que Rio Verde que se comoveram com a história e a ajudaram financeiramente. “Fizeram um almoço beneficente para me ajudar, porque a nossa condição financeira não é das melhores e fizemos viagem para SP. Tudo o que tinha de fazer, a gente fez. Sou muito grata à Comunidade Católica São João Batista que fez a galinhada para me ajudar”.

Luciana Sentene feliz antes da cirurgia no Hospital Universitário de Campo Grande (Foto: Arquivo pessoal)
Luciana Sentene feliz antes da cirurgia no Hospital Universitário de Campo Grande (Foto: Arquivo pessoal)

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.

Nos siga no Google Notícias