ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, SEGUNDA  24    CAMPO GRANDE 22º

Cidades

Gerente de quadrilha integrada por PMs deixa prisão com tornozeleira

Operação levou para a cadeia policiais, servidores públicos e advogados

Por Dayene Paz | 14/05/2024 09:47
Arma e documentos apreendidos durante a operação Last Chat. (Foto: Divulgação | Gaeco)
Arma e documentos apreendidos durante a operação Last Chat. (Foto: Divulgação | Gaeco)

Apontada como integrante de uma quadrilha de tráfico de drogas e armas, Kelli Letícia de Campos, 38, conseguiu prisão domiciliar, em decisão no fim da tarde desta segunda-feira (13). Ela foi presa durante operação do (Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado), contra esquema integrado também por policiais militares e advogados de Mato Grosso do Sul. O líder da quadrilha é Rafael da Silva Lemos, o “Gazela” ou “Patrão”, fugiu da cadeia em dezembro do ano passado e é procurado até hoje.

Conforme a investigação, Kelli era dona de uma das principais empresas de fachada para lavar o dinheiro do tráfico: a KLC Construções e Transportes em Logística Eireli, com endereço no Bairro Parati, em Campo Grande. Além disso, o Gaeco aponta que Kelli contava com ajuda de um contador, para dar legitimidade à contabilidade da empresa, e também guardava os veículos de Rafael, o Patrão.

Presa desde a deflagração da operação, em 24 de abril deste ano, a defesa de Kelli pediu a prisão domiciliar por ela ter uma filha menor de 12 anos. O Ministério Público foi contra ao pedido, mas a Justiça determinou a prisão domiciliar.

"(...) a idade da criança denota a imprescindibilidade da mãe para o respectivo desenvolvimento. Nesse contexto, possível o deferimento do pedido de substituição da prisão preventiva por domiciliar com tornozeleira eletrônica, assim como pelo cumprimento de demais medidas cautelares", diz a decisão assinada pela juíza May Melke Amaral Penteado Siravegna.

Em 8 de maio, outra presa na Last Chat também conseguiu liberdade provisória. Viviane Fontoura Holsback está sendo monitorada com tornozeleira eletrônica. Ela é tratada como companheira do líder do esquema, Rafael da Silva Lemos. Para a decisão, a juíza também levou em conta os dois filhos menores de 12 anos.

Operação - A Last Chat levou para a cadeia policiais, servidores públicos, e "gravatas do PCC", que prestavam serviço a Rafael da Silva. "Braço direito" dele, conforme a investigação, a advogada Paula Tatiane Monezzi, 38, repassava os recados do preso aos outros integrantes e recebeu mais de R$ 100 mil do grupo criminoso.

Rafael da Silva Lemos fugiu do presídio em dezembro do ano passado. (Foto: Divulgação)
Rafael da Silva Lemos fugiu do presídio em dezembro do ano passado. (Foto: Divulgação)

Paula e outros dois advogados, Cybelle Bezerra da Silva e Lucas Eric Ramires dos Santos, faziam parte do esquema de tráfico e lavagem de dinheiro, de acordo com levantamento do Gaeco - órgão ligado ao MPMS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul). Paula já foi alvo de operação anterior e teve registro suspenso pela OAB/MS (Ordem dos Advogados do Brasil – Seccional de Mato Grosso do Sul).

A investigação aponta que ela auxiliava Rafael e, para isso, utilizava a própria conta bancária e a do namorado, que recebiam o dinheiro vindo do tráfico. Também levantava informações sigilosas para Patrão. Gaeco desconfia que advogada usava tablet de criança no “trabalho” para o PCC .

Um exemplo citado no processo foi a prisão de um dos integrantes, Jaderson Max Teixeira Brandão, flagrado com 1,5 tonelada de maconha pertencente a Rafael. Ao tomar conhecimento da prisão de Jaderson, Patrão entrou em contato com Paula para que ela tomasse providências. O objetivo era verificar se havia risco de os endereços onde a droga estava armazenada serem descobertos pela polícia.

Para isso, Paula precisava descobrir o que Jaderson havia dito para a polícia. Então, a advogada pagou ao policial militar Thiago Souza Martins para que obtivesse informações privilegiadas. Depois, repassou as informações a Rafael.

Em outro caso, quem desempenhou o mesmo papel foi a advogada Cybelle Bezerra, de acordo com a investigação. Após a prisão de outro integrante e "gerente" da quadrilha, Ítalo Eufrásio Lemos, ou "Itim", Cybelle o visitou com objetivo de orientá-lo sobre o que dizer para a polícia e não comprometer a quadrilha. Lucas Eric foi contratado e exerceu a mesma função, repassar recados de Rafael.

Gerentes - Havia uma segunda divisão na quadrilha, os chamados de "gerentes", segundo o Gaeco. Estavam inclusos: Ricardo Rodrigues Silva, Ítalo Eufrásio Lemos, ou "Itim", Kelli Letícia de Campos, e Klemerson Oliveira Dienstman. Eles exerciam espécie de liderança em relação aos demais integrantes.

Entenda - Investigação aponta que eles integram quadrilha de tráfico de armas e drogas, liderada por Rafael da Silva Lemos, conhecido como “Gazela” ou “Patrão”, que fugiu do presídio em dezembro do ano passado. A ação é desmembramento de outra investigação, da Operação Courrier, que chegou a prender um defensor público de Mato Grosso do Sul, em maio do ano passado.

A Last Chat cumpriu 55 mandados judiciais, de prisão preventiva e busca e apreensão, em Campo Grande, Ponta Porã, São Paulo (SP) e Fortaleza (CE). Segundo o MPMS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul), a quadrilha contava com uma rede sofisticada de distribuição.

"Simultaneamente ao tráfico de drogas, a organização criminosa atua fortemente no comércio ilegal de armas de grosso calibre, como fuzis e submetralhadoras, além de granadas, munições, acessórios e outros materiais bélicos de uso restrito", diz trecho de nota do MP.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.

Nos siga no Google Notícias