ACOMPANHE-NOS    
AGOSTO, QUINTA  06    CAMPO GRANDE 20º

Cidades

Mulheres vítimas de violência poderão solicitar medida protetiva on line

Projeto piloto vai funcionar em Campo Grande, para depois ser ampliado às demais comarcas

Por Leonardo Rocha | 09/07/2020 10:09
Sede do TJ-MS, no Parque dos Poderes, em Campo Grande (Foto: Divulgação)
Sede do TJ-MS, no Parque dos Poderes, em Campo Grande (Foto: Divulgação)

O TJ-MS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul) abriu a possibilidade para que mulheres vítimas de violência em Campo Grande possam requisitar a medida protetiva de forma on line, por meio do site do Poder Judiciário. A intenção é facilitar o acesso a este público, dando mais agilidade para obter este instrumento legal.

A vítima poderá acessar o site do Tribunal de Justiça e preencher o requerimento que estará disponível, no local destinado para as medidas protetivas de urgência. Este pedido será encaminhado para análise da instância competente, desta forma o processo poderá ser maias rápido.

A proposta foi idealizada pela juíza Jacqueline Machado, da 3ª Vara da Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher de Campo Grande. A magistrada ponderou que se trata de mais uma forma da mulher vítima de violência ter um “canal direto” com a Justiça.

A ideia teve o aval da presidência e Corregedoria do Tribunal. O presidente do TJ-MS, o desembargador Paschoal Carmello Leandro, destacou que neste momento de pandemia, em que muitas pessoas estão em casa, aumentou a situação de risco para os casos de violência doméstica, pelo convivência em maior período com o agressor.

“A situação vivenciada neste momento é gerador de maior estresse psicológico, o que, somado à situação anterior, torna-se, infelizmente, terreno fértil para o aumento dos índices de violência. Além disso, o distanciamento social acabou resultando em grandes obstáculos para que a vítima registre ocorrência”, descreveu ele.

A juíza Helena Alice explicou que este “projeto-piloto” vai funcionar por enquanto na comarca de Campo Grande. Ele ficará em vigência por 180 dias e no final do prazo será apresentado um relatório sobre seus desempenho, que se tiver um resultado positivo, poderá ser ampliado para as demais comarcas do Estado.

Emergência – A idealizadora do projeto lembrou que nos casos de emergência, as vítimas precisam ligar no 190 (Polícia Militar) ou ir até uma farmácia e colocar a marca de “X” na mão, para que os funcionários possam acionar ajuda das autoridades. Este método foi implantado em todo País, para aumentar o número de denúncias.