ACOMPANHE-NOS    
JUNHO, QUARTA  03    CAMPO GRANDE 19º

Cidades

Pesquisadores começam testes rápidos de covid-19 na periferia, mas são detidos

Dourados e Corumbá também fazem parte do levantamento que vai alcançar 250 pessoas em cada um dos municípios

Por Lucia Morel, Liniker Ribeiro e Aletheya Alves | 14/05/2020 18:46
Pesquisa começou hoje em 133 cidades do Brasil e entrevistadores estão paramentados com equipamentos de segurança. (Foto: Kísie Anoiã)
Pesquisa começou hoje em 133 cidades do Brasil e entrevistadores estão paramentados com equipamentos de segurança. (Foto: Kísie Anoiã)

No primeiro dia de pesquisas com testes rápidos do covid-19 em Campo Grande, dois entrevistadores do Ibope acabaram sendo detidos, na Vila São Jorge da Lagoa, região do Batistão. Eles foram confundidos com golpistas e tiveram de prestar esclarecimentos à Polícia Civil.

Ao Campo Grande News um dos pesquisadores informou que a meta dele e do colega para hoje, era realizar 30 pesquisas - que além de questionário, realiza teste rápido para detecção de covid-19 -, mas só conseguiram fazer 8.

“Ficamos duas horas na delegacia, o que já atrasou o serviço, mas a aceitação das pessoas em participar da pesquisa também não está sendo como esperado”, afirmou o entrevistador Raul Marcelino de Souza, 43 anos, que já participou de outras pesquisas para o Ibope.

A pesquisa nacional do Ibope Inteligência, começou hoje em 133 cidades do Brasil, sendo três delas em Mato Grosso do Sul: Campo Grande, Dourados e Corumbá. A iniciativa ocorre a pedido do Ministério da Saúde e em parceria com a Ufpel (Universidade Federal de Pelotas)

Ofício do Ministério da Saúde é apresentado para morador confiar no trabalho de pesquisa. (Foto: Kísie Anoiã)
Ofício do Ministério da Saúde é apresentado para morador confiar no trabalho de pesquisa. (Foto: Kísie Anoiã)

Paramentados com máscara e outros equipamentos de proteção, os pesquisadores foram treinados para completar o questionário e também para realizar o teste rápido de covid-19. O treinamento foi na semana passada na Escola Estadual Brasilina Ferraz Mantero, no bairro Jardim Leblon.

Responsável pelo recrutamento de entrevistadores na Capital, João Carlos Belém, dono da JC Pesquisas e Consultoria, explicou que a desconfiança da população é algo normal, e que por isso, os pesquisadores usam crachás de identificação e ainda, ofício do Ministério da Saúde que explica o trabalho.

Tal ofício pode ser acessado pelas pessoas através de um QR Code impresso no papel. Quanto ao crachá, os dois entrevistadores identificados pela reportagem, estavam sem o ítem, o que segundo Belém, não é ideal. No entanto, ressaltou que a identificação prioritária é o ofício.

Raul disse que adesão da população está baixa e fez apenas 8 testes da meta de 30 para o primeiro dia. (Foto: Kísie Anoiã)
Raul disse que adesão da população está baixa e fez apenas 8 testes da meta de 30 para o primeiro dia. (Foto: Kísie Anoiã)

Procurado, o Ibope informou que em casos como o de hoje, em que a população desconfia dos pesquisadores, “nossos advogados entram em contato com as autoridades para explicar o mal-entendido e fazem os procedimentos necessários para liberar os entrevistadores”.

Sobre como fazer para que as pessoas confiem no trabalho e acreditem que se trata de uma pesquisa real, o Ibope disse que “a equipe de entrevistadores é treinada para abordagens desse tipo. Além disso, todos os entrevistadores que vão realizar as entrevistas foram testados e apenas aqueles que apresentaram resultado negativo irão às ruas para realização da coleta de dados e aplicação do teste sanguíneo. Esses profissionais foram devidamente treinados por um especialista da área de saúde e estarão utilizando os equipamentos de proteção individuais (EPIs), conforme orientação do Ministério da Saúde”.

Pesquisa – Iniciada hoje em todo Brasil, a pesquisa “Evolução da prevalência de infecção por Covid-19 no Brasil: Estudo de Base Populacional”, quer testar 250 pessoas em cada uma das 133 cidades selecionadas no País. Segundo o dono da JC Pesquisas, terceirizada do Ibope, a intenção é que os trabalhos terminassem amanhã, mas não será possível.

Ele alega que além do contratempo na delegacia, em Campo Grande, a chuva constante não tem ajudado na evolução dos trabalhos e crê que o serviço seja finalizado apenas no domingo.

Na Capital, são 18 entrevistadores que estão percorrendo 25 bairros ou setores censitários, e obrigatoriamente, 10 pessoas em cada um desses setores devem responder às perguntas e fazer o teste rápido, para que se alcance 250 pesquisados. Os mesmos números devem ser cumpridos nos demais municípios.

Os entrevistadores devem estar com máscaras descartáveis, toucas descartáveis, aventais descartáveis, sapatilhas descartáveis, óculos de proteção e luvas. Além disso, todos os entrevistadores devem ter em mãos, segundo o Ibope, frascos de álcool gel, sacos de lixo infectante e caixas de descarte de materiais hospitalares.

Além de entresvista, população também passa por teste rápido para detecção de covid-19. (Foto: Kísie Anoiã)
Além de entresvista, população também passa por teste rápido para detecção de covid-19. (Foto: Kísie Anoiã)

Os 25 bairros selecionados em Campo Grande são: Centro, São Francisco, Vila Glória, Santa Fé, Chácara dos Poderes, Noroeste, Nova Lima, Monte Castelo, Mata do Segredo, Santo Antônio, Santo Amaro, Popular, Pioneiros, Centro Oeste, Lageado, Aero Rancho, Jacy, Piratininga, Tiradentes (em dois setores), Carlota, Universitário, Leblon, Batistão e São Conrado.

Conforme o Ibope, o estudo será realizado em três etapas, sempre nos mesmos 133 municípios. A primeira etapa ocorre entre os dias 14 e15 maio. As demais ocorrerão a cada 15 dias e, ao término da pesquisa, 99.750 brasileiros terão sido testados.

Delegacia – O delegado adjunto da 6ª Delegacia de Polícia, Giuliano Biacio, informou que foram acionados na manhã de hoje por moradores do bairro São Jorge da Lagoa, na região do Batistão. Para ele, o que motivou a denúncia foi o susto da população.

“Eles começaram hoje e aí o pessoal ficou assustado porque todo mundo está vendo que os testes comprados em farmácias custam caro. Aí chega uma pessoa dizendo que vai testar gratuitamente, assusta”, avalia.

Entrevistadores foram treinados para aplicar o teste rápido de covid-19. (Foto: Kísie Anoiã)
Entrevistadores foram treinados para aplicar o teste rápido de covid-19. (Foto: Kísie Anoiã)

Biacio disse ainda que os dois entrevistadores “apresentaram as informações sobre a pesquisa, todos documentos retirados da internet” e que “aparentemente está tudo certo”.

O delegado ressaltou ainda que “eles estavam bem protegidos, com óculos, avental, máscara” e que “ainda estamos investigando para comprovar tudo, mas já ligamos para o Ibope Inteligência e a advogada deles disse que realmente é a pesquisa”.