ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
ABRIL, SÁBADO  20    CAMPO GRANDE 30º

Cidades

Pessoas com deficiências ocultas terão atenção de programa inédito em MS

Governador, primeira-dama, secretária e representantes de instituições participaram do lançamento hoje (2)

Por Cassia Modena | 02/04/2024 17:25
Primeira-dama Mônica Riedel e governador Eduardo Riedel posam ao lado de meninos com deficiência oculta (Foto: Henrique Kawaminami)
Primeira-dama Mônica Riedel e governador Eduardo Riedel posam ao lado de meninos com deficiência oculta (Foto: Henrique Kawaminami)

Na tarde desta terça-feira (2), que é o Dia Mundial de Conscientização sobre o Autismo, foi lançado no auditório do Bioparque Pantanal programa do Governo de Mato Grosso do Sul que promete ajudar a melhorar a relação da sociedade com pessoas que têm alguma deficiência oculta como o próprio TEA (Transtorno do Espectro Autista) e a paralisia cerebral, por exemplo.

O governador Eduardo Riedel participou do evento junto à primeira-dama Mônica Riedel. A secretária de Cidadania, Viviane Luiza, e representantes de instituições que defendem direitos das pessoas com deficiência em Mato Grosso do Sul, também.

MS Acessível será o nome da ação que, segundo o governo, é inédita no Estado e no Brasil.

Eduardo Riedel destacou que ela foi lançado para "Mato Grosso do Sul continuar se desenvolvendo sem deixar ninguém para trás" e em parceria com instituições da sociedade civil que lutam há anos para dar visibilidade "às deficiências que não têm cara e são incompreendidas" por não serem facilmente perceptíveis pela maioria das pessoas.

Governador cumprimenta Mirella Ballatore Tosta, presidente da Associação de Mulheres com Deficiência de Campo Grande (Foto: Henrique Kawaminami)
Governador cumprimenta Mirella Ballatore Tosta, presidente da Associação de Mulheres com Deficiência de Campo Grande (Foto: Henrique Kawaminami)

Medidas - Na prática, o programa prevê dar cursos a servidores públicos estaduais de todas as cidades de Mato Grosso do Sul, ensinando a atender com respeito e empatia pessoas com deficiência e seus acompanhantes em locais como o Detran (Departamento Estadual de Trânsito) e outras repartições que atendem ao público. Quem estiver capacitado receberá um cordão branco e poderá atendê-los com prioridade.

O que vai facilitar a identificação do grupo prioritário será o uso do cordão verde estampado com girassol, símbolo que é reconhecido mundialmente e validado em Mato Grosso do Sul por lei estadual de 2022. Outro pioneirismo foi essa legislação, acrescentou o governador. Uma lei federal instituindo a medida veio só depois, no ano seguinte.

Empresas já estão procurando o governo para capacitar seus funcionários também, mas isso só será possível após as capacitações de servidores terminarem, conforme dito no lançamento. Estão certificados 780, até o momento.

Servidor que fez curso de atendimento recebe o cordão branco (Foto: Henrique Kawaminami)
Servidor que fez curso de atendimento recebe o cordão branco (Foto: Henrique Kawaminami)

Além disso, o MS Acessível vai unir outras pastas do governo para promover ações voltadas à integração de pessoas com deficiência oculta, como explica a secretária de Cidadania. "Estamos com um projeto de turismo acessível que vai começar por Bonito, faremos mapeamento de políticas públicas [para pessoas com deficiência nos municípios], e uma ação para aprimorar inserção das pessoas com deficiência no mercado de trabalho", cita.

O governo estima que Mato Grosso do Sul tenha 9 mil habitantes com alguma deficiência oculta. O dado não é oficial, mas foi comentado hoje no Bioparque Pantanal.

Não sabia e admite - Durante discurso no lançamento, a primeira-dama admitiu que já percebeu na própria fala termos considerados preconceituosos e desconhecimento sobre como são amplas as necessidades das pessoas com deficiência.

"No primeiro evento público que participei com mães de pessoas com deficiência, vi que falei coisas erradas e achava que bastava uma rampa para haver acessibilidade. Ignorância que a maioria das pessoas pode ter, uma barreira [a vencer]", disse Mônica.

A primeira-dama, Mônica Riedel, enquanto lembrava de erros já cometidos ao se referir às pessoas com deficiência (Foto: Henrique Kawaminami)
A primeira-dama, Mônica Riedel, enquanto lembrava de erros já cometidos ao se referir às pessoas com deficiência (Foto: Henrique Kawaminami)

Ela reforça que o uso do cordão de girassol é aliado e será distribuído pelo governo, inclusive. "Parece coisa simples, mas quanto mais simples, maior é a adesão", falou.

Melhor momento - Presidente de associação de mães de pessoas com TEA, Naina Dibo comemorou esta terça como "o dia mais importante ano" para a família e para toda a comunidade de pessoas com deficiência oculta.

"Mesmo quando a gente fala sobre o cordão [de girassol], a maioria das pessoas com deficiência ainda passa por barreiras atitudinais", ressalta. O termo quer dizer comportamentos ou atitudes preconceituosas que ainda impedem acesso aos ambientes, convivência ou relacionamentos, seja intencionalmente ou não.

A subsecretária de Políticas Públicas para Pessoas com Deficiência, Telma Nantes, classifica este como "o melhor momento para efetivar políticas públicas" para este grupo. "Cerca de 21% da população tem deficiência, esse programa é uma 'arma' que eles têm agora", finaliza.

Banda Down - Formado por 22 pessoas com síndrome de Down e sete com TEA (Transtorno do Espectro Autista), o grupo abriu o evento de lançamento tocando "Ana Julia" dos Los Hermanos, na versão instrumental.

A inclusão de pessoas com autismo é novidade na banda, que existe há 18 anos na Capital e só admitia pessoas com síndrome de Down até pouco tempo.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.

Nos siga no Google Notícias