ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MAIO, QUARTA  22    CAMPO GRANDE 24º

Cidades

Por maioria no STF, empresário de MS responderá por 7 crimes após depredações

Relatório aponta que “Paulinho Seguros” foi um dos primeiros a quebrar a vidraça da Câmara dos Deputados

Jhefferson Gamarra | 18/08/2023 11:44
José Paulo Alfonso Barros postou foto durante invasão em 8 de janeiro. (Foto: Reprodução)
José Paulo Alfonso Barros postou foto durante invasão em 8 de janeiro. (Foto: Reprodução)

O STF (Supremo Tribunal Federal) formou maioria para tornar o empresário de Ponta Porã José Paulo Alfonso Barros, conhecido como “Paulinho Seguros”, réu por participação nos atos antidemocráticos de 8 de janeiro. Conforme relatório do ministro Alexandre de Moraes, o apoiador do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) vai responder pelos crimes de associação criminosa armada; abolição violenta do estado democrático de direito; golpe de estado; dano qualificado pela violência e grave ameaça, com emprego de substância inflamável; deterioração de patrimônio tombado; concurso de pessoas e concurso material.

Além do sul-mato-grossense, outros 69 investigados por participação no quebra-quebra nas sedes dos Três Poderes se tornaram réus. Este é o 9º bloco de denúncias do 8 de janeiro analisado pela Corte. Outras 1.246 denúncias feitas pela PGR (Procuradoria-Geral da República) já haviam sido aceitas pelo STF.

O plenário acompanhou a posição do relator, ministro Alexandre de Moraes, pela abertura das ações penais, que iniciou o julgamento virtual na segunda-feira (14). A ministra Cármen Lúcia e os ministros Edson Fachin, Luiz Fux, Luís Roberto Barroso e Gilmar Mendes acompanharam a posição de Moraes.

Conforme relatório da Suprema Corte, o empresário de Mato Grosso do Sul invadiu as galerias do Congresso Nacional e participou ativamente da destruição dos móveis. Além disso, Paulo Alfonso foi apontado como um dos primeiros a quebrar a vidraça da Câmara dos Deputados, utilizando uma ferramenta que retirou do bolso, demonstrando que toda ação foi planejada, sendo toda a ação capturada pelo circuito de monitoramento da Câmara.

De acordo com a peça acusatória, a ação do empresário de Mato Grosso do Sul em conjunto dos demais denunciados resultou em prejuízo inicialmente estimado, e sem contar os danos incalculáveis a bens da União, de R$ 3,5 milhões no Senado Federal e R$ 1,1 milhão na Câmara dos Deputados. Já no Palácio do Planalto, os danos ultrapassam o valor de R$ 9 milhões.

Vale ressaltar que o ato de receber a denúncia marca o ponto de partida para o desencadeamento dos procedimentos legais penais. Uma vez que as acusações sejam acolhidas, os indivíduos sob investigação terão a oportunidade de apresentar uma resposta por escrito. Em seguida, terão a possibilidade de designar testemunhas a serem ouvidas e evidências a serem recolhidas. A fase do julgamento na Suprema Corte começa após a conclusão desse estágio.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para entrar na lista VIP do Campo Grande News.

Nos siga no Google Notícias